UAI
Publicidade

Estado de Minas OPERAÇÃO BRUMADINHO

Operação Brumadinho: nova estratégia pode diminuir as buscas em 2 anos

Após a coletiva de explicação da nova fase da operação, Bombeiros receberam uma homenagem


21/10/2021 12:36 - atualizado 21/10/2021 18:25

Ver galeria . 15 Fotos Corpo de Bombeiros e familiares de vítimas do rompimento da barragem se encontraram no milésimo dia de operação. Nova estratégia de buscas é lançada para agilizar os trabalhos e encontro de oito joias.Leandro Couri/EM/D.A. Press
Corpo de Bombeiros e familiares de vítimas do rompimento da barragem se encontraram no milésimo dia de operação. Nova estratégia de buscas é lançada para agilizar os trabalhos e encontro de oito joias. (foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press )

BRUMADINHO – Desistir não é uma opção. A Operação Brumadinho completa, nesta quinta-feira (21/10),  1 mil dias de trabalhos de buscas por vítimas que foram soterradas  pela avalanche de lama que se desprendeu da Barragem B1, da Mina Córrego do Feijão, de propriedade da Vale.

A tragédia  deixou 270 mortos e oito pessoas ainda não foram encontradas  – jóias que são a motivação para o trabalho não parar.

Na manhã desta quinta-feira (21/10), o Corpo de Bombeiros concedeu entrevista coletiva na Base Bravo (local onde os militares se reúnem em Brumadinho)  para detalhar a nova estratégia de buscas, divulgada pelo   Estado de Minas na segunda-feira (18/10). Esta nova fase pode diminuir em dois anos o tempo de buscas – antes, a previsão era de que  as buscas poderiam levar mais quatro anos  até o fim.

“Tudo vai depender do funcionamento de como os trabalhos vão ser desenvolvidos com as estações de busca”, afirmou o coronel Erlon Dias Machado, chefe do estado-maior do Corpo de Bombeiros. “Com essa nova proposta, é apenas uma estimativa que se reduza de dois anos para trás. Não tem como afirmar se serão dois anos, mas a gente entende que (possa ser) de dois anos pra trás. Depende de como cada estação vai funcionar.”

O processo consiste na utilização de cinco estações de busca na área onde funcionava o Terminal de Carga Ferroviário (TCF) da mineradora. Essas estações abrigam um maquinário capaz de melhorar a observação do rejeito revirado pois já é utilizada para "peneirar" o minério e foi adaptada especificamente para a Operação Brumadinho.



Esse novo método é baseado na segregação granulométrica. Um maquinário recebe o rejeito que ainda não foi vistoriado e separa para vistoria de acordo com a gramatura do material. Dentro da cabine, dois bombeiros observam atentos tudo que passa pela esteira e, em caso de visualizar algum objeto que possa ser segmento de corpo, o operador interrompe a máquina, o material é recolhido e enviado para análise do Instituto Médico-Legal (IML).

Tecnologia para agilizar

O major Ivan Neto explicou que, no método anterior, os bombeiros conseguiam observar 25 metros cúbicos por hora. Nesta nova tática, são revirados 120m3 de rejeito por hora, o que significa um aumento de 380% de efetividade. "Dessa forma a gente consegue diminuir a longevidade da operação e por consequência, o sofrimento das famílias", afirmou.


Bombeiros concedem entrevista coletiva, detalhando a nova fase da Operação Brumadinho
Bombeiros concedem entrevista coletiva, detalhando a nova fase da Operação Brumadinho (foto: LEANDRO COURI/EM/D.A. PRESS)
Serão cinco estações. Uma já está em funcionamento, a segunda está prevista para entrar na ativa no mês que vem. Outras três devem ter início a partir de janeiro. 

"Amanhã completa um mês que a primeira estação funcionando e dez segmentos foram encontrados. A gente ficou muito satisfeito com esse resultado, estamos otimistas", comentou o major. "O que nos motiva hoje é a esperança de trazer alento aos familiares', concluiu.

Na data marcante, representantes dos atingidos prestaram homenagem ao Corpo de Bombeiros com a entrega de flores. O Estado de Minas registrou o momento com exclusividade. Confira:



Mil dias de operação


O coronel Erlon Dias Machado relembrou que 1 mil dias de trabalho representa horas intensas de trabalho. 

"O marco temporal de hoje é importante pois essa é a maior operação de buscas da história", afirmou. "A cada momento, resultados foram encontrados, isso justifica o momento em que estamos hoje."



Durante a trajetória da operação, muitos métodos foram utilizados, entre eles,  as buscas com cães  farejadores. Atualmente, o canil não é mais acionado pois não há possibilidade de encontro com uso dos animais, segundo os bombeiros.

“Os cães têm treinamento específico de várias formas. Existe um período em que ele consegue manter o olfato satisfatório, isso não passa de meses”, explicou o coronel Erlon. “Não há cão que tenha condição de busca neste período, pois só tem parte óssea (em meio aos rejeitos)”.

Com a chegada do período chuvoso, o trabalho não deve ser paralisado. Isso porque as estações de busca conseguem manter sua rotina mesmo com o clima úmido. Além disso, os bombeiros devem utilizar lonas para proteger o solo.

“Hoje não serão mais utilizadas  grandes tendas  e sim o lonamento para guardar grandes montantes de rejeitos que serão transportadas até as estações de trabalho”, acrescentou.

As oito fases da operação


Durante entrevista coletiva, a instituição relembrou as oito estratégias de busca que foram utilizadas até o momento. Relembre:

Primeira fase

A estratégia 1 foi implementada pelas primeiras equipes que chegaram ao local. As buscas foram realizadas ininterruptamente com emprego de todos os recursos operacionais na área do rejeito, devido às chances de encontro de sobreviventes. Nesta fase, foi necessário intenso controle e manejo do grande número de corpos encontrados, além de grande empenho de equipes especializadas, aeronaves e cães.

Ainda nesta fase foi implementado o Sistema de Comando de Operações (SCO), ferramenta gerencial utilizada como o mecanismo de gerenciamento da operação. Esta ferramenta permite que seja adotada uma estrutura organizacional integrada e padronizada, com a distribuição das principais tarefas e atribuições da operação de resposta entre os agentes empregados e também que o trabalho dos diversos órgãos empenhados ocorra de forma organizada e eficiente.

Segunda fase

A estratégia 2 foi implementada no quarto dia após o rompimento da barragem, priorizando a buscas de corpos e segmentos na superfície do terreno. Durante esta fase houve a construção e recomposição de acessos às áreas atingidas, bem como a demolição de estruturas colapsadas pela lama de rejeitos. Houve também a integração de 55 órgãos públicos municipais, estaduais e federais, com objetivo de fornecer melhor resposta ao desastre.

Terceira fase

Findadas as buscas superficiais na mancha de rejeitos e áreas adjacentes, a estratégia três foi implementada no quadragésimo primeiro dia de operação. Nesta fase, houve uma completa mudança do contexto operacional, diante do início de buscas de corpos e segmentos soterrados pela lama, necessitando-se do emprego de maquinários pesados para a escavação das áreas secas.

Quarta fase

A quarta estratégia adotou como parâmetro o cruzamento de dados, que definiu as áreas de maior interesse, potencializando a utilização de maquinários pesados para a realização de escavações pontuais e profundas. Em determinadas áreas, as escavações foram realizadas até a cota zero, ou seja, todo o rejeito do local foi vistoriado até evidenciar o solo natural característico existente, antes do rompimento.

Quinta fase

A quinta estratégia foi implementada diante da constatação de que cerca de 92% dos corpos e segmentos localizados durante as buscas haviam sido encontrados a uma profundidade de até três metros. Desta forma, definiu-se como critério a realização de buscas em extensão, por meio de escavações na camada inicial, em até três metros de profundidade. Por conta do período chuvoso, também foi feita a montagem de tenda e enrolamento do rejeito.

Sexta fase - Pandemia

Devido à pandemia de COVID-19, no início do ano de 2020, as buscas da Operação foram interrompidas do dia 21 de março ao 26 de agosto. No entanto, para não prejudicar o andamento dos trabalhos, houve a otimização dos Sistemas de Informações Geográficas (GIS) e o aumento do controle dos rejeitos nos Depósitos Temporários de Rejeito (DTR), com uso de tecnologias que permitiram a quantificação do volume de rejeito vistoriado ou pendente de vistoria, sendo implementada desta forma a sexta estratégia.

Sétima fase

A sétima fase da operação foi marcada pelo enfrentamento ao período chuvoso, na qual foram instaladas tendas gigantes para garantir a existência de material seco a ser vistoriado nos intervalos de estiagem, enquanto obras de drenagem nas frentes de trabalho eram feitas simultaneamente.  Nesta fase, parte do rejeito, que é mantido coberto por lonas em pátios levemente inclinados, chamados de área de espera, são vistoriados sem a interferência das chuvas. 

A sétima fase foi uma das mais longas e neste intervalo a operação teve que ser interrompida parcialmente pela segunda vez, em função da pandemia. A parada ocorreu em março deste ano e a retomada se deu no mês de maio para dar continuidade a sétima fase e planejar a implementação da oitava que ainda está em andamento.

Oitava fase

A última fase implementada consiste na utilização de quatro estações de busca na área denominada TCF, onde funcionava o Terminal de Carga Ferroviário da mineradora.

Números da operação

  • Total de vítimas: 270
  • Desaparecidos: 8
  • Duração: 1000 dias
  • Efetivo empenhado: 4.142, aproximadamente 70% do efetivo na ativa.
  • Efetividade da operação: 97,03%


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade