Publicidade

Estado de Minas FLEXIBILIZAÇÃO

COVID-19: feiras livres voltam em Contagem com modificações; veja quais

No Eldorado, feirantes vão se revezar nos finais de semana para as barracas ficarem mais espaçadas. Já a feira do Amazonas muda de endereço para alocar melhor os expositores


09/10/2020 14:11 - atualizado 09/10/2020 15:23

Feira do Amazonas agora funciona em novo endereço, na Rua Tiradentes(foto: Paulo Pereira/PMC/Divulgação)
Feira do Amazonas agora funciona em novo endereço, na Rua Tiradentes (foto: Paulo Pereira/PMC/Divulgação)
Quem gosta de comprar frutas, legumes e hortaliças fresquinhos nas feiras livres pôde voltar às barracas em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no sábado passado (3). Com a reabertura, cerca de 25 mil pessoas, público que frequentava as três feiras ao longo do sábado e do domingo antes da pandemia do novo coronavírus, são esperadas de volta às feiras.

No entanto, para evitar aglomerações, tanto da clientela quanto dos barraqueiros, a maior dessas feiras, a do Eldorado, terá um rodízio dos expositores a partir deste sábado (10). Os feirantes serão divididos em dois grupos: pares e ímpares.

Cada grupo terá a oportunidade de expor seu trabalho a cada 15 dias. O primeiro, já neste sábado (10), será o grupo dos feirantes ímpares. Para tanto, será considerada a numeração atual da chamada, estabelecida pela administração da Regional Eldorado.

A medida se torna necessária para que o distanciamento de dois metros entre as barracas seja possível, aumentando a segurança dos expositores e do público. A feira do Eldorado funciona todos os sábados na Avenida João César de Oliveira, no trecho que vai do Centro de Consultas Especializadas (CCE) Iria Diniz até o Big Shopping.


Feira do Amazonas

Já a feira do Amazonas está em novo endereço. Para garantir mais segurança e adequação das medidas sanitárias exigidas pelo Município, a feira funciona agora na Rua Tiradentes.

A decisão de transferi-la para uma via mais extensa foi tomada em reunião realizada entre expositores e integrantes de diversas secretarias e órgãos municipais, inclusive da segurança pública. 

A feira tem cerca de mil metros de extensão e vai do cruzamento da Tiradentes com Avenida Juscelino Kubitscheck até o trecho em que a Tiradentes cruza a Avenida Coronel Benjamim Guimarães.

Com a abertura da feira, os cerca de 580 feirantes irão expor seus produtos, que vão de doces, caldo de cana e pastel, feijão tropeiro, carnes, acarajés, sorvetes, pimentas, licores e chopes artesanais, farofas, ovos e mel a roupas para todos os tamanhos e idades, bolsas, calçados e bijuterias, brinquedos, plantas, móveis e objetos de decoração. 

Nas barracas, informações de segurança para a prevenção e o combate à COVID-19 e álcool em gel disponível para os clientes. Máscaras, inclusive, podiam ser adquiridas junto a ambulantes que transitavam pelo local no último domingo.

O gerente da feira, Luiz Carlos, afirma que aproximadamente 1.200 pessoas trabalham direta ou indiretamente no local. “Muita gente depende da feira para o sustento. As pessoas estão satisfeitas com a mudança de local da feira”, afirma.

A feira do Amazonas funcionou por décadas na Avenida Alvarenga Peixoto, mas em 19 janeiro deste ano, depois de uma forte chuva, a feira foi destruída. Com isso, os feirantes tiveram que retomar os trabalhos em outro lugar.

Ela passou para a Avenida Juscelino Kubitschek (JK). Contudo, com a chegada da pandemia do coronavírus no Brasil, em meados de março deste ano, a feira do Amazonas teve o funcionamento suspenso, bem como as duas outras feiras livres do município.

Vanessa Arruda, que comercializa roupas em uma das barracas da feira do Amazonas, está otimista. “Gostei muito da mudança. Está mais espaçoso. Ninguém sabe ainda como vai fazer, está todo mundo preocupado. E estamos seguindo as regras de combate e prevenção ao coronavírus, esperamos que dê tudo certo”, anseia a expositora.

Volta também na Ceasa

Depois de mais de seis meses parados e com medo de perder seus espaços, expositores que integram o Mercado do Livre Produtor, na Ceasa, retomam as atividades neste sábado. Os cerca de 150 feirantes participam da feira, que tem 40 anos de tradição.

“Nós passamos por muitas dificuldades financeiras nesses sete meses por conta da pandemia. Foram meses de angústia e incertezas para todos nós. Afinal, somos 150 famílias de feirantes que vivem da comercialização de seus produtos. Mas, graças a Deus, alcançamos a vitória e estávamos de volta”, desabafou Cristina Kwong, que vende frutas na Ceasa ao lado de suas irmãs há décadas.

A Ceasa, em matéria publicada no mês passado, havia informado o desejo de alterar o formato da feira. Procurada novamente pelo Estado de Minas, não respondeu até o fechamento desta reportagem.

Serviço

  • Feira do Eldorado: sábados, das 8h às 17h, Avenida João César de Oliveira, próximo ao Centro de Consultas Especializadas (CCE) Iria Diniz. Aos domingos, na Avenida José Faria da Rocha, próximo ao CCE Iria Diniz 
  • Feira de Vargem das Flores: sábados e domingos, das 8h às 17h, na Rua Ápio Cardoso
  • Feira do Amazonas: domingos, na Rua Tiradentes, das 8h às 17h

  • Mercado do Livre Produtor: sábados, das 6h às 14h, na Ceasa Contagem


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade