Publicidade

Estado de Minas

Operação mira organização criminosa que vendia vagas em presídios de Minas

Grupo composto por servidores públicos e advogados também comercializava vagas em determinadas alas e entrada de objetos proibidos


08/10/2020 06:42

Segundo as investigações, Complexo Penitenciário Nelson Hungria era chamado de 'Nelson Alegria' pelos integrantes da organização criminosa(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 25/04/2018)
Segundo as investigações, Complexo Penitenciário Nelson Hungria era chamado de 'Nelson Alegria' pelos integrantes da organização criminosa (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 25/04/2018)


Uma operação desencadeada na manhã desta quinta-feira mira uma organização criminosa comandada por servidores públicos e advogados que vendia vagas em presídios e até em determinadas alas das unidades de Minas Gerais. Ao todo, são cumpridos 29 mandados de prisão preventiva e 45 de busca e apreensão em 15 municípios do estado. 

A ação denominada operação Alegria é realizada pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais (FICCO-MG), composta pelas polícias Civil, Federal, Polícia Penal de Minas Gerais (PPMG) e o Departamento Penitenciário Federal (Depen). 

“As investigações revelaram uma organização criminosa comandada por servidores públicos e advogados que negociavam vendas de vagas em unidades prisionais, vagas em determinados pavilhões, a entrada de objetos não permitidos, dentre outras práticas ilícitas”, detalha a equipe de investigação. “Mediante pagamento repartido entre os líderes da organização criminosa, presos de alta periculosidade eram transferidos indevidamente de unidades, além de serem colocados em alas/pavilhões com benefícios (ao trabalho, por exemplo) a que não teriam direito pelas normas de execução penal”, explica. 

Segundo o Ficco, os investigadores identificaram vários eventos de corrução praticados pelos criminosos, principalmente envolvendo dois presídios da Região Metropolitana de Belo Horizonte. O nome da operação faz referência à forma como os membros da organização chamavam o Complexo Penitenciário de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem: “Nelson Alegria”. 

Os mandados judiciais foram expedidos pela Vara de Inquérito de Contagem e têm alvos em Belo Horizonte, Betim, Contagem, Fervedouro, Francisco Sá, Lagoa Santa, Matozinhos, Muriaé, Ouro Preto, Passo, Patrocínio, Ribeirão das Neves, Uberaba, Uberlândia e Vespasiano.

Ainda segundo o Ficco, os presos são investigados por participação em organização criminosa, corrupção ativa, passiva e concussão. Somadas, as penas podem chegar a 20 anos de prisão. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade