Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Reforma parada pode atrasar chegada de aparelho para tratamento de câncer

Hospital Hélio Angotti, em Uberaba, deve receber equipamento que reduzirá fila da radioterapia em setembro, mas reforma está longe de acabar por falta de verba


30/06/2021 20:02 - atualizado 30/06/2021 20:10

Reforma em sala do Hospital Hélio Angotti está parada por falta de verbas, e mantenedora busca dinheiro até por vaquinha(foto: Hospital Hélio Angotti/Divulgação)
Reforma em sala do Hospital Hélio Angotti está parada por falta de verbas, e mantenedora busca dinheiro até por vaquinha (foto: Hospital Hélio Angotti/Divulgação)
A chegada de um equipamento para o tratamento de câncer ao Hospital Hélio Angotti, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, está em risco porque a reforma de uma ala da unidade de saúde está quase parada por falta de verbas. O aparelho foi doado pelo Ministério da Saúde e custa R$ 10 milhões.

Uma vaquinha online foi criada, mas arrecadou pouco mais de R$ 20 mil. A direção do hospital tem ido até prefeituras de cidades da região para tentar angariar alguma verba. 
A obra tem um custo total estimado em R$ 821 mil. Mas, ainda faltam pouco menos de R$ 600 mil para completá-la. É o único requisito que falta para que o aparelho seja enviado.
 
O equipamento é um acelerador linear de radioterapia, que deve ajudar a reduzir a fila de espera pelo início dos tratamentos contra câncer de 21 dias para uma semana, e dobrar a capacidade de atendimento de 50 para 100 pacientes por dia.

O aparelho foi conseguido por meio do Plano de Expansão da Radioterapia (PER-SUS) do Ministério da Saúde.
 
O gestor de inovações do hospital, o radioterapeuta Vitor de Carvalho Lara, explica que a radioterapia é um tratamento em que a radiação é usada para destruir o tumor ou impedir que as células cancerosas aumentem, e que a conquista desse aparelho deve impactar positivamente o Triângulo Mineiro nos próximos 20 anos de tratamento de pacientes com câncer. 
 
“O mais difícil já conseguimos, que é ter um aparelho que nos custaria algo em torno de R$ 10 milhões. Sete em cada 10 pacientes oncológicos, de todas as idades, precisam desse tratamento, então, imagine o impacto dessa conquista”, argumenta Lara.
 
A previsão é que o acelerador linear chegue em setembro. Por enquanto, não há risco de o hospital "perder o aparelho" caso a reforma não seja concluída a tempo, mas a ideia é que isso aconteça para que o serviço seja prestado o mais rápido possível.
 
Uma vaquinha online arrecadou apenas R$ 24 mil dos R$ 600 mil previstos de meta.

Até prefeituras estão ajudando

A prefeitura de Frutal, também no Triângulo, doou R$ 50 mil para que a reforma possa prosseguir após um pedido da diretoria do hospital.

Segundo a administração, mais de 1 mil moradores da cidade já foram atendidos pela unidade de tratamento de câncer, e uma reorganização orçamentária possibilitou a doação.
 
Segundo o hospital, a ideia também é conversar com prefeitos das 59 cidades de área de abrangência do hospital para ver o que é possível conseguir de dinheiro.
 
Todo o processo de captação e prestação de contas desses recursos está sendo apoiado pela Vencer – Associação de Voluntários do Combate ao Câncer de Uberaba (AVCCU). 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade