Publicidade

Estado de Minas PROCESSO

Soda cáustica no refrigerante: casal vai ser indenizado em R$ 16 mil

Frutty Refrigerantes alega que é a palavra dos dois contra a da empresa e afirma que vai recorrer da decisão


26/08/2020 14:52 - atualizado 26/08/2020 15:33

Empresa de refrigerantes deve indenizar casal em R$ 16 mil por danos morais(foto: Divulgação/TJMG)
Empresa de refrigerantes deve indenizar casal em R$ 16 mil por danos morais (foto: Divulgação/TJMG)
Ao consumir refrigerante, um casal de Campos Gerais, no Sul de Minas, notou um gosto diferente. De acordo com o casal, eles passaram mal depois de consumir um refrigerante da empresa Frutty Refrigerantes Ltda. Relataram que, assim que beberam o líquido, sentiram a garganta queimar, mas só notaram depois a cor amarelada da bebida e um forte cheiro de soda cáustica.
 
Após serem constatados traços de soda cáustica na bebida, eles entraram na Justiça contra a empresa. O produto é usado na indústria para fabricação de detergente e biodiesel, entre outros. A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu por uma indenização de R$ 8 mil para cada um por danos morais
 
Na primeira instância, o pagamento ficou definido em R$ 6 mil para a mulher, que consumiu maior quantidade da bebida. Tanto o casal, quanto a empresa, porém, recorreram dessa decisão.

Já em segunda instância, a relatora, desembargadora Juliana Campos Horta, alegou que as provas apresentadas confirmam o defeito no produto. Ela também destacou a necessidade de atendimento médico depois de o casal ter ingerido a bebida.

Ela defendeu a indenização por danos morais, já que a situação causou desconforto considerando a possibilidade de contaminação e dano à saúde. Por isso, a magistrada modificou a sentença e determinou o pagamento de R$ 8 mil para cada um dos consumidores. 

Acompanharam o voto da relatora os desembargadores Saldanha da Fonseca e Domingos Coelho.

A reportagem do jornal Estado de Minas procurou a empresa Frutty Refrigerantes Ltda e, segundo o diretor, Rodrigo Vilela, nada foi provado ainda e na Justiça é a palavra do casal contra a da empresa. “Não faz sentido a pessoa tomar soda cáustica de uma empresa que fabrica 10 mil garrafas de 2 litros por hora ou então 15 mil garrafas de 200ml por hora e só uma ter encontrado o produto”, defendeu.
 
*Estagiária sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade