Publicidade

Estado de Minas CORRUPÇÃO

Agente é preso por guardar inventário para facilitar fuga de detentos da Nelson Hungria

Homem contratado pelo governo de Minas guardava três telefones celulares, oito serras, pastas adesivas e isolantes, balões, armas de fogo e munição. Material seria repassado aos prisioneiros da unidade 1 do complexo


28/08/2020 19:53 - atualizado 28/08/2020 20:17

 

Considerado de segurança máxima, Nelson Hungria é principal presídio da Grande BH(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Considerado de segurança máxima, Nelson Hungria é principal presídio da Grande BH (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

 

Um agente penitenciário contratado pelo governo de Minas foi preso nessa quinta-feira (27) com um verdadeiro inventário para facilitar a fuga de detentos do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH.

 

Identificado pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) como Weslei Gomes Barbosa, de 34 anos, o agente foi detido em flagrante no presídio Contagem 1, que faz parte do complexo da Nelson Hungria.

 

Segundo o boletim de ocorrência ao qual a reportagem teve acesso, ao perceber que era vigiado, o homem tentou se desfazer do inventário ao jogá-lo em uma cela.

 

Mas, ainda assim, foi preso. Já havia várias denúncias contra ele, que eram investigadas pela Assessoria de Informação e Inteligência da Nelson Hungria.

 

Com o preso, os agentes responsáveis pela detenção apreenderam dois celulares, cola, massa plástica e dois balões (geralmente usados para esconder drogas por boiarem em superfícies líquidas).

 

No carro e no armário de Weslei, ainda encontraram oito serras, mais balões, fitas adesivas e isolante, uma bolsa com fundo falso, outro celular, duas armas e munições.

 

O agente foi autuado em uma delegacia de Contagem. Segundo fontes ligadas ao sistema prisional, ele seria levado para o presídio de Matozinhos, também na Grande BH.

 

De acordo com a Sejusp, Weslei foi denunciado por "corrupção passiva, prevaricação e porte ilegal de arma".

 

A pasta ainda informou que "não compactua com qualquer desvio de conduta de seus servidores e que toda ação inadequada é apurada com o rigor e a celeridade exigidos, respeitando sempre o direito à ampla defesa e ao contraditório".

 

Outro caso

 

Esse é o segundo caso de corrupção na Nelson Hungria só neste mês de agosto. No dia 18, o coordenador de segurança da unidade também foi detido, conforme antecipado pelo Estado de Minas.

 

De acordo com a Sejusp, ele foi detido ao tentar entrar no presídio com drogas e telefones celulares.

 

Segundo fontes ouvidas pela reportagem, o homem é servidor efetivo desde 2017. Essas pessoas, contudo, deram uma versão diferente do Estado: o coordenador de segurança recebeu voz de prisão dos colegas policias penais ao tentar entregar 95 gramas de maconha, 60 de cocaína e três celulares a um detento responsável pela limpeza do anexo 1 da unidade.

 

Ainda de acordo com as mesmas fontes, o homem exerceu, antes, o cargo de agente socioeducativo contratado. Ele trabalhava no centro localizado no distrito de Justinópolis, em Ribeirão das Neves, também na Grande BH.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade