Publicidade

Estado de Minas DESACELERAÇÃO

COVID-19: prefeitura de Montes Claros diz que o pior já passou

Com base em dados da UFMG, secretária de Saúde, Dulce Pimenta, afirma que número de novos casos na cidade deve entrar em queda


01/09/2020 19:59 - atualizado 01/09/2020 20:39

Hospital de campanha instalado na UPA Chiquinho Guimarães, em Montes Claros(foto: Fábio Marçal/Divulgação)
Hospital de campanha instalado na UPA Chiquinho Guimarães, em Montes Claros (foto: Fábio Marçal/Divulgação)

 
A secretária municipal de Saúde de Montes Claros (Norte de Minas), Dulce Pimenta, informou nesta terça-feira (1º/9) que levantamento estatístico sobre o novo coronavírus aponta que a cidade já atingiu o pico da pandemia e entrou numa curva descendente de novos casos da doença.

Com a sexta maior população do estado (413,34 mil habitantes), Montes Claros é a primeira grande cidade do interior de Minas a anunciar ter alcançado, por meio de dados estatísticos, o pico da COVID-19 e entrar em fase de queda de diagnósticos – embora ainda dependa de confirmação, na prática, pelo cálculo da chamada média móvel.
 
Dulce Pimenta lembra que por enquanto foram feitos somente cálculos estatísticos sobre a probabilidade de o município ter alcançado o pico e entrado numa fase de diminuição de novos casos. As contas são feitas pelo Departamento de Estatística da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a partir de parceria com a prefeitura local. 

Na prática, esclarece a secretária, a curva descendente só poderá ser confirmada após a redução da média móvel (calculada em cima da quantidade diária de novos casos) ao longo de 14 dias, comparada com a média móvel do mesmo intervalo de tempo anterior.  

“Teremos que aguardar o período de 14 dias para ver se a tendência (de queda) se confirma. Temos que observar (no período) se os números realmente vão confirmar essa previsão de que estamos no pico e numa curva descendente”, disse Dulce.
 
Dulce Pimenta afirmou ainda que a Secretaria de Saúde do município recebe da UFMG análises sobre os números da pandemia na cidade semanalmente, a cada segunda-feira. 

“A previsão que recebemos ontem (segunda-feira/31) é que já estamos na curva decrescente, que estamos caindo. O que isso significa? Significa que, pela previsão estatística, vamos ter uma diminuição da incidência de casos. Uma diminuição do crescimento da COVID-19 em Montes Claros”, destacou.

“Vamos continuar tendo novos casos da doença, mas numa curva decrescente. Se essa previsão se concretizar, vai ser muito bom”, completou a secretária.
 
Até esta terça, de acordo com Dulce Pimenta, a cidade-polo do Norte de Minas registra 5.444 casos e  81 mortes provocados pelo coronavirus. Além disso, 4.608 pacientes se recuperam da doença na cidade, que, atualmente, tem taxa de ocupação de 60% leitos de Unidade de Terapia intensiva (UTI) e de 75% de leitos clínicos. 


Grupo de risco 

A secretária de Saúde de Montes Claros salienta ainda que o município vem conseguindo manter as  taxas de ocupação de leitos de UTI e clínicos “dentro de um limite confortável”. Lembra que Montes Claros também um índice de mortalidade e letalidade pela COVID-19 baixo em comparação com as taxas do estado, do país e de outros municípios do mesmo porte.
 
No entanto, ela afirma que os fatores positivos no enfrentamento da pandemia não significam que o município deverá afrouxar, agora, as medidas preventivas e o isolamento social contra a transmissão do coronavírus: “Ainda não é o momento de relaxar com os cuidados (preventivos) para não corrermos o risco de ter um retrocesso". 

Dulce Pimenta ressalta também que, no momento que as estatísticas apontam para redução da incidência da COVID-19 no município, a Secretaria de Saúde de Montes Claros reforça atenção para proteção dos grupos de risco. 

“Mesmo que a gente tenha um decréscimo de novos casos (de coronavirus), precisamos ficar atentos em relação aos óbitos, principalmente, da população vulnerável, formada apor pessoas acima de 60 anos e por pessoas com comorbidades”, afirmou.

“A mensagem que deixamos nest momento é para ficarmos atentos e reforçarmos as medidas de proteção das pessoas que fazem parte do grupo de risco, principalmente, idosos. Temos  evitar que o vírus seja levado para dentro dos domicílios e venha ser transmitido para as pessoas do grupo de risco, que têm maior chance de agravamento e de óbito”, enfatizou Dulce Pimenta. 

Situação no Estado


Na noite desta terça-feira, a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) informou que em relação ao cenário da pandemia do coronavírus no estado, no momento, ainda não é possível afirmar quanto a uma queda do platô.  

“Para uma análise mais precisa, é necessário que os dados sejam analisados por meio de uma série histórica. No entanto, já podemos verificar, nesta última semana epidemiológica, uma redução no número de óbitos e o RT abaixo de 1, que são bons indicadores”, divulgou a pasta.

A pasta informou ainda que, para que  ter uma avaliação precisa do cenário de Montes Claros, necessitará dos dados do Programa Minas Consciente, que serão publicados nesta quarta-feira (2).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade