Publicidade

Estado de Minas Sob tensão

COVID-19: Surto de casos na Assembleia de Minas preocupa servidores

Desde o início da pandemia, 12 funcionários foram infectados e precisaram se ausentar das atividades. Nenhum dos 77 deputados contraiu o vírus


postado em 10/07/2020 18:54 / atualizado em 10/07/2020 19:29

Pouca ventilação no plenário de votação é motivo de preocupação para servidores(foto: Guilherme Dardanhan/ALMG)
Pouca ventilação no plenário de votação é motivo de preocupação para servidores (foto: Guilherme Dardanhan/ALMG)
Mesmo com muitas áreas em regime de teletrabalho, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) contabilizou nesta semana o 12º caso de coronavírus entre os servidores. Segundo boletim diário divulgado pela Casa, um novo funcionário apresentou sintomas da doença nos últimos dias e já foi afastado. Nenhum dos 77 deputados está entre os contaminados, já que a maioria das votações tem sido feita em sistema remoto. O aumento de casos já causa apreensão entre os funcionários que trabalham de forma presencial.
 
O primeiro caso de COVID-19 na Assembleia foi confirmado em 6 de junho. A servidora, cujo nome e idade não foram divulgados, estava trabalhando efetivamente na Casa e não apresentou sintomas.

A ALMG registrou pessoas infectadas em vários gabinetes, como a Secretaria Geral da Mesa e o sistema de informática. 

Muitos funcionários já comparecem ao consultório para passar por testes. Nesta semana, um policial legislativo se submeteu ao procedimento depois de entrar em contato com um colega cujo resultado deu positivo.

"Ficamos preocupados. O prédio não tem uma condição muito adequada, porque não ventila muito e não contamos com janelas. O plenário de votação fica no subsolo, o que traz apreensão para todos", conta um servidor, que prefere não se identificar. 

Ainda que as medidas de segurança sejam adotadas, a tendência, acreditam os funcionários, é pelo aumento de casos.

Outra servidora que também optou pelo anonimato diz que observa várias reclamações acerca das normas de segurança: “O que nos preocupa muito é o aumento significativo de pessoas no prédio, já que o trabalho das comissões cresceu. Há muitos terceirizados, o pessoal da consultoria, além de limpeza e o pessoal da TV. Tem setores que optam por escala mínima, mas outros mantêm escala original e muitos ficam sem ter o que fazer”.

Em contato com o Estado de Minas, a ALMG não esclareceu se os infectados são pessoas que trabalhavam diariamente na Casa ou que já estavam em home office e apresentaram sintomias.

“Os casos registrados na Assembleia são os que foram notificados à Gerência-Geral de Saúde Ocupacional, independentemente de se tratarem de servidores que estão em trabalho remoto ou presencial”, diz a nota.

Reforma da Previdência


A expectativa era de que a Assembleia entrasse em recesso parlamentar neste sábado, até o dia 31, mas a tramitação da Reforma da Previdência, apresentada pelo governador Romeu Zema (Novo), pode adiar a pausa, o que gera mais preocupação.

Em 25 de março, foi adotado o sistema de votações remotas. A medida foi tomada para reduzir a circulação de pessoas na Casa durante a pandemia e para apreciação de medidas urgentes, sobretudo relacionadas ao novo coronavírus.

Desde então, os parlamentares têm aprovado projetos de leis que reconhecem a calamidade pública e a situação de emergência em cidades do interior por causa da pandemia. 

"Todas essas medidas são reavaliadas permanentemente, para garantir a preservação da saúde não só de servidores, deputados e prestadores de serviço, mas de toda a população”, diz a Assembleia, em nota.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade