Publicidade

Estado de Minas COVID-19

UFMG iniciará nos próximos dias os textos contra COVID com macacos

Universidade mineira tem autorização da Anvisa para fazer experiências com humanos também


20/03/2021 04:00 - atualizado 19/03/2021 23:38

Ensaio clínicos no Centro de Tecnologia em Vacinas da UFMG será dividido em três fases(foto: UFMG/DIVULGAÇÃO)
Ensaio clínicos no Centro de Tecnologia em Vacinas da UFMG será dividido em três fases (foto: UFMG/DIVULGAÇÃO)

Cientistas do Centro de Tecnologia em Vacinas (CTVacinas) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) deram passo decisivo para o primeiro imunizante brasileiro contra a COVID-19. Eles devem iniciar os testes com primatas nos próximos dias e, se tudo der certo, iniciarão o ensaio clínico, quando o imunizante é testado em humanos. “Estamos preparando a documentação para obter autorização da Anvisa para fazer testes em humanos. Os primeiros testes clínicos. É um processo muito cuidadoso”, afirma a professora Santuza Teixeira, da equipe do CTVacinas e professora do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG.

No ano passado, os pesquisadores alertavam em reportagem do EM para o risco de o Brasil ter dificuldade de acesso às vacinas, quando as substâncias ainda estavam em desenvolvimento inicial nos principais centros de pesquisa do mundo. E de fato, o alertado ocorreu. Naquela época, prevendo uma saída para que o Brasil não ficasse na dependência de imunizantes feitos por laboratórios internacionais, os pesquisadores da UFMG iniciaram o desenvolvimento de uma tecnologia nacional.

No entanto, em decorrência de a pandemia ter causado a morte de 2,7 milhões de pessoas, há uma corrida mundial pelas doses dos imunizantes, uma das formas de reduzir a gravidade da doença e de uma possível freada na transmissão com o aumento no número de imunizados. A pesquisadora do CTVacinas lembra que o desenvolvimento de vacinas é um processo demorado. No entanto, os cientistas da UFMG têm obtido resultados promissores. Santuza explica que os testes em primatas foram exigência da Anvisa e devem começar nos próximos dias. Considerados grupos controle e teste, 10 macacos devem passar pelo teste.

O próximo passo será o ensaio clínico, dividido em três fases. Em teste clínico em humano, a fase 1, em que se avalia segurança, serão necessários 20 voluntários. Os testes de fase 2, que avaliam a capacidade de resposta imune, são de 100 a 200 voluntários. Na fase 3, o número de voluntários salta para a casa do milhar. “Para uma vacina ser aprovada, precisa seguir uma série de etapas antes de começar a fazer testes em voluntários. Essa fase está acontecendo agora. É uma exigência da Anvisa fazer testes em primatas não humanos. Então, nós estamos com esse processo agora”, revela a pesquisadora. A vacina emprega a tecnologia de proteína recombinante quimérica. “A proteína é produzida em laboratório, utilizando o sistema de expressão heteróloga, ou seja, usamos  células cultivadas em laboratório para produzir proteína de vírus sem precisar cultivar o vírus. Por isso, é chamada de recombinante.”

APROVADAS 


As vacinas aplicadas no Brasil são de tecnologia internacional, embora o envase das doses seja realizado em laboratórios brasileiros. A Anvisa aprovou o registro de três vacinas contra a COVID-19: a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em  parceria com o Instituto Butantan; a europeia AstraZeneca/Oxford, e a do laboratório norte-americano Pfizer. A AstraZeneca/Oxford recebeu autorização para uso emergencial em 17 de janeiro e o registro definitivo em 13 de março. A Jassen ainda não pediu o registro temporário nem o definitivo. A Pfizer conseguiu o registro definitivo em 23 de fevereiro. A Sinovac recebeu o registro emergencial em 17 de janeiro e ainda não solicitou o definitivo.

A agência explica o processo. O estágio inicial é restrito aos laboratórios, a partir da análise do agente causador da doença. No caso da COVID-19, o novo coronavírus. Posteriormente, a vacina é testada em animais, que são expostos ao agente causador da doença, para verificar a capacidade de induzir o animal a produzir anticorpos. De qualquer modo, para que sejam iniciados os estudos em humanos, é preciso ter em mãos dados preliminares de segurança e possível eficácia. 

Embora muitas prefeituras tenham iniciado tratativas com a embaixada da Rússia para a compra da Sputnik V, a vacina não aparece no quadro de análise da Anvisa. O pedido de anuência do estudo ainda está em avaliação e não é uma vacina em teste no Brasil.





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade