Publicidade

Estado de Minas 'EXTREMAMENTE ADEQUADO'

Mesmo com liminar do TJ, governo de Minas mantém volta às aulas presenciais

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, o retorno deve ocorrer nos municípios que estão na última fase do Minas Consciente, a onda verde


06/10/2020 12:51 - atualizado 06/10/2020 14:06

(foto: Rede Minas/Reprodução)
(foto: Rede Minas/Reprodução)
No dia em que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais concedeu liminar suspendendo a volta às aulas presenciais na rede pública estadual, o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, afirmou que o protocolo sanitário de retorno é "extremamente adequado". Sem fazer menção à decisão contrária da Justiça, Carlos Eduardo disse que o protocolo prevê o retorno das aulas nas escolas instaladas em municípios na onda verde do programa Minas Consciente.
 
Carlos Amaral acrescentou que o protocolo apresenta regras de segurança para todos os momentos de presença do aluno na escola, no transporte, distanciamento nas salas de aula e uso dos banheiros. Ele afirmou que o retorno será gradual, o que significa que não ocorrerá a retomada de todas as turmas ao mesmo tempo. Garantiu que a rede estadual está se preparando e que haverá distribuição de equipamentos de proteção individual (EPIs) para todos os servidores. Segundo ele, como haverá o retorno de poucas turmas, as escolas não ficarão cheias.
 
Carlos Eduardo afirmou que o protocolo prevê uma tripla checagem: do governo, das prefeituras locais e dos pais. Segundo ele, o documento foi elaborado conjuntamente pela Secretaria de Estado de Saúde e pela Secretaria de Estado da Educação. "Em nível estadual, temos condicionantes. Só poderemos retornar às aulas, quando estivermos na onda verde, quando dermos passos eficientemente grandes para demonstrar que a pandemia está caindo nas regiões", afirmou.
 
Ele mais uma vez comentou que os prefeitos devem avaliar o cenário local para autorizar a retomada e disse que, mesmo com a liberação dos municípios, ainda há o crivo dos pais. "O terceiro nível é o controle parental. Os pais têm que avaliar o retorno do filho, se tem risco", disse. Cabe aos pais avaliar os riscos que o retorno das crianças às escolas pode representar para a família. O secretário destacou ainda que haverá uma avaliação semanal para medir o impacto da retomada das aulas presenciais. 

"O retorno às aulas é baseado em trabalho intenso e longo tanto da Secretaria de Estado de Saúde, assim como da Secretaria de Estado de Educação, que acompanharam, nos últimos três meses, as melhores práticas do mundo", afirmou. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade