Publicidade

Estado de Minas QUEBRANDO BARREIRAS

Homem trans dá à luz uma menina, em Minas

Nascimento é 'esperança no fim do túnel' para pessoas LGBTQIA+ mostrarem que podem construir família e romper preconceito, diz Ellen, companheira de Rodrigo


07/04/2021 11:51 - atualizado 07/04/2021 13:51

 
Casal trans teve a criança Isabela na maternidade do Hospital Universitário Clemente Faria, em Montes Claros(foto: Wesley Gonçalves/Ascom/HUCF)
Casal trans teve a criança Isabela na maternidade do Hospital Universitário Clemente Faria, em Montes Claros (foto: Wesley Gonçalves/Ascom/HUCF)
“O sentimento que eu tive desde o começo da gestação, independentemente do fato de que gerei a minha filha, foi de pai. Com certeza, agora, depois do nascimento dela, é o mesmo sentimento de pai. Então, isso pra mim foi bem gratificante.” A afirmação é de Rodrigo Brayan da Silva, de 33 anos, o homem trans que deu à luz uma menina, Isabela, na madrugada dessa terça-feira (6/4),em Montes Claros, no Norte de Minas.
 
Rodrigo tem como companheira Ellen Carine Martins, de 25, que também é trans e assumiu o papel de mãe da criança. Eles estão juntos há um ano e quatro meses e atuam como influenciadores digitais na cidade do Norte de Minas.

Isabela, primogênita do casal, nasceu na madrugada de terça-feira, com três quilos e 110 gramas, com 50 centímetros, de parto normal, que foi antecipado em uma semana do tempo previsto, na maternidade do Hospital Universitário Clemente de Faria, vinculado à Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

O casal trans deve receber alta ainda nesta quarta-feira (7/4). Para Ellen, o nascimento do seu bebê (o primeiro de casal trans registrado no Norte de Minas) traz uma “luz no fim do túnel” para o público LGBTQIA+ romper o preconceito e constituir família.

“A nossa felicidade é imensa, não so pelo nascimento da nossa filha, mas por trazer uma esperança de (luz) no fim do túnel. Com o nascimento dela, muitas pessoas da classe LGBTQIA vão conseguir ver que há sim a chance de construir uma família, independentemente da sociedade que a gente tem”, declara.

No Brasil, não existem números oficiais atualizados sobre os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Dados do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontavam que naquele ano já existiam 60.002 brasileiros que declaram morar com o cônjugue do mesmo sexo.
 
Mas o número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo aumentou bastante, tendo em vista que em maio 2011 o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou legal a união civil homoafetiva. Em maio de 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou resolução que obriga os cartórios de todo país a realizarem as celebrações de casamento entre indivíduos do mesmo sexo.

Papel de mãe

Rodrigo explica que teve uma gravidez tranquila: “A gestação foi um período muito bom. Foi uma coisa que eu curtir bastante. Foi uma gestação bem tranquila, graças a Deus. Agora, ao ver o rostinho dela (de Isabela), eu me sinto completamente como pai. Foi muito bom essa experiencia que eu tive”, afirma.
 
Já Ellen salienta que acompanhou todo o trabalho de parto e que viveu “um misto de emoções”. Ela diz que o desafio agora é exercer “o papel de mãe”. “Já estou exercendo o papel de mãe, que é incrível, por mais cansativo que deseja’, afirma a influencer.
 
Ela assegura que começou a sentir a "emoção de ser mãe" ainda antes do nascimento de Isabela. “Desde segunda-feira, quando começou o vazamento do líquido (amniótico, que envolve o bebê na bolsa, antes do nascimento) até hoje, estou sentindo a adrenalina de ser mãe. Isso pra mim é alto significativo, algo que eu esperei bastante e deu certo”, comemora.
 
Ellen conta que após o nascimento, a própria equipe da maternidade colocou a criança junto dela para reforçar o sentimento e relação entre mãe e filha.

“Os primeiros instantes do nascimento da minha filha foram incríveis. A (equipe da) maternidade deixou a gente se sentindo em casa. A bebê foi passada pra mim, para este corpo a corpo, para que a gente esteja transmitindo essa sensação de família. Foi alto bem gratificante mesmo”, descreve.
 
Mas ela afirma que, como qualquer outro casal, pretende dividir com o companheiro a tarefas dos cuidados com a filha. “No início, será eu, mas, com certeza, após 30 dias, vamos estar dividindo as tarefas, para ficar mais tranquilo para ambas as partes”, anuncia.

Casal quer ter outro filho  

Ellen revela que o casal trans pretende realizar mais um sonho: ter outro filho -um menino. Ela diz que o fato de não ter tido um irmão reforça essa vontade. “Eu sempre sentir a falta de ter um irmão próximo e isso é algo que não quero para minha fiha. Se tudo dar certo, vamos ter um menininho, que é (também) um desejo do Rodrigo: ser um pai de um filho, que ele (ainda) não teve.”
  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade