Publicidade

Estado de Minas OPERAÇÃO MALEBOLGE

Prefeito diz que não sabia de fraudes em contratos com empresas de vans

Oitiva com prefeito de Araxá durou aproximadamente cinco horas; em vídeo, delegado responsável pelas investigações conta detalhes do depoimento


05/12/2020 11:27 - atualizado 05/12/2020 13:28

A foto acima mostra a adulteração e a foto abaixo a quilometragem real rodada por uma das vans escolares(foto: PC/Divulgação)
A foto acima mostra a adulteração e a foto abaixo a quilometragem real rodada por uma das vans escolares (foto: PC/Divulgação)
O prefeito de Araxá, Aracely de Paula, foi ouvido nesta sexta-feira (4/12), na sede da Polícia Civil (PC), em Uberaba, e negou envolvimento com as irregularidades em contratos entre a prefeitura e empresas de transporte por vans
 
A oitiva faz parte dos desdobramentos das investigações da Operação Malebolge em Araxá, que apura desvios de recursos públicos por meio de fraudes nestes tipos de contratos.

Ainda conforme o delegado, o prefeito disse que não sabia dos desvios. “Vamos pegar as informações colhidas e confrontar com as provas que existem no inquérito e verificar a procedência dessas informações", detalhou o delegado.
 
O Estado de Minas entrou em contato com assessoria de imprensa do prefeito de Araxá, mas ainda não obteve resposta.
 


A Operação está na 5ª fase e um homem já foi preso, suspeito de coordenar atos ilícitos em relação ao transporte escolar rural, sendo que 39 veículos foram apreendidos. Ele foi interrogado e esclareceu como o esquema foi montado para fraudar o sistema e por ter colaborado, segundo a PC, ele foi liberado.
 
Segundo informações do inquérito, foram indiciados a chefe de gabinete do município, Lucimary Fátima da Silva Ávila, e o marido dela, Leovander Gomes de Ávila, ex-assessor municipal que atuava na tesouraria. Além deles, um casal sócio de uma empresa de transportes que atuava na cidade e o filho deles também foram indiciados por compor a organização criminosa. Eles devem responder por peculato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
 
A Operação "Malebolge" foi iniciada em agosto para apurar um suposto esquema criminoso entre empresas e pessoas ligadas à Prefeitura do município. Segundo as apurações foram desviados R$ 5.646.551 do município, desde o ano de 2015.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade