Publicidade

Estado de Minas LAZER

Com parques e clubes restritos, praças de BH são tomadas no Dia das Crianças

Espaços tradicionais da capital e até mesmo as pracinhas de bairros ficaram cheias de crianças curtindo os brinquedos novos


12/10/2020 13:04 - atualizado 12/10/2020 14:46

Parquinho da Praça do Papa foi a maior atração para a criançada (foto: Edesio Ferreira/E.M/D.A Press)
Parquinho da Praça do Papa foi a maior atração para a criançada (foto: Edesio Ferreira/E.M/D.A Press)
Jardins apossados para piqueniques, gramados transformados em quadras de frescobol, alamedas convertidas em pistas de corrida de velotrols e bicicletas. Quem não agendou a visita aos parque e ficou meio órfãos dos clubes, que enfrentam restrições para programações de Dia das Crianças em Belo Horizonte, resolveu invadir as praças da cidade nesta segunda-feira (12).

As com grandes áreas, como a do Papa e a da Liberdade, receberam muitas famílias e a meninada. O movimento tabém foi grande nos espaços menores dos bairros. Era muito menino e menina com carrinhos, patinetes, skates e outros brinquedos novos doidos para estrear e também para rever os amigos em um dos poucos alívios do isolamento social, devido à pandemia do novo coronavírus, permitido pela data.

Na Praça da Liberdade, em Lourdes, na Região Centro-Sul, todos os espaços foram tomados pelos pequeninos e seus brinquedos recém desembalados. As curvas que levam aos chafarizes e estátuas foram usadas como circuito de corrida. Não precisava conhecer o outro piloto, bastava ter uma bicicleta ou patinete para ingressar na corrida. Dos bancos brancos, pais com crianças menores em bikes de rodinhas treinavam os futuros pilotos em suas primeiras pedaladas.

Maíra, Luís Guilherme e o filho Marcos optaram por piquenique e frescobol na Praça da Liberdade(foto: Edesio Ferreira/E.M/D.A Press)
Maíra, Luís Guilherme e o filho Marcos optaram por piquenique e frescobol na Praça da Liberdade (foto: Edesio Ferreira/E.M/D.A Press)
Os engenehiros civis Luís Guilherme Duarte e Maíra Soares, ambos de 36 anos, abriram uma toalha no jardim e iniciaram um torneio de frescobol com o filho Marcos Duarte, de 5 anos. A grama fofa permitia ao menino saltar e rebater as bolas lançadas pelo pai sem a preocupação de quedas.

"A gente queria ir ao Parque Municipal, mas não agendamos. Então viemos para a Praça da Liberdade, que está sendo muito gostosa. O dia está fresco. As crianças tomaram todo o lugar e é muito bom depois do isolamento ter esse contato mais de perto com as pessoas. Vamos fazer o  nosso lanchinho aqui e na semana que vem vamos programar mais praças e parques", disse Maíra.

Todos os espaços da Praça do Papa foram tomados no Dia das Crianças(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Todos os espaços da Praça do Papa foram tomados no Dia das Crianças (foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Na Praça do Papa, no Bairro Mangabeiras, também na Região Centro-Sul, tanto a parte da praça quanto os gramados foram ocupados pelas famílias. Mas a concentração dos pequenos se deu mesmo no parquinho. Eram tantos meninos e meninas que as rampas, escadas, escorregadores e até as pilastras tinham congestionamentos de crianças entrando e saíndo sem parar. Usavam máscaras, mas afastamente àquela altura foi algo impossível.

"As crianças estavam ficando ansiosas. Nervosas, arredias dentro de casa. No Dia das Crianças merecem pelo menos correr um pouco, ver outras crianças e brincar. Mas com responsabilidade. De máscaras. Limpando as mãos toda hora com álcool em gel. A gente tenta se adaptar aos novos tempos", disse o enfermeiro Evandro Costa, de 38 anos, pai de três filhos completamente integrados à algazarra do parquinho.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade