UAI
Publicidade

Estado de Minas Quadrilha desmantelada

Polícia de Curvelo prende integrantes de grupo de roubos a grandes lojas

Criminosos mostraram ousadia, a tal ponto que utilizaram nomes e documentos verdadeiros para aluguel de carros e hospedagem


16/09/2021 19:51 - atualizado 16/09/2021 21:34

Telefones celulares e cartões de banco apreendidos com ladrões são provas contundentes
Telefones celulares e cartões de banco apreendidos com ladrões são provas contundentes (foto: PCMG/Divulgação )
Três integrantes de uma quadrilha especializada em roubos de quantias em dinheiro a partir de invasões de lojas, um gaúcho e dois catarinenses, de 24, 38 e 51 anos, foram presos em Goiânia, a partir de uma operação, batizada “Caixinha”, parceria entre a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), Polícia Federal (PF) e Polícia Civil de Goiás (PCGO).


 limpavam os cofres, e de lavagem de dinheiro, sendo que na maioria eram usadas contas de esposas dos ladrões,

As vítimas eram sempre grandes lojas de varejo, como Lojas Americanas, Casas Bahia e Ponto Frio. Estão confirmadas ações nas cidades de Belo Horizonte, Divinópolis, Manhuaçu, Betim e Curvelo, em Minas Gerais, uma tentativa em Luziânia, a ação foi abortada, e Anápolis, em Goiás. O grupo de bandidos limpava os cofres e lavava dinheiro, usando as contas de suas esposas.


 

As suspeitas são de que a quadrilha agia há pelo menos 10 meses, no entanto, foi somente a partir de um arrombamento - que sempre eram feitos a partir do telhado -, na cidade de Curvelo, Norte do estado, no último dia 7 de agosto, que houve a identificação dos criminosos, resultando na prisão de três deles.

 

None
(foto: PCMG/Divulgação )
 


“Começou com o que poderíamos chamar de caso corriqueiro. Um arrombamento em que os ladrões roubaram, do cofre da loja de Curvelo, R$ 80 mil em dinheiro. A partir daí, nossos investigadores passaram a levantar casos semelhantes que pudessem ter sido registrados em outras cidades do estado. Chegamos a casos semelhantes em Divinópolis, Manhuaçu, Betim e Belo Horizonte. Foi nosso ponto de partida”, diz o delegado Alexandre Viana Corrêa, de Curvelo.


Segundo o delegado,o “modus operandi” da quadrilha se mostrou semelhante ao de outros casos registrados em cidades mineiras. “Foi o que nos chamou a atenção. Passamos, então, a fazer um levantamento na cidade. Os criminosos agiam como se tivessem a certeza de que não seriam presos, ou seja, livremente, como qualquer cidadão.”


O “modus operandi” dos criminosos consistia em invadir o estabelecimento comercial sempre durante a noite. “Fingiam querer alugar um imóvel, sempre ao lado do alvo, e, assim, faziam a cópia das chaves. Sorrateiramente, enquanto todos dormiam, eles íam até o imóvel, e alcançavam o telhado da loja e entravam”, conta Alexandre.


Curiosamente, sempre que invadiam o estabelecimento, estavam próximos ao cofre, o que levanta a hipótese de que alguém ligado ao comércio tivesse conexão com o grupo e tenha passado informações. Essa hipótese, segundo o delegado, ainda está em investigação. No entanto, imagens do interior do estabelecimento comercial foram determinantes para ajudar a identificar os criminosos.


Foi a partir das imagens que os policiais começaram a investigar, em primeiro lugar, o aluguel de veículos. “Eles tinham tanta certeza da impunidade, que alugaram os carros com seus documentos verdadeiros. E também fizeram as reservas dos hotéis em seus nomes. A única preocupação que tiveram foi se hospedar em quartos e andares diferentes, pois assim, se um fosse pego, os outros teriam tempo para escapar”, complementa o delegado.


Dessa maneira, a polícia conseguiu identificar os criminosos, os três que foram presos. Descobriu também que eles viajavam, normalmente de avião, sempre de Belo Horizonte para o Sul do país, e usando ônibus de viagem.


Veio então a segunda descoberta - a de que o dinheiro roubado era sempre depositado em nome das mulheres dos criminosos. “Eles não se preocuparam com esses detalhes, o de colocar, por exemplo, em nome de laranjas. Os depósitos eram feitos no dia seguinte ao roubo E lavaram o dinheiro com a compra de imóveis. Esta será a segunda fase da nossa operação”, diz ele.


O delegado explica que, ao que tudo indica, os bandidos chegavam à cidade, se hospedavam, visitavam as lojas, faziam um levantamento e, depois, partiam para outra cidade, onde faziam o mesmo. Assim, evitavam suspeitas sobre eles. “Depois retornavam e faziam o arrombamento”, diz.


Chegando a Goiás


Nos levantamentos, os policiais mineiros, que já haviam feito contato com a Polícia Federal, descobriram um caso semelhante, na cidade de Anápolis, em Goiás. Foi quando, então, fizeram contato com a polícia daquele estado. E na busca por informações, em hotéis, chegaram aos nomes dos três suspeitos, na cidade de Luiziânia.


Nada aconteceu nessa cidade, mas a suspeita é de que, de alguma forma, os criminisos ficaram sabendo que a polícia estaria atrás deles. Então, eles fugiram para Goiânia, no entanto, a liberdade estava perto do final.


O delegado Alécio Moreira de Souza Júnior, do DEIC de Goiás, conta que tão logo receberam o pedido de ajuda da polícia mineira e da PF, iniciaram investigações, e chegaram a um homem, o gaúcho, o primeiro a ser preso. Os outros dois fugiram.


“Acredito que tão logo tomaram conhecimento da prisão do comparsa, eles decidiram fugir. Só que cercamos os pontos de saída da cidade, aeroporto e rodoviária. Os dois foram presos quando tentavam sair, de ônibus, de Goiânia.”


Os três homens seguem presos na capital de Goiás, aguardando, apenas, segundo o delegado Alécio, o mandado de prisão da Justiça de Curvelo, para que eles sejam transferidos para a cidade mineira.





 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade