Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

BH registra mais 31 mortes por COVID-19; indicadores sofrem queda

Essa foi a terceira alta consecutiva de vidas perdidas acima da marca de 20. Taxa de ocupação das UTIs mantém tendência de diminuição


21/01/2021 17:55

Situação dos leitos de UTI em BH está em estado crítico desde 17 de dezembro(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Situação dos leitos de UTI em BH está em estado crítico desde 17 de dezembro (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)

 

Mais 31 mortes por COVID-19 foram registradas nesta quinta (21/1) em Belo Horizonte. Boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura contabiliza 80.801 casos confirmados da doença, 882 a mais que no levantamento anterior. São 2.140 óbitos, 5.441 pacientes em acompanhamento e 73.220 recuperados.

 

Essa foi a terceira alta consecutiva no número de mortes pela virose acima da marca de 20.

 

A última vez que tal sequência aconteceu em BH foi entre os dias 26 e 28 de agosto, o que certamente traduz a alta de casos do período pós-festas de virada de ano.

 

Apesar disso, os três indicadores fundamentais para a tomada de decisão do poder público sofreram queda nesta quinta. A taxa de ocupação das UTIs saiu de 81,7% para 81%. Porém, permanece na zona crítica da escala de risco, acima dos 70%.

 

Conforme o balanço, BH disponibiliza 585 leitos do tipo para pacientes graves: 295 na rede pública e 290 na privada. Portanto, restam 111 unidades do tipo ainda sem pacientes na cidade.

 

 

 

Leve queda também é o caso da ocupação dos leitos de enfermaria: de 65,9% para 65,7%. Assim, o indicador se mantém na zona de alerta, entre 50% e 69%.

 

A diminuição da taxa, no entanto, é reflexo do aumento da oferta vagas clínicas. No balanço, anterior, a prefeitura contava com 1.461 unidades. Agora, 1.481, 20 a mais.

 

Dessa maneira, restam 508 enfermarias sem pacientes na soma entre as redes SUS e suplementar.

 

Responsável por medir a velocidade de transmissão do novo coronavírus em BH, o fator RT caiu de 1,03 para 1,02. Portanto, se mantém na zona intermediária, entre 1 e 1,2.

 

 

 

Perfil das vítimas

 

 

No levantamento por regionais, a Noroeste é a região com maior número de mortes por 7COVID-19 em BH: 291, 26 a mais a Região Nordeste. Na sequência, aparecem Oeste (256), Leste (242), Barreiro (234), Centro-Sul (232), Venda Nova (228), Pampulha (204) e Norte (188).

 

No total, 1.178 homens perderam a vida para a virose em BH. A quantidade de mulheres mortas é de 962.

 

A faixa-etária mais atingida pela COVID-19 são os idosos: 83,4% (1.786 no total).

 

Na sequência, aparecem aqueles entre 40 e 59 anos: 14,4% (308). Há, ainda, 45 óbitos entre 20 e 39 anos (2,1%) e um de menor de idade (0,1%).

 

Além disso, 97,5% dos mortos apresentavam ao menos uma comorbidade, sendo cardiopatia, diabetes, pneumopatia e obesidade as mais comuns.

 

Em BH, 53 pessoas morreram com quadros clínicos de COVID-19 sem comorbidade: 43 homens e 10 mulheres. A maioria tinha entre 40 e 59 anos.

 

Público-alvo da primeira etapa de vacinação em BH, os profissionais de saúde somam 1.875 testes positivos para a COVID-19. No total, a prefeitura testou 11.066 servidores da área, com 8.887 exames negativos e 304 ainda em investigação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade