Publicidade

Estado de Minas ESTELIONATÁRIA

Mulher tenta dar golpe e vender testes de COVID-19 ao estado

Estado iniciou investigação depois que servidora denunciou uma tentativa de corrupção por parte da suspeita, que ofereceu propina no negócio


postado em 10/07/2020 21:28 / atualizado em 10/07/2020 22:00

De acordo com a polícia, proposta da golpista era vender 1 milhão de testes rápidos ao governo por R$ 134(foto: Reprodução/Polícia Civil)
De acordo com a polícia, proposta da golpista era vender 1 milhão de testes rápidos ao governo por R$ 134 (foto: Reprodução/Polícia Civil)

 

A Polícia Civil identificou uma mulher acusada de tentar dar um golpe para venda de testes rápidos para detecção de anticorpos do novo coronavírus ao governo de Minas Gerais durante a pandemia. A suspeita ainda ofereceu propina a uma servidora da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) para garantir que seria vencedora da licitação.

 

De acordo com a polícia, documentos e informações obtidas em uma operação ocorrida na semana passada nas cidades de São Paulo e Goiânia indicam que a mulher planejava vender 1 milhão de exames ao governo.

 

Ela se passou por funcionária de uma empresa especializada na fabricação do produto. Na proposta apresentada pela golpista, cada teste custaria R$ 134 aos cofres públicos – o que totalizaria R$ 134 milhões.

 

Para garantir a escolha dessa proposta, a mulher chegou a oferecer propina a uma servidora da Seplag. Essa funcionária pública receberia entre R$ 5 e R$ 8 no esquema, um montante milionário.

 

Contudo, essa servidora avisou aos seus superiores e o assunto chegou até a o Controladoria-Geral do Estado. Esse órgão acionou a polícia, que começou as investigações no início do mês.

 

Na operação, realizada nas capitais de São Paulo e Goiás, a polícia conseguiu recuperar documentos e materiais relacionados aos crimes.

 

“Encontramos diversos cartões, com várias contas bancárias, mecanismos de armazenamento diversos e também conseguimos recuperar a imagem da conversa, via aplicativo de mensagem, em que a investigada oferece propina para a servidora do Estado”, detalhou o delegado Gabriel Ciríaco.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade