Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Das 18 barreiras sanitárias instaladas em vias públicas de BH, apenas duas seguem operando

Decreto publicado em maio citava 18 pontos de fiscalização sanitária em ruas, avenidas e rodovias que dão acesso à cidade. Objetivo era frear a disseminação do novo coronavírus e manter a capital entre aquelas com menor incidência de casos de contaminação


11/09/2020 19:15 - atualizado 11/09/2020 19:34

Segundo decreto municipal, as barreiras foram instaladas em caráter temporário e excepcional (foto: Leandro Couri/EM DA Press)
Segundo decreto municipal, as barreiras foram instaladas em caráter temporário e excepcional (foto: Leandro Couri/EM DA Press)
Das 18 barreiras sanitárias instaladas em maio deste ano, em ruas, avenidas e rodovias que dão acesso à Belo Horizonte, apenas duas seguem operando, mas em dias alternados: na Avenida Cristiano Machado, Região Norte da capital, e na Avenida Pedro I, Região de Venda Nova.

A fiscalização por meio das barreiras sanitárias foi adotada como medida mais rigorosa para frear a disseminação do novo coronavírus e manter a cidade entre aquelas com menor incidência de casos de contaminação pela COVID-19.

Um decreto publicado em 15 de maio, assinado pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), regulamenta a medida que teve início no dia 18 do mesmo mês. O texto diz que a instalação das barreiras foi dada em caráter temporário e excepcional, mas não especifica o prazo para o término das abordagens.

Nas barreiras que ainda estão em funcionamento, os agentes podem entrevistar pessoas que desejam entrar na capital, além da aferir a temperatura corporal de motoristas e passageiros, já que a febre é um dos principais sintomas da COVID-19. A partir das informações coletadas e dos sintomas apresentados, os servidores podem, até mesmo, encaminhar essas pessoas à unidades do sistema de saúde. 

De acordo com a Prefeitura de BH, 620.522 veículos foram abordados até a última quarta-feira (9), e 1.258.268 pessoas foram avaliadas, sendo que 2.792 delas resultaram em encaminhamentos para unidades de saúde, uma vez que os usuários estavam com sintomas de coronavírus. 

Novos locais de fiscalização 

Segundo a PBH, em 13 de julho, foi iniciada a fiscalização nas seis estações de ônibus da cidade: Barreiro, Diamante, Pampulha, São Gabriel, Venda Nova e Vilarinho e, que permanecem em atuação. “A ação é avaliada e monitorada diariamente e, se necessário, os pontos de fiscalização podem ser ampliados e também alterados”, afirmou a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde.

O primeiro ponto de inspeção em terminais foi instalado na Estação São Gabriel, Região Nordeste da capital, no dia 13 de julho. Quem passa pela estação tem à disposição dispensers com álcool a 70%, além de passarem por aferição de temperatura e por um questionário feito por profissionais ligados à Secretaria Municipal de Saúde, assim como é feito nas barreiras sanitárias.

Nas estações, foram realizadas 498.283 abordagens até a última quarta-feira (9),  sendo que 469 resultaram em encaminhamentos para unidades de saúde.

Também de acordo com a PBH, “a ação tem o objetivo de fazer um rastreamento clínico e, consequentemente, identificar pessoas com sintomas respiratórios ou que tenham tido contato com casos suspeitos ou confirmados da COVID-19”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade