Publicidade

Estado de Minas NOVO BOLETIM

Aumenta carga de coronavírus nos esgotos de BH, e estimativa de casos salta para 220 mil

De acordo com o relatório, crescimento do contágio pela doença na capital mineira ainda não pode ser garantido, apesar do salto de quase quatro vezes na estimativa de infectados em relação à semana anterior


02/10/2020 20:54

Amostras do Ribeirão do Onça, em BH, servem para estudo conduzido por pesquisadores de diferentes órgãos(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Amostras do Ribeirão do Onça, em BH, servem para estudo conduzido por pesquisadores de diferentes órgãos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

 
A estimativa de pessoas infectadas pelo novo coronavírus em Belo Horizonte aumentou quase quatro vezes em uma semana, tendo como base o monitoramento feito por especialistas nos esgotos da capital. Um novo relatório sobre o tema foi divulgado nesta sexta-feira (2).

De acordo com o estudo, 220 mil pessoas podem ter sido infectadas pelo vírus na capital mineira. Na semana passada, essa estimativa era de 60 mil – um crescimento de 266%.

Ainda assim, o estudo ressalta que não é possível garantir que esse aumento seja fruto da flexibilização do comércio na cidade. Tudo vai depender se a tendência de crescimento terá continuidade na próxima semana. 

“Este valor deve ser observado com atenção, em especial à luz do resultado a ser obtido na próxima semana, pois pode indicar um aumento da circulação do vírus em Belo Horizonte”, informa o documento. 

O levantamento leva em consideração as bacias do Arrudas e do Onça. Os pesquisadores detectaram um maior crescimento na concentração do vírus sobretudo nas regiões Venda Nova e Norte. 

As amostras foram coletadas entre 21 e 25 de setembro em Belo Horizonte e em Contagem.

Cidade vizinha


Em Contagem, na Grande BH, o aumento na estimativa de infectados foi ainda maior: de 20 mil para 80 mil – crescimento de 300%. 

Essa foi a segunda maior estimativa de diagnosticados na cidade desde a semana epidemiológica 31, entre 27 e 31 de julho.

A mesma ressalva quanto à amostragem também se estende a Contagem, informa o estudo. 

“Cabe destacar, novamente, a importância de se interpretar esse valor juntamente com o resultado a ser obtido na semana epidemiológica 40 (o próximo balanço), a fim de observar eventual tendência de aumento na estimativa da população infectada”, esclarece o texto.

A pesquisa


O projeto-piloto é uma iniciativa conjunta da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (INCT ETEs Sustentáveis/UFMG).

Esses órgãos contam com a parceria da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade