Publicidade

Estado de Minas ESPANCAMENTO

TJ decide que membro da Galoucura não tentou matar cruzeirense e libera réu

Atleticano foi condenado por lesão corporal e promoção de tumulto, prática e incitação à violência, mas já cumpriu a pena


13/10/2020 19:07 - atualizado 13/10/2020 19:33

O próprio MP pediu à Justiça para que o torcedor do Atlético fosse absolvido por tentativa de homicídio contra cruzeirense (foto: Leticis de Paula/TJMG)
O próprio MP pediu à Justiça para que o torcedor do Atlético fosse absolvido por tentativa de homicídio contra cruzeirense (foto: Leticis de Paula/TJMG)

 

Terminou na tarde desta terça-feira (13) o julgamento do membro da Galoucura, torcida organizada vinculada ao Atlético, no Fórum Lafayette, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. E a sessão terminou com o réu sendo solto pela Justiça.

 

O homem era acusado de tentativa de homicídio contra um integrante da Máfia Azul, organizada ligada ao Cruzeiro. Porém, a juíza Fabiana Cardoso Gomes Ferreira o condenou apenas por lesão corporal e promoção de tumulto, prática e incitação à violência.

 

Portanto, o réu foi absolvido da acusação de tentativa de homicídio. Como a pena dos crimes pelos quais ele foi condenado totaliza um ano, nove meses e 29 dias de detenção, e o homem estava preso há mais de dois anos, a Justiça o liberou.

 

O fato aconteceu na tarde de 4 de março de 2018, após o Cruzeiro vencer o Atlético por 1 a 0, no Independência, pela primeira fase do Campeonato Mineiro. 

 

 

 

No cruzamento da Avenida Amazonas com a Rua Cura D’Ars, o réu espancou com socos e pauladas o cruzeirense. A ação teve a participação de outros quatro membros da Galoucura, armados com paus.

 

Segundo a juíza, “o exame dos autos aliado às declarações da vítima e testemunhas, bem como os registros da câmera de segurança, configuram lesão corporal”. O réu julgado nesta terça é campeão mineiro e brasileiro de artes marciais.

 

O pedido de retirar a acusação de homicídio, conforme a Justiça, foi feito pelo próprio Ministério Público, por meio do promotor Henry Wagner Vasconcelos Castro.

 

O integrante da Máfia Azul, segundo o TJ, “teve a fala comprometida por mais de dois meses, em razão de ter sofrido fraturas em seu maxilar em três locais distintos”.

 

Com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade