Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

BH chega a 45.120 casos e 1.372 mortes confirmadas por COVID-19

Capital mineira computou 12 vidas perdidas pela doença em um intervalo de 24 horas. Número médio de transmissão por infectado cai e se aproxima da fase de controle


14/10/2020 17:39 - atualizado 14/10/2020 18:07

Taxas de ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria caíram em BH nesta quarta(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Taxas de ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria caíram em BH nesta quarta (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

 

Belo Horizonte chegou nesta quarta-feira (14) a 1.372 mortes por COVID-19. O boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura informa que 12 óbitos pela doença foram notificados no intervalo de 24 horas.

 

Com isso, BH registrou exatamente 100 mortes pela virose neste mês, uma média de 7,14 óbitos a cada dia no período.

 

Quanto ao número de casos, a cidade chegou a 45.120 – uma diferença de 264 diagnósticos para o levantamento anterior. A cidade tem, além dos quase 1,4 mil mortos, 2.057 casos em acompanhamento e 41.691 recuperados. 

 

No levantamento por regionais, a Noroeste é aquela com o maior número de mortes: 173, quatro a mais que a Oeste. Na sequência, aparecem Nordeste (167), Venda Nova (165), Leste (156), Barreiro (151), Norte (136), Centro-Sul (126) e Pampulha (129).

 

Entre as pessoas que morreram vítimas da COVID-19 em Belo Horizonte, 766 são homens e 606 mulheres. A maioria dos óbitos, 82,6% (1.133), é formada por idosos. Outros 14,9% (205) tinham entre 40 e 59 anos; e 2,4% (33) entre 20 e 39 anos. Há ainda uma morte de paciente entre 10 e 14 anos.

 

Quanto à raça/cor, 49,6% das pessoas diagnosticadas com casos graves eram pardas, 27,4% brancas, 9,3% pretas, 0,8% amarelas e 0,1% indígenas. De acordo com a PBH, 12,9% não tem raça/cor especificada ainda.

 

Além disso, 97,5% dos óbitos são de pessoas com fator de risco, segundo a prefeitura. Apenas 34 mortes sem comorbidades: 29 homens e cinco mulheres.

 

Idade, cardiopatia, diabetes, pneumopatia, obesidade, nefropatia e doenças neurológicas são as comorbidades mais comuns.

 

Indicadores

 

 

 

Ainda no quadro alarmante, o número médio de transmissão do coronavírus por infectado caiu para exatamente 1 em BH nesta quarta-feira. Essa foi a segunda queda do indicador nesta semana.

 

Vale lembrar que nos dados abaixo de 1, o fator RT se torna controlado na capital mineira.

 

A notícia é boa também quanto à ocupação dos leitos de UTI. Houve uma queda de 38,7% para 35,4% na taxa de uso dessas unidades. Portanto, o quadro continua controlado, abaixo dos 50%.

 

Quanto às enfermarias, a PBH também registrou queda: de 32,4% para 32,3%. Assim, o indicador permanece na fase controlada.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade