Publicidade

Estado de Minas PARALISAÇÃO

Funcionários da BHTrans estão em greve por reajuste salarial

Sindicato anunciou que um novo protesto na sede da BHtrans será realizado na próxima quarta-feira (14/7)


12/07/2021 12:40 - atualizado 13/07/2021 08:35

Funcionários se reuniuram nesta segunda (12/7) na porta da sede da BHTrans, no Bairro Buritis, em BH, para um protesto pelo reajuste salarial(foto: Sintappi-MG/Divulgação)
Funcionários se reuniuram nesta segunda (12/7) na porta da sede da BHTrans, no Bairro Buritis, em BH, para um protesto pelo reajuste salarial (foto: Sintappi-MG/Divulgação)
Os empregados da Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) entraram em greve nesta segunda-feira (12/7) por tempo indeterminado. Em protesto contra o reajuste do salário dos trabalhadores pelo Índice Nacional de Preços do Consumidor (INPC), a categoria se reuniu nesta manhã em frente à porta da empresa, no Bairro Buritis, Região Oeste da capital.

O movimento, convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Assessoramento, Pesquisa, Perícias, Informações e Congêneres de Minas Gerais (Sintappi-MG), também cobra a manutenção da segunda cláusula do acordo coletivo firmado entre os funcionários e a empresa de capital misto. O item legal estabelece a isonomia de reajustes para todos os empregados da BHTrans, de todos os escalões. 

"O principal argumento da diretoria é que a cláusula engessa novas contratações e de que já temos muitos benefícios, como horas extras pagas em triplo. Mas eles se esquecem de que isso só vale para o domingo trabalhado e que a hora extra só é cara porque a BHTrans não abre concurso há muitos anos, então o quadro de servidores está muito reduzido. Se houvesse concurso, seria possível compor as escalas de maneira bem mais razoável", afirmou o diretor do Sintappi-MG, Gilberto Pires.

Após continuarem sem um posicionamento da BHTrans, o líder sindical disse que uma nova manifestação será realizada na próxima quarta-feira (14/7), também na sede da empresa. Segundo Gilberto, a companhia se mantém resistente aos pedidos da categoria.

“Nós vamos concentrar no máximo 50 pessoas por dia, com intervalos, para evitar aglomerações. Aqueles que não puderem comparecer podem acompanhar todo o movimento feito por meio de lives do sindicato”, informou.

Além do reajuste salarial, o Sintappi também luta contra os impactos da possível extinção da BHTrans. A Câmara Municipal (CMBH) e a Prefeitura de Belo Horizonte já discutem o fim da empresa e criação de uma Superintendência de Mobilidade, com funções semelhantes às da autarquia.

O anteprojeto de lei que conduz a empreitada é de autoria do vereador Gabriel Azevedo (sem partido) e foi entregue à PBH na última quarta-feira (7/7). A mudança ocorre no mesmo momento em que supostas irregularidades cometidas para beneficiar empresários de ônibus são investigadas pelo Ministério Público de Contas e pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na CMBH.  

“Os salários do pessoal de carreira já estão extremamente defasados. Com este projeto, que acaba com a empresa, os empregos estão em risco. São 1.088 famílias que dependem da BHTrans. Não podemos passar esse ano com essa expectativa de demissões ainda sem o reajuste dos salários. Por isso, estamos nessa luta”, afirmou Gilberto Pires.

Em nota, a BHTrans respondeu que "a adesão à greve é parcial e não prejudica os serviços prestados à população. Em relação à reivindicação dos empregados, a orientação para todos os órgãos, secretarias e empresas públicas da Prefeitura de Belo Horizonte é a de não conceder reajustes salariais para os servidores e empregados públicos durante a pandemia. A medida está em conformidade com a Lei Complementar 173, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus."

Com informações de Cecília Emiliana


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade