Publicidade

Estado de Minas BOI DE OURO

Família de fazendeiros é presa por furto de gado e homicídios em Minas

Polícia Civil prendeu nove pessoas e apreendeu armas e R$ 100 mil em operação no Norte de Minas Gerais. Vaqueiros e vereador estão envolvidos


18/05/2021 19:25 - atualizado 18/05/2021 19:47

Polícia apreendeu armas e R$ 100 mil em operação(foto: PCMG/Divulgação)
Polícia apreendeu armas e R$ 100 mil em operação (foto: PCMG/Divulgação)

Uma investigação de furto de gado e homicídios no Norte de Minas resultou na prisão de nove pessoas nas cidades de Janaúba, Jaíba e Verdelândia. As prisões foram resultado da operação “Boi de Ouro”, deflagrada nesta terça-feira (18/5) pela Polícia Civil.

Entre os presos, sete foram encaminhados ao sistema prisional por mandado de prisão temporária. Duas pessoas foram presas em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e munições, no entanto, fizeram o pagamento da fiança e foram liberados.

As equipes policiais ainda cumpriram 18 mandados de busca e apreensão. Entre os investigados, estão fazendeiros e um vereador da mesma família, além de vaqueiros que trabalhavam para eles.

A Polícia Civil iniciou a investigação há cerca de seis meses com base na apuração de dois homicídios ocorridos em Janaúba, em 2017 e 2019, quando dois vaqueiros, de 30 e 35 anos, foram mortos.

Segundo a polícia, o asssassinato dos dois homens foi motivada por “queima de arquivo”, uma vez que as vítimas faziam parte da organização criminosa chefiada pela família, especializada em furtos de gados na região.

As investigações apontam que, assim que manifestaram o desejo de abandonar a associação criada pelos parentes, os vaqueiros foram mortos.

“Quando se recusaram a continuar nessa empreitada criminosa, a família, com receio de ser delatada, encomendava os homicídios. Dessa forma, os integrantes poderiam continuar praticando seus crimes sem contratempo”, explica a delegada Bruna Barros, titular da delegacia em Jaíba.

Ocultação de cadáver

A Polícia Civil informou que o corpo de uma das possíveis vítimas passa por processo de identificação e se encontra no Setor de Criminalística para exames de perfil genético.

A equipe policial também trabalha para localizar o corpo do outro vaqueiro.

“Os envolvidos ocultaram o cadáver, contudo, a investigação para apurar o homicídio avança na delegacia. A equipe do Corpo de Bombeiros Militar está trabalhando nas buscas”, informa a delegada regional em Janaúba, Márcia Meira.

Outro homicídio envolvendo a família ocorreu em 2021, em Jaíba. A polícia acredita que a família investigada teria sido a mandante do crime por vingança.

De acordo com a delegada Francielle Drumond, um dos irmãos, líder da organização criminosa, foi vítima de homicídio em 2020, quando praticava furto de gado.

A morte despertou a fúria da família, que, por retaliação, encomendou o assassinato do suspeito pelo valor de R$ 20 mil.

Vida de ostentação

O patrimônio adquirido por meio de crimes e fraudes possibilitou aos investigados uma vida de ostentação, com um acervo milionário.

Segundo a polícia, com as vendas dos produtos de furto, destinados a abastecer o comércio de carne nas cidades da região, o grupo atingiu um enriquecimento fraudatório.

Durante a operação, foram apreendidos R$ 100 mil em dinheiro, eletrônicos e jóias, além de duas polveiras, duas pistolas 9mm, um revólver calibre 38 e munições.

Boi de Ouro

A operação foi batizada como Boi de Ouro, pois refere-se ao apelido de uma das lideranças da organização.

Pelo calendário chinês, 2021 é o ano do boi, que teve início em 21 de janeiro, aniversário de morte de um dos líderes do grupo criminoso.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade