Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Pandemia é obstáculo ao sonho de estudar nos EUA

Depois de conquistar bolsas em universidades americanas, brasileiros esbarram na suspensão de entrevistas para visto e recorrem ao Itamaraty


24/04/2021 04:00 - atualizado 24/04/2021 09:23

Gabriel Couto é um dos 1.134 estudantes brasileiros que assinam carta pedindo ajuda ao Itamaraty: ''A expectativa é que eles negociem com o governo americano'' (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Gabriel Couto é um dos 1.134 estudantes brasileiros que assinam carta pedindo ajuda ao Itamaraty: ''A expectativa é que eles negociem com o governo americano'' (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Efeito colateral do avanço do novo coronavírus no Brasil. Mais de 1 mil estudantes brasileiros que conquistaram bolsas de estudos para várias universidades americanas – de graduação, mestrado e doutorado – correm ansiosos contra o tempo para obter o visto de estudante para entrar nos Estados Unidos. Segundo o grupo, os consulados e a embaixada do país no Brasil estão com esse serviço praticamente parado.

O Escritório dos EUA em Belo Horizonte confirmou ao Estado de Minas que as “chamadas rotineiras para emissão de vistos de não imigrantes” estão suspensas devido à pandemia da COVID-19 e que estão sendo buscadas formas de dar prioridade aos estudantes na retomada do serviço que, entretanto, não tem data para ocorrer.

Sem a permissão, que depende de entrevista presencial, alguns simplesmente perderão a oportunidade. Diante da situação, 1.134 estudantes de todas as partes do país se uniram para enviar uma carta ao Itamaraty pedindo que providências sejam tomadas. O Itamaraty diz que está fazendo “todo o possível” para que o problema seja resolvido.

A mineira Ana Clara Gonçalves Sampaio, de 19 anos, é uma das estudantes que enfrenta o drama da incerteza e teme não poder realizar o sonho de estudar nos EUA. A jovem passou em uma seleção para curso de estudos internacionais e ciência política – International Studies e Political Science – na University of Kentucky, nos Estados Unidos, no ano passado. Uma vitória que exigiu muito estudo: "Desde o meu 9º ano do ensino fundamental já sonhava em ampliar os conhecimentos fora do Brasil", contou.

Depois da conquista vieram os entraves. "Fiz meu primeiro semestre online, com agendamento do visto marcado para dezembro. Ele foi cancelado. Meu segundo semestre também foi online, com agendamento para maio e, na terça-feira, ele foi cancelado”. Ana conta que recebeu um e-mail informando o cancelamento sem justificativa alguma e, mais uma vez,  tentou remarcar a entrevista para obtenção do visto.

“Porém, ficamos à mercê das vagas, que agora só estão disponíveis no final do ano em todos os consulados brasileiros”, contou a jovem, que precisa estar nos Estado Unidos no semestre que vem. Do contrário, poderá perder vaga de trabalho no câmpus e ainda terá que fazer uma pausa na iniciação científica.

Ana Clara conquistou uma bolsa de cerca de US$ 30 mil por ano e corre o risco de perdê-la. “Sem contar esse trabalho no câmpus de que falei, que me garante alimentação e acomodação e é supercomplexo de conseguir. Passei por todo o processo de seleção, consegui, vai me dar uma mega-ajuda pra me bancar, e agora corro o risco de perder tudo”, lamentou a jovem, angustiada.

Ela está com tanto medo de não conseguir ir em agosto para os EUA que agendou entrevistas em representações americanas no Chile e Equador. Mas a alternativa traz também outras dores de cabeça: voos constantemente cancelados, muito mais investimento financeiro e o medo de esses países fecharem suas fronteiras aos viajantes em decorrência da COVID-19.

”O Chile mesmo está fechado atualmente, mas meu agendamento é para agosto”, contou. A família de Ana, contratou uma empresa para tentar “desembolar” a obtenção do visto. “Já chorei tantas vezes... fica uma angústia sem fim. Buscamos respostas, nos mobilizamos, mandamos e-mails, e até agora, nada”, lamentou a jovem. Ela agendou entrevista também no Equador, em junho: “A única data que achei.”

Ingrid Possa, de 26, é do Rio de Janeiro e não tem recursos para tentar tirar o visto para os Estados Unidos em outro país. “Não tenho condição financeira, sou de baixa renda e, para mim, viajar para outro país para conseguir tirar visto é praticamente impossível”, contou a jovem, que passou no doutorado em biologia molecular da University of Illinois Urbana-Champaign.

“O curso tem uma duração de cinco anos e vou receber bolsa durante todo esse período. Nos primeiros anos, minha bolsa é de US$ 64 mil”, contou.

A estudante conquistou a bolsa no ano passado. “Minha carta de aceite foi enviada em abril, para começar (o curso) em agosto de 2020. Só que eu tive que pedir o prazo de um ano para me apresentar. Dia 23 de agosto as se iniciam as minhas aulas, mas tenho que estar na faculdade, no máximo, até 16 de agosto, quando começa o meu contrato”, contou. Segundo Ingrid, as normas da universidade não permitem que ela atrase o ingresso no curso por mais um período.

No caso dela, aulas on-line não são opção. Biomédica, Ingrid atua em pesquisas na área de saúde, que exigem trabalho em laboratório.  “Preciso estar no laboratório para fazer minhas pesquisas. É necessário comparecer fisicamente à faculdade”, acrescentou.

''Passei por todo o processo de seleção, consegui (...) e agora corro o risco de perder tudo'' - Ana Clara Gonçalves Sampaio, de 19 anos, bolsista da University of Kentucky (foto: Arquivo pessoal)
''Passei por todo o processo de seleção, consegui (...) e agora corro o risco de perder tudo'' - Ana Clara Gonçalves Sampaio, de 19 anos, bolsista da University of Kentucky (foto: Arquivo pessoal)


A biomédica tenta agendar entrevista para obtenção do visto desde abril do ano passado, mas não encontra datas disponíveis.  “A única opção que tenho agora é um visto de emergência, mas poucos conseguem acesso a esse serviço”, explicou, relatando um misto de ansiedade e desesperança diante da situação: “Há vários casos de pedidos de emergência de colegas da área de saúde que foram negados. Você se esforça por anos para ter uma oportunidade e simplesmente, por questões burocráticas, você não consegue”, lamentou.

A CARTA 


O mineiro Gabriel Rabelo Magalhães Couto, de 18, foi aprovado na University of South Flórida, em Tampa, para área de estudos internacionais. “Conquistei uma bolsa bem alta e, até agora, não consegui o acesso,  pela questão do visto. Todos os consulados aqui no Brasil fecharam e as entrevistas não estão sendo liberadas”, relatou.

De acordo com Gabriel, 1º maio é a data em que normalmente é feita a matrícula na cidade onde pretende estudar. A data é conhecida por lá como dia de compromisso nacional. “Quando chegou fevereiro, eu simplesmente não tinha vagas aqui no Brasil (para a entrevista) porque nem os processos do ano passado tinham sido finalizados. Então, os novos estudantes precisavam esperar a fila do ano passado para se candidatar ao visto. E, para piorar, os agendamentos foram cancelados”, explicou.

Gabriel, como os outros 1.133 estudantes que assinam a carta enviada na quarta-feira ao Itamaraty, contam a diplomacia brasileira para garantir a realização do sonho de estudar nos EUA. “A expectativa é que eles negociem com o governo americano”, disse.

A expectativa do grupo é que o processo seja desburocratizado ou que os órgãos brasileiros sugiram solução em favor de quem precisa dessa categoria de visto. “Hoje em dia, com a tecnologia que temos, não seria possível fazer uma entrevista on-line? Ou, não seria possível fazer a entrevista já nos Estados Unidos? Outra possibilidade poderia ser um visto de turismo para ser revertido para o de estudante”, sugeriu Gabriel.

ITAMARATY 

Consultado pelo EM, o Itamaraty informou, por meio de nota, que tem conhecimento do assunto e vem fazendo “todo o possível para alcançar solução satisfatória que atenda ao pleito dos estudantes afetados pela adoção de medidas migratórias restritivas para entrada nos Estados Unidos”. A nota não especifica se alguma proposta específica foi levada às autoridades americanas.

Restrição sem prazo para acabar

Devido à pandemia da COVID-19, a Embaixada e consulados dos Estados Unidos no Brasil suspenderam as “chamadas rotineiras” para emissão de vistos de não imigrantes, “priorizando a segurança da equipe e dos solicitantes”, informou o Escritório dos EUA em Belo Horizonte, consultado pelo Estado de Minas sobre a situação dos estudantes.

O escritório assinalou ainda, que “no momento, permanece em vigor a proclamação presidencial que restringe a entrada de viajantes que estiveram presentes no Brasil nos últimos 14 dias"

A intenção, segundo o escritório, é retomar as entrevistas de vistos assim que possível, mas ainda não há data para que isso ocorra. No texto enviado ao EM, o escritório garante que o  “a Embaixada e os consulados dos Estados Unidos no Brasil estão levando esse assunto muito a sério”  e que a intenção é de dar “atenção prioritária” a esse grupo quando as entrevistas para vistos forem retomadas.

A nota orienta ainda os interessados a seguir as redes sociais e monitorar o site da representação americana para ter atualizações. E destaca: “O intercâmbio educacional entre o Brasil e os Estados Unidos é uma das nossas principais prioridades, e estamos muito satisfeitos em ver um grande número de brasileiros escolhendo os Estados Unidos como destino de estudos."

Processo exige tempo

Tirar um visto de estudante para os EUA é um processo que leva tempo, independentemente da pandemia. Para obter a permissão de permanência nos Estados Unidos, é preciso, primeiro, ser aceito em uma instituição de ensino. Ao longo do processo de solicitação de visto, o estudante precisará comprovar que já tem tudo organizado para estudar lá.

O candidato ao visto precisará preencher e apresentar uma série de formulários. E a instituição de ensino na qual ele pretende estudar também é responsável por cadastrá-lo no sistema. É preciso ainda pagar uma taxa e ser aprovado na entrevista marcadas em consulados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade