Publicidade

Estado de Minas IDOSOS EM RISCO

Surto de COVID-19: MP pede que prefeitura de Ouro Preto intervenha em asilo

Lar São Vicente de Paulo, que abriga idosos na cidade, já contabiliza 55 casos da doença entre moradores e funcionários


19/08/2020 17:35 - atualizado 19/08/2020 21:38

Lar São Vicente de Paulo em Ouro Preto (foto: Lar São Vicente de Paulo/Divulgação )
Lar São Vicente de Paulo em Ouro Preto (foto: Lar São Vicente de Paulo/Divulgação )

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou nesta terça-feira (18) uma ação pedindo à Justiça que a prefeitura de Ouro Preto ofereça apoio ao Lar São Vicente de Paulo, que passa por um surto da COVID-19.


Em nota, o presidente da instituição, Geraldo Magela Caetano, informou que o surto já atingiu 35 moradores, resultando em quatro óbitos. Duas dessas mortes aconteceram na última segunda-feira (17). 


Entre os funcionários, 20 já foram contaminados, sendo que cinco continuam em isolamento domiciliar.

 

Após a primeira morte por COVID-19 no Lar São Vicente de Paulo, ocorrida em 26 de julho, a instituição teria procurado a Secretaria de Saúde de Ouro Preto para estabelecer estratégias de controle da proliferação do vírus.

 

De acordo com o texto da ação do MPMG, o município ainda não ofereceu uma resposta efetiva para a demanda da instituição. Ainda segundo o MPMG, é preciso que “o município disponibilize local reservado ao alojamento de idosos abrigados com suspeita ou efetivamente contaminados pelo novo coronavírus”.  

 

A ação, de autoria do Ministério Público ainda pede que a administração municipal seja obrigada a oferecer Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e itens de higiene para os funcionários do Lar São Vicente de Paulo, além de treinamento para evitar a disseminação do vírus entre os moradores.

 

O secretário de Saúde de Ouro Preto, Paulo Marcos Xavier, esclareceu que as ações descritas pelo MPMG, são proposições da própria Secretaria de Saúde do município. O secretário acrescentou ainda que já havia um plano de ação em curso, e que nesta quarta-feira (19), foi concluído um termo de cooperação entre a administração municipal e o Lar São Vicente de Paulo. 

Possível negligência

Em nota divulgada, o presidente do Lar São Vicente de Paulo afirmou que o primeiro caso de COVID-19 na instituição surgiu no final de julho. Um morador precisou de atendimento médico no dia 9 julho, em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) em Ouro Preto.

 

Na ocasião, os acompanhantes do paciente teriam indagado o médico que prestou atendimento sobre a necessidade da realização de um teste para a COVID-19. O profissional teria dito que não havia indicação clínica para tal, uma vez que o caso seria de infecção urinária.

 

O morador da instituição ficou internado na Santa Casa de Misericórdia até o dia 17 de julho, quando recebeu alta e retornou para seu quarto, permanecendo em isolamento. No dia 26 julho, o idoso apresentou piora clínica, falecendo no mesmo dia. Após o óbito, o teste para a COVID-19 foi realizado e o resultado foi positivo.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade