Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Horário de pico bastante vazio no 1º dia útil sem atividades não essenciais

Pontos de ônibus e estações geralmente lotados amanheceram vazios no primeiro dia de suspensão de atividades não essenciais em Belo Horizonte devido à COVID-19


15/03/2021 08:40 - atualizado 15/03/2021 11:03

Estação Central do Move ficou vazia no horário de pico da manhã (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Estação Central do Move ficou vazia no horário de pico da manhã (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
A capital mineira amanheceu com movimento fraco no transporte público nesta segunda-feira (15/3) e isso se traduziu em ruas e avenidas desertas, inclusive no Hipercentro de Belo Horizonte. Um nítido reflexo do primeiro dia útil de fechamento de atividades não essenciais após a cidade apresentar índices alarmantes de contaminação pela COVID-19 e grande lotação dos leitos hospitalares.

Um bom termômetro deste movimento é o Move, maior sistema de transporte de massas da capital mineira e que chega a atender a 500 mil pessoas por dia. Um concentrador dos destinos de passageiros do sistema, a Estação Central parecia abandonada.

Tal situação seria muito incomum para uma segunda-feira, por ser aquele o local que mais recebe viagens de todos os pontos da cidade, desde o Barreiro a Venda Nova. As catracas que não param de girar durante um dia de semana comum, ficaram imóveis por mais de 10 minutos até a chegada de um coletivo e o desembarque de passageiros.

O pico de movimento da manhã ocorreu por volta de 7h. Mas, mesmo assim, nenhum ponto concentrou aglomerações, nem no corredor da Avenida Presidente Antônio Carlos ou no da Avenida Cristiano Machado. As estações de transferência também ficaram desertas. Poucos passageiros trafegaram de pé.

Os corredores do Move da Avenida Antônio Carlos (foto) e Cristiano Machado passaram a manhã sem movimento considerável(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
Os corredores do Move da Avenida Antônio Carlos (foto) e Cristiano Machado passaram a manhã sem movimento considerável (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
A lotação máxima para ônibus articulados prevê 20 passageiros em pé, com a tolerância caindo para 10 nos ônibus comuns e padrão Move. Durante toda manhã o máximo de passageiros que foi visto em viagem em pé foi de oito pessoas. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade