Publicidade

Estado de Minas POLÍCIA

Mulher de 49 anos morre em clínica no Funcionários após lipoaspiração

A causa da morte está sendo investigada pela Polícia Civil, em BH. Procedimento foi realizado ontem (23/6) e, após sentir fortes dores, vítima morreu


24/06/2021 15:29 - atualizado 24/06/2021 20:31

Fachada do Centro Cirúrgico Integrado, no Bairro Funcionários(foto: Reprodução do site do Centro Cirúrgico Integrado)
Fachada do Centro Cirúrgico Integrado, no Bairro Funcionários (foto: Reprodução do site do Centro Cirúrgico Integrado)
A Polícia Civil de Minas Gerais abriu inquérito para investigar a morte de uma mulher de 49 anos após a realização de uma lipoaspiração com abdominoplastia nesta quinta-feira (24/6). O procedimento foi feito no Centro Cirúrgico Integrado, hospital dia situado no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. 


 O estabelecimento é voltado a pacientes que passam por intervenções cirúrgicas de baixa e média complexidade e precisam permanecer sob cuidados médicos por até 12 horas.

Segundo informações do boletim de ocorrência, a mãe da vítima relatou à Polícia Militar (PM) que ela havia sido operada nessa quarta-feira (23/6). Após a cirurgia, a mulher foi encaminhada para observação em aparente tranquilidade, satisfeita com os resultados.


Durante esta madrugada, no entanto, a paciente teria sentido fortes dores e calafrios. Diante da ocorrência, a equipe de plantão foi mobilizada para levá-la à sala de emergência. Por volta das 7h, a mulher veio a óbito.

O cirurgião responsável pelo procedimento disse aos policiais que a cirurgia teria ocorrido dentro da normalidade e que, após encerrar o expediente e chegar em casa, foi informado sobre o estado de saúde da vítima.

Os cuidados de emergência ficaram a cargo da médica de plantão. Ela disse à polícia que foi chamada durante a madrugada para comparecer ao quarto da mulher. Após examiná-la, a profissional prescreveu medicamentos para dor. Ao notar que o quadro não melhorava, ela então recomentou que a vítima fosse levada à sala de emergência. Familiares da paciente contaram à PM que ela sofria de pressão alta.


De acordo  com a Polícia Civil, o corpo foi removido para o Instituto Médico Legal André Roquette (IMLAR), onde será submetido a exames para apurar a causa da morte. 

O Estado de Minas entrou em contato com o Centro Cirúrgico Integrado. O estabelecimento informou que não vai se pronunciar em respeito o caso. 

Consultada pela reportagem, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) esclareceu, por meio de nota, que a clínica possui alvará de funcionamento para realizar procedimentos cirúrgicos.

Pressão estética

Uma reportagem especial publicada no ano passado pelo EM abordou a pressão estética sofrida pelas mulheres. Um dos casos citados na matéria envolve a morte de uma jovem operada na Clínica Belíssima, situada na Savassi, Região Centro-Sul de BH, em 11 setembro de 2020.

Edisa Soloni, de apenas 20 anos, foi convencida a submeter-se a três cirurgias plásticas por um especialista. A paciente morreu em 11 de setembro, horas após a intervenção. 

Ouvida pelas jornalistas, a psicanalista Manuela Xavier explicou que o fenômeno da busca desenfreada por procedimentos estéticos tem raízes culturais já que, às mulheres, impõe-se a "juventude eterna". Ela esclareceu, porém, que a corrida às clínicas é, sobretudo, um fenômeno econômico. Para a psicanalista, o capitalismo se apropriou do conceito de beleza para transformá-lo em "bem de consumo". 

 

“É imposto um problema para se vender a solução. Como o mercado de beleza serve para vender beleza, então, a beleza não existe. Não se entende que o bonito é o natural. Ele é bonito desde que seja um natural forjado”, alerta a doutora e mestra em psicologia clínica pela PUC Rio.

Leia mais: Como as redes sociais aumentam a pressão estética sobre o corpo da mulher


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade