Publicidade

Estado de Minas TIRE SUAS DÚVIDAS

Teve reação após tomar vacina contra a gripe? Veja o que fazer

Com as atenções voltadas para a COVID, a gripe ficou até esquecida; confira as informações que você precisa saber sobre a vacinação contra influenza


09/07/2021 18:36 - atualizado 09/07/2021 19:48

Analgésicos e antitérmicos são aliados para aliviar sintomas causados pela vacinação contra gripe(foto: Reprodução/ Pixabay)
Analgésicos e antitérmicos são aliados para aliviar sintomas causados pela vacinação contra gripe (foto: Reprodução/ Pixabay)
A vacinação contra a gripe para toda a população foi iniciada nesta sexta-feira (9/7) e, com as atenções voltadas para a COVID-19, surgiu uma dúvida: é normal ter alguma reação após a imunização contra a influenza também? E, se tiver algum efeito colateral, o que fazer? 
 
 
Para responder essas dúvidas que começaram a pipocar após o início da campanha contra a gripe, o Estado de Minas conversou com a médica pediatra Ana Paula Beltran Moschione Castro. E a primeira resposta é: sim, é normal ter reação após se imunizar contra a influenza também.

"Essa atividade intensa dentro do nosso sistema pode causar uma série de reações logo após a aplicação. Dor no local da vacina, vermelhidão e até mesmo inchaço, além de febre, dor de cabeça, náusea, tosse e irritação nos olhos costumam afetar os pacientes", explica a profissional da saúde.

Mas esses possíveis efeitos colaterais não são motivo de preocupação, reforça a médica. "Esses sintomas podem desaparecer poucos dias depois. Basta adotar alguns cuidados especiais e ter em mãos aliados que contribuem para amenizar esses efeitos”.
 

O que fazer se tiver reação após a vacina?

E, então, quais são esses "cuidados especiais"? "Analgésicos e antitérmicos, à base da molécula ibuprofeno, são aliados. Eles proporcionam o alívio rápido da dor leve e reduzem a alta temperatura provocada pela febre", afirma Ana Paula Castro.

"Estamos falando da molécula mais estudada no mundo para dor e febre e que está listada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), entre outros princípios ativos, inclusive, como medicamento para tratar não apenas esses sintomas, mas em casos de reações indesejadas das vacinas de COVID-19 nos adultos", contextualiza.
 
Além desses cuidados citados, apenas aqueles com histórico de reações alérgicas anteriores - principalmente pela proteína do ovo - devem ter uma atenção especial. 
 
“Trata-se de uma vacina bastante segura, inativada, feita de uma porção do vírus. A grande contraindicação é a presença de reações anteriores. A vacina contra a gripe possui pequenas quantidades de proteína do ovo. Pacientes com formas leves a graves de alergia a esta proteína podem receber a vacina, mas sempre sob observação”, afirma a estudiosa. 
 

Não se esqueça do intervalo!

Como a campanha nacional de imunização contra gripe ocorre junto com a vacinação contra COVID-19, é importante ficar atento ao intervalo. Se já recebeu uma vacina, é preciso respeitar um período de 14 dias até receber outra dose. 
 
E as pessoas que foram infectadas pelo coronavírus devem ter um intervalo de 30 dias, a contar a partir do 1º dia de sintomas ou 1ª dia de PCR positivo.
 

Vacina causa gripe? 

 
Não! Essa é mais uma das informações falsas que circulam as redes sociais pelo país. “A afirmação é falsa. Não existe a possibilidade de ficar gripado devido à vacinação. O que podemos ver, por vezes, é o surgimento de resfriado, então, mesmo vacinada, a pessoa continua exposta aos inúmeros outros vírus, causadores de resfriados, que costumam apresentar quadros mais brandos", finaliza Ana Paula Beltran Moschione Castro.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Thiago Ricci


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade