UAI
Publicidade

Estado de Minas MEIO AMBIENTE

Seca deixa 139 cidades mineiras em emergência

Regiões do semiárido mineiro sofrem com a estiagem prolongada. O estado tem 101 mil pessoas que dependem do caminhão-pipa para sobreviver


20/09/2021 06:00 - atualizado 20/09/2021 07:46

Sem chuva há seis meses em Francisco Sá, no Norte de Minas, uma lagoa que tinha mais de um hectare de lâmina d'água foi reduzida a uma poça de lama
Sem chuva há seis meses em Francisco Sá, no Norte de Minas, uma lagoa que tinha mais de um hectare de lâmina d'água foi reduzida a uma poça de lama (foto: Luiz Ribeiro/EM/DA Press)

Neste mês, os incêndios florestais aumentaram de forma significativa em praticamente toda Minas Gerais, com o forte calor e a vegetação seca dificultando o combate e favorecendo a expansão das chamas. Mas, nesse período, um antigo problema decorrente da longa estiagem também se agravou: a falta de água para o abastecimento humano.

O flagelo da seca se soma aos impactos da crise gerada pela pandemia da COVID-19, com redução da renda no campo devido à interrupção das feiras livres, que serviam como opção de venda da pequena produção da agricultura familiar.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), atualmente, o estado conta com 101 mil pessoas que têm que esperar pela chegada do caminhão-pipa para o abastecimento humano. 

A grande maioria do contingente de flagelados da seca reside em localidades rurais do Norte de Minas e dos vales do Jequitinhonha e do Mucuri, as regiões do semiárido mineiro. O cenário nos municípios atingidos é desolador, com dezenas de córregos, rios e lagoas esturricados. E a situação preocupante da crise hídrica pode piorar mais ainda. 

Desde 15 de maio que o governo estadual, dentro do seu Plano de Convivência com a Seca, após a elaboração de um diagnóstico, baixou decreto reconhecendo a situação de emergência por causa da falta de chuvas em 127 municípios do semiárido mineiro.

De lá pra cá, o quadro se agravou e mais outras 12 cidades tiveram decretos próprios do estado emergencial em função da escassez hídrica, ampliando para 139 o número de cidades mineiras com a condição crítica reconhecida por ato oficial. O último deles é Pavão, de 8,6 mil habitantes, no Vale do Mucuri, onde a situação de emergência foi decretada pela prefeitura em 3 de setembro.

Decreto de emergência

 
Diante dos sinais de que o drama da estiagem deverá se prolongar – e se agravar ainda mais, a Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) já se mobiliza para que o governo estadual venha publicar um novo decreto, prorrogando a situação de emergência nos 127 municípios listados no decreto anterior, cuja vigência termina em 15 de novembro próximo. 
    
O coordenador de Defesa Civil da Amams, Sérgio Nassau, informou na sexta-feira (17/09) que o presidente da entidade, José Bispo Nilson de Sá, o Nilsinho, solicitou ao chefe do Gabinete Militar do Governador e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel Osvaldo de Souza Marques, que, em outubro, a Cedec promova um curso de capacitação para os representantes dos municípios, visando à prorrogação da situação de emergência por conta dos efeitos da falta de chuvas.

Segundo Nassau, o objetivo é que seja realizado um treinamento para os coordenadores de defesa civil das prefeituras, a fim de que eles possam elaborar o relatório de danos provocados pela escassez de chuvas com dados precisos.

O documento é necessário para a “renovação” do decreto estadual da homologação da situação de emergência, cuja prorrogação, posteriormente, também deverá ser reconhecida pela Defesa Civil Nacional.

“A prorrogação do decreto de emergência vai permitir que os municípios continuem a receber ajuda humanitária (entrega de cestas básicas para os flagelados) e o fornecimento de água pela Operação Pipa depois de 15 novembro”, afirma o coordenador de Defesa Civil da Amams.

O representante da Amams disse que, normalmente, o decreto de emergência tem prazo de validade por seis meses. No entanto, ainda não se sabe por quanto tempo deverá ser feita a prorrogação a partir de 15 de novembro.

Municípios com decretos próprios de emergência a partir de 15 de maio
Municípios com decretos próprios de emergência a partir de 15 de maio (foto: Arte/Paulinho Miranda)


A associação de municípios pediu à Cedec que parte dos recursos obtidos pelo governo do estado por meio do acordo com a Vale para reparação dos danos do rompimento da barragem de rejeitos de minério em Brumadinho seja aplicada na compra de cisternas de captação de água da chuva e caixas d’água para as famílias atingidas pela seca. 

O coordenador de Defesa Civil da Amams afirma que, neste ano, a seca está ainda mais severa com a falta d’água para o abastecimento humano, atingindo também cidades da região situadas na Serra do Espinhaço, que antes não enfrentavam a escassez hídrica por sediar muitas nascentes e outras fontes de água superficial. Entre elas estão Botumirim, Grão Mogol, Serranópolis de Minas e Couto de Magalhães de Minas. 

Ele lembra que, em 2021, assim como se verifica em outras regiões mineiras e do país, a ocorrência de incêndios florestais cresceu no Norte de Minas. A seca contribui para ampliar os estragos deixados pelo fogo. Sem água, as chamas tornam-se invencíveis. Na semana passada, os incêndios destruíram grande extensão da vegetação em municípios da região, como Janaúba, Brasília de Minas e Mirabela.

Chuvas 

De acordo com o meteorologista Ruibran dos Reis, do Climatempo, há mais de 140 dias não são registradas chuvas intensas no Norte de Minas e no Vale do Jequitinhonha e o clima seco vai persistir nesta parte de Minas até o final de setembro. “No mês de outubro, haverá pancadas de chuvas isoladas, mas nada significativo”, afirma o meteorologista.

“Somente em dezembro teremos chuvas significativas no Norte de Minas e nos vales do Jequitinhonha, do Mucuri e do Rio Doce”, afirma. 

Em novembro, a nova temporada chuvosa vai começar em Minas, mas com densidade pluviométrica concentrada no Triângulo, sendo previstos volumes baixos para as demais regiões do estado naquele período. 

Falta de água impacta a geração de renda 

À medida que o tempo passa, com o calor forte e sem nuvens, o drama da dificuldade para o acesso à água se agrava. A situação foi constatada pelo Estado de Minas em vários municípios atingidos pela estiagem prolongada no Norte de Minas.

Os flagelados da seca também sofrem os impactos da pandemia da COVID-19, que reduziu a renda dos agricultores familiares no campo por causa da interrupção das feiras livres, onde vendiam seus produtos.

Um deles é Francisco Sá (25,45 mil habitantes), onde, de acordo com a prefeitura, há seis meses não chove. Todos os rios e córregos do município secaram, com um cenário desanimador, como se verifica em uma lagoa que tinha mais de um hectare de lâmina d’água e hoje está quase completamente esturricada, restando apenas uma peça poça de lama, na localidade de Lagoa da Barra.

Segundo o prefeito de Francisco Sá, Mario Osvaldo Casasanta (Avante), aproximadamente seis mil pessoas de 70 comunidades rurais dos municípios estão recebendo água levada por cinco caminhões-pipa do Exército. 

A barragem do Rio São Domingos, que abastece a cidade, está com apenas 14% de sua capacidade. A prefeitura recorre a poços tubulares para garantir o abastecimento da população urbana, mas com racionamento, em sistema de rodízio em diferentes regiões da área urbana. 

O prefeito afirma que outro obstáculo enfrentado é que “muitas pessoas da roça não estão querendo mais trabalhar” de carteira assinada em vagas de emprego nas fazendas da região para receber os benefícios sociais do governo (como o Bolsa-Família). Ele salienta que, com isso, a falta de ocupação de mão de obra diminuiu a geração de renda no campo.  

Em Monte Azul (20,7 mil habitantes), dois caminhões-pipa da prefeitura levam água para 487 famílias da zona rural do município, onde não chove há 189 dias, segundo o prefeito da cidade, Paulo Dias Moreira (MDB). “A renda das famílias sofreu forte prejuízo com o impedimento de realização das pequenas e grandes feiras de comercialização dos produtos hortifrutigranjeiros.”

Embora cortado pelo Rio São Francisco, o município de Ibiaí (8,47 mil habitantes) sofre com os efeitos da estiagem e, atualmente, conta 180 famílias socorridas por dois caminhões-pipa que atendem às comunidades da zona rural. Não chove em Ibiaí desde abril. 

A prefeita da cidade, Sandra Maria Fonseca (PTB), reclama que, além da falta de água, os pequenos produtores enfrentam as perdas nas lavouras e ficaram sem meios para comercializar o pouco que conseguem produzir por causa da suspensão das feiras livres. 

Além disso, com a suspensão das aulas presenciais nas escolas públicas, não tiveram como fornecer os produtos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do governo federal. 

Em Juramento (4,35 mil habitantes), também há seis meses 635 famílias de 10 localidades rurais têm que esperar a água do único caminhão-pipa que circula no município. O coordenador de Defesa Civil da Prefeitura de Juramento, Wanderson Sottani Magalhães, afirma que a crise sanitária do coronavírus fez piorar a vida de quem, há anos, sofre com as agruras da falta de chuvas na região.

“Em decorrência da pandemia, muitas pessoas ficaram desempregadas. E no decorrer da seca os animais de criação morrem e a produção de alimentos fica perdida. O psicológico das pessoas também fica abalado.” 

Quadro semelhante é encarado em outro pequeno município norte-mineiro, Berizal (4,79 mil moradores), onde 12 comunidades rurais (635 pessoas) estão sendo abastecidas por dois caminhões-pipa. “Produtores rurais  ficaram sem as feiras livres e sem a comercialização dos seus produtos”, salienta o coordenador de Defesa Civil do município, Fabio Aquino.

Ele acrescenta que, devido ao cancelamento das atividades presenciais nas escolas da rede pública, os agricultores familiares de Berizal também ficam impedidos de vender seus produtos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Incêndio florestal

 

Caminhão-pipa leva água para famílias atingidas pela seca na zona rural de Janaúba, no Norte de Minas
Caminhão-pipa leva água para famílias atingidas pela seca na zona rural de Janaúba, no Norte de Minas (foto: Carlos Lacerda/Divulgação)
O município de Janaúba (72,37 mil habitantes) conta com cerca de 1 mil famílias de 37 comunidades consumindo a água que chega por meio de um caminhão-pipa. De acordo com a prefeitura, não são registradas chuvas volumosas na cidade há 140 dias.

Nos últimos dias, além da escassez de água na zona rural, Janaúba teve grandes prejuízos com o fogo na vegetação seca. Um incêndio florestal atingiu a Serra do Taquaril durante seis dias. As chamas foram controladas na sexta-feira, depois de consumirem 1.100 hectares.

As chamas também se alastraram em parte da vegetação na zona rural de Bocaiuva. O fogo foi controlado pelos bombeiros na tarde de sábado, depois de destruir três hectares de vegetação às margens do Rio Guavinipã, na Fazenda Lagoa das Pedras.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade