UAI
Publicidade

Estado de Minas ESTIAGEM PROLONGADA

Combate à seca: Exército suspende Operação-Pipa em cinco municípios de MG

Distribuição de água à população afetada pela seca será assumida pela Defesa Civil Estadual em setembro


26/08/2021 17:57 - atualizado 26/08/2021 18:41

Exército suspenderá atendimento aos afetados pela seca por caminhões-pipas
Exército suspenderá atendimento aos afetados pela seca por caminhões-pipas (foto: Exército Brasileiro/Divulgação)
No período em que as consequências da seca se agravam, o Exército Brasileiro vai suspender o fornecimento de água potável por caminhões-pipas às comunidades atingidas no Norte de Minas e no Vale do Jequitinhonha. O Exército será substituído pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG) na segunda quinzena de setembro.
 
A informação foi divulgada pela Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) e confirmada pelo governo do Estado na tarde desta quinta-feira (26/8).

O presidente da Amams, José Nilson Bispo de Sá, disse que recebeu a comunicação do secretário nacional de Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas. A entidade procurou a Defesa Civil Nacional após a divulgação pelo jornal Folha de S.Paulo de que o Exército decidiu suspender a "Operação-Pipa" em Minas pela falta de dinheiro.
 
O Exército realiza a entrega de água para os moradores da zona rural em cinco municípios mineiros, todos em estado de emergência por causa da estiagem prolongada: Espinosa, Francisco Sá, Jaíba e Manga (Norte de Minas) e Itaobim (Vale do Jequitinhonha).

Os prefeitos foram informados da suspensão da ação emergencial pelo Exército  em 12 de agosto.

Minas Gerais conta com 127 municípios no Norte de Mina e nos Vales do Jequitinhonha do Mucuri em estado de emergência por conta da seca.
 
Além dos veículos do Exército, os milhares de flagelados da estiagem prolongada são abastecidos com a água que chega em caminhões-pipas das próprias prefeituras e da Defesa Civil Estadual.
 
De acordo com o presidente da Amams, o secretário nacional de Defesa Civil informou que, a partir de 28 de setembro, o Exércio deixará de fazer a distribuição de água, mas que o órgão assumirá a função imediatamente.
 
"Ele (Alexandre Lucas) tranqüilizou que nenhum morador será prejudicado, desde que o município cumpra o protocolo, de decretar situação de emergência ou calamidade publica por causa da seca", explicou Nilson de Sá, prefeito do município de Padre Carvalho.
 
O presidente da Amams destacou que a associação "está satisfeita com os esclarecimentos, pois independentemente de quem fará a distribuição da água, o importante é atender às famílias afetadas".
 
Além disso, lembrou, "a direção da Cedec-MG fica em Belo Horizonte. Com isso, fica mais fácil o acesso para cobrar providencias. Ainda mais que os recursos a serem aplicados na ação também vêm do overno federal". 


O governo de Minas , por meio de nota, informou que tomou a iniciativa de apoiar os municípios ao tomar conhecimento da suspensão da "Operação-Pipa" em Minas pelo Exército.
 
"Neste mês, o Gabinete Militar do Governador (GMG), por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), sabendo do possível término da operação realizada pelo Exército, visitou os respectivos municípios e se colocou à disposição para apoiá-los", informou a Cedec-MG.
 
A Defesa Civil Estadual anunciou que terá condições de atender os cinco municípios a partir de 20 de setembro. "Entretanto, para que isso ocorra, é necessário que eles (os municípios) preencham o Plano Municipal de Distribuição de Água (PMDA)", pondera o órgão estadual.
 
De acordo com a Cedec-MG, as prefeituras de Manga, Espinosa e Itaobim já iniciaram o procedimento. As administrações de Francisco Sá e Jaíba ainda não deram início ao preenchimento da documentação.
 
A Defesa Civil Estadual informou ainda que, a princípio, serão contratados 10 caminhões-pipa para o atendimento às famílias atingidas pela falta d água nas cinco cidades. "É preciso salientar que, mais importante que o número de caminhões, é o volume de água que cada um consegue transportar", ressalta o órgão estadual.

RISCOS DA BUROCRACIA 


Um dos municípios mais castigados pela estiagem prolongada no Norte do estado, Francisco Sá (26,36 mil habitantes) conta com cinco caminhões-pipas fornecidos pelo Exército, que estão levando água para cerca de 4 mil moradores da zona rural. Os dados são da prefeitura da cidade.
 
"Espero que a burocracia não venha provocar atrasos e que a população não seja prejudicada neste momento de muita dificuldade", afirma o prefeito de Francisco Sá, Mário Osvaldo Casasanta (Avante), ao comentar a transferência da ação emergencial do Exército para a Defesa Civil Estadual.
 
O programa de distribuição de água potável do Exército foi criado há mais de 20 anos e atende o semiárido mineiro e oito estados nordestinos: Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. 
 

"FALTA DE DINHEIRO"


Segundo reportagem da Folha, no comunicado encaminhado aos prefeitos dos municípios mineiros, o Exército alega falta de dinheiro como justificativa para o cancelamento do serviço da "Operação-Pipa".
 
A reportagem encaminhou questionamentos para os Ministérios da Defesa e da Integração Regional e para o Exército, mas não obteve retorno afé o fechamento desta matéria.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade