UAI
Publicidade

Estado de Minas ÚNICA COR EM HORIZONTE CINZA

Ipê-amarelo resiste a incêndio e chama a atenção em Minas

Encantamento pela resistência da bela árvore logo dá lugar à preocupação: queimadas são responsáveis até mesmo pela crise hídrica, explica professor da UFMG


31/08/2021 19:30 - atualizado 02/09/2021 13:36

Segundo Felipe Cruz, responsável pelo clique, o lote era todo arborizado e só sobrou a cor do ipê(foto: Felipe Cruz/Arquivo pessoal)
Segundo Felipe Cruz, responsável pelo clique, o lote era todo arborizado e só sobrou a cor do ipê (foto: Felipe Cruz/Arquivo pessoal)
A mistura entre a cor amarela vinda da floração do ipê e o cinza, resultado da queima das árvores em um lote, chamou a atenção de um morador de Lagoa Santa. Desde a criação de um loteamento na Avenida Integração, Felipe Cruz tem acompanhado a destruição da vegetação na região e o que mais surpreendeu o morador foi a resistência do ipê.
 
“O lote era todo arborizado e só sobrou ele. Havia outros Ipês e outras espécies de árvores, mas foram consumidas pelas chamas”, relata o responsável pela foto que ilustra esta reportagem, tirada nesta terça-feira (31/8).
 
A presença do ipê é explicada por um conjunto de células mortas, presentes na parte externa da casca que reveste o tronco, que conferem uma resistência muito grande ao fogo e às altas temperaturas. É o que explica o professor do Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), da UFMG, Élder Antônio Paiva.
 
“E esse é um dos motivos que o cerrado pega fogo e muitas espécies conseguem rebrotar após o fogo porque são protegidas por essa casca grossa”, afirma o professor, ao reforçar características da espécie Tabebuia chrysotricha
 
O encantamento do morador pela resistência do único ipê sobrevivente, no entanto, foi logo substituído por preocupação. Ele afirma que incêndios em lotes têm sido comuns na cidade.
 
“O que acontece muito aqui é que o dono do lote, quando quer construir, põe fogo para limpar e facilitar a construção. Isso acontece todos os dias”
 

Comum, mas ilegal...

 
A legislação ambiental relacionada à proibição de queimadas em lotes foi criada em 2016 por meio da Lei 3.831. E o texto é claro: em toda a cidade de Lagoa Santa, é proibida a realização de queimadas para a limpeza de terrenos, para a incineração de resíduos nas vias públicas no interior de imóveis, públicos ou privados.
 
Apesar da resistência do ipê, a cena só desperta motivos para se lamentar, conforme pontua Élder Antônio Paiva. "É algo muito negativo", inicia o professor do ICB.

"O fogo sempre causa dano porque é lançado material particulado no ar, monóxido de carbono no ar, gases tóxicos. A pessoa não enxerga, mas tem muita vida morrendo ali e não só as plantas: desde fungos, bactérias, insetos e pequenos invertebrados”, explica o estudioso.  

Fiscalização

Segundo a Lei 3.831, a fiscalização e aplicação de multas é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. No entanto, de acordo com Élder Paiva, "a fiscalização é falha e é difícil ter alguém o tempo inteiro vigiando".
 
A Secretaria de Meio Ambiente atua com seis fiscais na cidade e do dia 30 de dezembro de 2020 até 2 de setembro foram registradas 121 denúncias referentes às queimadas.
 
De acordo com a Coordenadoria de Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente, 68 denúncias ainda estão em diligência fiscal e somente após o trâmite legal que elas seguem para a multa, que é da competência da Secretaria da Fazenda.
 
A Coordenadoria de Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente ainda informa que as outras 53 foram recusadas pelo setor, o que pode ocorrer quando a denúncia é improcedente, quando está em duplicidade, quando o endereço está incompleto, quando não foi possível constatar a infração.  

Para o docente do ICB, mais que o mecanismo de controle é preciso que as pessoas se conscientizem de que sem árvores, sem a proteção do meio ambiente, o ser humano enfrentaria diversos desafios para sobreviver.
 
“Vai chegar um momento em que o próprio ser humano desaparecerá por não resistir à destruição causada por ele. As pessoas já estão começando a sentir as consequências com a falta de água, com a diminuição dos reservatórios de água”, afirma Paiva.
 

Crise hídrica

 
Felipe Cruz, o autor da foto (e da observação), conta que constantemente há falta água em diversos bairros da cidade e ele acredita que essa falta também tem relação às queimadas e desmatamentos na cidade.
 
“Muitos podem achar que botar fogo em um pequeno lote não dá nada, mas se enganam. Pequenas ações de ataque ao meio ambiente, quando somadas, se tornam um efeito sem volta”, opina.
 
O professor da UFMG concorda com o morador de Lagoa Santa e explica que as pessoas de modo geral não sabem o papel de uma árvore no equilíbrio do ecossistema e o que ela significa no meio ambiente - como funções vitais, tais quais o controle da temperatura, o aumento da umidade do ar, das chuvas e na qualidade da água dos mananciais.  
 
“Uma árvore não é só para sombra, uma árvore grande chega a lançar na atmosfera até mil litros por dia em forma de vapor e esse vapor de água é que vai para a atmosfera e que forma as nuvens e, por sua vez, formam as chuvas. As árvores simplesmente mudam o ambiente”, explica Élder Paiva.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade