Publicidade

Estado de Minas Transporte Público

Superlotação em ônibus causa conflito entre passageiros e motorista

Usuários da linha de ônibus 3838, que faz a rota entre Rio Acima e BH, reclamam de superlotação e descaso no combate à COVID-19


20/11/2020 15:36 - atualizado 20/11/2020 16:49

Segundo passageiros a linha opera lotada(foto: Foto: reprodução/Google street View)
Segundo passageiros a linha opera lotada (foto: Foto: reprodução/Google street View)
Um vídeo registrado por um passageiro mostra momentos de tensão entre passageiros e o motorista de um ônibus da linha 3838, que faz o trajeto entre Rio Acima e Belo Horizonte. O motivo, segundo os passageiros,  é a superlotação, aliada a uma obra na MG-30, que torna o percurso bem mais lento que o normal, e aos risco de contágio de COVID-19

A rodovia MG-30 liga cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte,  como Rio Acima, Raposos e Nova Lima à capital e está interditada entre os KM 18 e 25 para obras de duplicação de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h.  Durante esse período, a vida de quem precisa passar pela rodovia não tem sido fácil.
 
Engarrafamentos e muita espera têm feito parte da rotina de vida da operadora de caixa Divina Goret Ferreira que utiliza a linha para ir ao trabalho. Segundo a operadora de caixa, as obras iniciaram no mesmo período que a Secretaria de Saúde passou a exigir das pessoas o distanciamento social por causa da COVID-19. “As obras iniciaram em março e, desde então, a situação de quem pega a linha 3838 piorou. Trabalho em um serviço essencial estou tendo que enfrentar ônibus lotados todos os dias e, quando ele chega no trecho interditado para as obras, ficamos parados por cerca de uma hora para liberar a passagem. Isso me deixa mais apreensiva dentro do ônibus lotado e fechado”, desabafou



A também operadora de caixa Natália dos Santos reclama que o intervalo entre as viagens aumentou em certas horas do dia, chegando a uma hora entre uma viagem e  outra. “Com tantas pessoas precisando de usar o ônibus, eles acabam ficando sempre lotados. Quando chega no trecho da reforma na rodovia, a situação piora, o ar para de circular aí fica abafado e quente. Muitos motoristas não gostam de abrir a porta pra deixar entrar um pouco de ar enquanto o ônibus está parado”, conta.

O medo de pegar COVID-19 também tem assustado os passageiros, Goret reclama que pelo fato da falta de circulação de ar, muitos passageiros acabam tirando a máscara de proteção. “Já não podemos fazer o distanciamento e agora tem mais essa”, desabafa.

Segundo Natália, a tia contraiu COVID-19 e a suspeita é de que foi dentro do ônibus. “Ficamos todos muito perto e muito tempo nessa situação, cerca de 80 pessoas paradas e aglomeradas mais de meia hora na obra”.
A duplicação da MG-30, do trecho entre o viaduto em arco, altura do Bairro Chácara Bom Retiro, até o trevo da máquina é municipalizado e pertence à Prefeitura de Nova Lima. De acordo com a administração municipal de Nova Lima, o contrato da obra de duplicação do trecho em questão tem previsão de término para junho do ano que vem. 

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra-MG) relata que monitora, diariamente, a operação do Sistema de Transporte Metropolitano e, quando necessário, realiza ajustes para atender à população.

De acordo com a Diretoria de Gestão do Transporte Metropolitano da Seinfra-MG, no caso da linha 3838- Rio Acima/Belo Horizonte, a operação ocorre dentro da sua capacidade, circulando com uma média de 50 passageiros por viagem nos horários de pico da manhã e da tarde. Além disso, parte da demanda de passageiros é atendida pela linha 3844 - Nova Lima/BH Shopping, implantada em outubro deste ano.
Segundo o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) do dia 1 de janeiro até 19 de novembro desse ano foram emitidos 22 autos de infração referentes aos serviços da linha 3838. 

Neste mesmo período, foram registradas 43 solicitações no serviço de atendimento ao usuário do DER-MG, relacionadas à operação da linha 3838, que faz parte do Consórcio Metropolitano, representado pela empresa Turilessa.

A empresa Turilessa pertence ao Grupo Saritur. Procurados pela reportagem tanto a Turilessa quanto a empresa Satitur não  responderam às perguntas.

O DER-MG reforça que os usuários das linhas metropolitanas podem contribuir com a fiscalização dos serviços prestados pelos Consórcios, registrando solicitações nos canais de atendimento do DER-MG, site www.der.mg.gov.br – opção Fale Conosco; aplicativo MG app (selecionar Rodovias e Transportes) e e-mail atendimento@der.mg.gov.br.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade