Publicidade

Estado de Minas LESTE DE MINAS

Jovem é presa por simular assalto e estupro para ganhar engajamento social

Mulher, de 21 anos, é de Governador Valadares, mas estava em Ipatinga quando disse à polícia que havia sido violentada. Caiu em contradição e confessou a farsa


22/09/2020 18:48 - atualizado 22/09/2020 19:38

Um dos stories postados pela mulher que fez a falsa comunicação de crime mostra um policial na UPA do Canaã(foto: Reprodução/Instagram)
Um dos stories postados pela mulher que fez a falsa comunicação de crime mostra um policial na UPA do Canaã (foto: Reprodução/Instagram)
Na tentativa de conquistar seguidores em sua conta no Instagram, uma jovem de 21 anos, de Governador Valadares, fantasiou uma situação inusitada. Ela estava em Ipatinga, no Vale do Aço, e chegou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Bairro Canaã, chorando muito e toda ensanguentada, alegando que havia sido assaltada e estuprada, na segunda-feira (21/9). Contou a história aos funcionários da UPA, que chamaram a polícia para as providências necessárias: fazer um rastreamento e prender os autores do crime.

A polícia chegou à UPA e ouviu da mulher que ela estava em uma festa, em um hotel de Ipatinga. Quando a festa, acabou ela decidiu voltar para casa, em Governador Valadares. Foi para a rodoviária de Ipatinga e, para fazer uma viagem mais rápida, entrou em um táxi clandestino, que seguiu viagem.

Porém, no trajeto, segundo a jovem, o motorista a agrediu fisicamente, a estuprou e roubou sua bolsa com carteira, documentos e outros pertences.

Os policiais iniciaram, então, as buscas para identificar o táxi e o motorista agressor. No Boletim de Ocorrência da Polícia Militar de Ipatinga, os policiais relataram que “durante as diligências, no intuito de identificar e localizar o autor dos crimes, foram levantadas imagens de câmeras e verificadas diversas testemunhas”. Mas nada fazia sentido.

As informações prestadas pela jovem eram inconsistentes, segundo a Polícia Militar.

Os policiais voltaram e conversaram com a mulher novamente, colhendo mais informações. Nervosa com tantas perguntas, ela admitiu ter inventado toda a história.

Objetivo era causar comoção


A mulher disse que rasgou as roupas, manchou o rosto e o colo com sangue e gravou um vídeo pedindo ajuda. O vídeo foi publicado em sua conta no Instagram com o objetivo de causar comoção e ganhar seguidores.

Segundo a Polícia Militar, a moça disse que queria “aumentar seu engajamento social”. 

Amigos da moça que fez a falsa comunicação de crime à Polícia Militar de Ipatinga e que moram em Governador Valadares disseram que ela já fez coisas bizarras para ganhar seguidores em suas redes sociais.

Um desses amigos, que não quis se identificar, disse que, quando assistiu ao vídeo, logo desconfiou que era golpe.

Mesmo assim, penalizado, afirmou ter enviado mensagem para ela, mas não obteve resposta. Ele disse que baixou os stories nos quais ela pedia socorro, que foram apagados depois de descoberta a farsa.

A moça foi presa e assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por comunicação falsa de crime.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade