Publicidade

Estado de Minas SUSPEITO

Homem suspeito de dopar e abusar de sobrinha de 12 anos é preso na RMBH

'É uma das vítimas mais abaladas que já atendemos', disse delegada que prendeu homem acusado de cometer estupro


07/06/2021 15:58 - atualizado 07/06/2021 17:49

Delegada Nicole Perim deu detalhes das investigações durante coletiva de imprensa(foto: PCMG/Divulgação - 16/2/2021)
Delegada Nicole Perim deu detalhes das investigações durante coletiva de imprensa (foto: PCMG/Divulgação - 16/2/2021)

Um homem de 50 anos é acusado de dopar e estuprar a sobrinha, de 12. Os crimes teriam acontecido em São José da Lapa, Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde os delitos são investigados pela Polícia Civil. Nesta segunda-feira (7/6), a instituição anunciou a prisão do suspeito.

Em coletiva de imprensa, a delegada Nicole Perim, que investiga o caso, explicou que o inquérito teve início com a denúncia feita pela tia da menina, ao observar mudança no comportamento dela.

“A tia materna morava nas proximidades e reparou que a criança estava triste e emagreceu demais. Ela foi ao médico, que sugeriu encaminhá-la à psicóloga. Durante uma das sessões, a criança relatou que o tio abusava dela. A menina disse ainda que acreditava que ficava sedada porque ela ficava ‘grogue’”, disse Nicole Perim.

Ainda de acordo com a delegada, o exame de corpo de delito comprovou os abusos. “A criança está extremamente abalada, muito triste com a situação. É uma das vítimas mais abaladas que atendemos aqui na delegacia”, comenta Perim.

De acordo com a polícia, a garota morava com a avó, de 85 anos; a irmã gêmea e o tio materno, acusado de cometer os crimes. A delegada explicou que os pais das meninas são viciados em drogas e não têm condição de criá-las.

No momento, as investigações não consideram a outra criança da casa como vítima, já que ela negou os abusos à família. Com o avanço da investigação, a possibilidade também será apurada. Por outro lado, há a suspeita de que a idosa também tenha sido dopada.

Dopava a vítima

“A gente acredita que talvez a própria avó teria sido dopada também. O tio era muito agressivo, viciado em álcool e drogas. A idosa tinha muito medo dele e dormia no mesmo quarto com as meninas e trancava a porta. Ela acredita que os abusos aconteciam na parte da tarde, quando a avó estava dormindo e a outra criança estava fora fazendo reforço escolar”, acrescentou a delegada.


A polícia ainda não conseguiu comprovar que o homem utilizava alguma substância para dopar a criança e a avó, mas a mãe dele conta que todos na casa tinham o hábito de tomar água no mesmo copo e mesmo filtro. Segundo a avó da criança, a água do recipiente tinha “gosto amargo”.

No entanto, a delegada disse que durante as diligências, o copo e o filtro já haviam sido lavados.

“A menina conta que ele mandava que ela tomasse água ou chupasse uma bala com gosto estranho e pouco depois ela ficava meio ‘grogue’”, detalha a delegada.

Ao ser preso, na quarta-feira (2/6) passada, o homem – que não tem outras passagens policiais – não quis dar declaração. Inicialmente, ele é investigado pelo crime de estupro de vulneravel. O inquérito segue para apurar a eventual prática de outros delitos.

Trancadas em casa

A delegada Nicole Perim ressaltou que os abusos se tornaram frequentes durante a pandemia, enquanto as crianças estão isoladas dentro de casa.


“É importante a gente fazer este alerta para sociedade. No primeiro sinal que a criança demonstrar e a gente perceber que a criança está diferente, é preciso procurar as autoridades”, alertou.

A polícia orienta que, qualquer pessoa que tenha uma mera suspeita de abuso, procure uma Delegacia de Polícia ou denuncie pelo Disque 100 ou pelo 181 (de forma anônima).

“Temos que proteger nossas crianças e romper este ciclo de violência o mais rápido possível”, reforça a delegada.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade