Publicidade

Estado de Minas VIDA SAUDÁVEL

Horta cultivada na Paróquia São José é oásis no Centro de Belo Horizonte

Cuidada por párocos do Convento São José, a horta produz legumes, hortaliças e frutas para consumo dos religiosos que moram no local


10/07/2020 06:00 - atualizado 10/07/2020 07:38

Nos canteiros ao lado do convento são cultivados alface, rúcula, almeirão, agrião, salsa, cebolinha, hortelã e manjericão, entre outros(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Nos canteiros ao lado do convento são cultivados alface, rúcula, almeirão, agrião, salsa, cebolinha, hortelã e manjericão, entre outros (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


O vaivém caótico e frenético da Avenida Afonso Pena, no coração de Belo Horizonte, Região Centro-Sul da capital mineira, esconde uma horta centenária, que desafia a passagem do tempo e relembra a tradição interiorana dos pomares nos quintais. Esse oásis, que passa despercebido em meio ao mar de concreto, onde imperam edifícios do entorno, como o imponente Acaiaca, conta com mais de 20 variedades de frutas e hortaliças – entre elas, três mangueiras de cerca de 15 metros – tudo cultivado com muito carinho e dedicação no jardim da Paróquia São José.

O olhar atento e o trabalho diário do padre Flávio Campos, que cuida da horta desde que chegou à paróquia, há 8 anos, vem gerando frutos doces e suculentos para a alimentação dos religiosos que vivem no Convento São José. “Tem jabuticabeira, pitangueira, bananeira, resquício do passado, quando toda casa tinha um quintal, uma horta de subsistência. Mantemos aqui o costume de cultivar frutas e verduras para consumo próprio”, explicou o padre, destacando que, há três semanas, vem comendo as bananas do pomar da paróquia, localizada a poucos metros da Praça Sete.

Visitantes ilustres do local, pardais e bem-te-vis se alimentam dos frutos e, como agradecimento, cantam pelos jardins, em contraste com as buzinas do trânsito. Segundo o pároco, além de chamar a atenção dos pássaros, a horta desperta a curiosidade de fiéis e de vizinhos de um prédio em frente, que costumam contemplar, pela janela, a exuberância da natureza que brota ali. Ele conta, ainda, que o irmão Pedro, também responsável pelos cuidados com a horta, costuma doar mudas para a comunidade.
 
Quando perguntado sobre a variedade de produtos cultivados, o religioso, que nunca havia contabilizado as espécies, listou uma série de alimentos; alface, rúcula, almeirão, agrião, salsa, cebolinha, hortelã, manjericão, alecrim, coentro, feijão, jabuticaba, banana, mamão, goiaba, acerola, pitanga, manga e uma fruta exótica brasileira, nativa da Amazônia, chamada abiu, que, segundo ele, tem uma viscosidade na casca que incomoda quem não sabe como comê-la.

O irmão Pedro, também responsável pelos cuidados com a horta, costuma doar mudas para a comunidade(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O irmão Pedro, também responsável pelos cuidados com a horta, costuma doar mudas para a comunidade (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Fotos antigas, que contam a história dos 120 anos da paróquia, mostram também espécies cultivadas no local, como o pé de louro, as bananeiras, o pé de pitanga, a horta e os canteiros já demarcados. “É inusitado. Um dos metros quadrados mais caros da cidade, quem vai gastar para plantar alface? Esse tipo de coisa não sobreviveu ao passar dos anos”, brincou.

Quarentena

Antes de se mudar para o convento, padre Flávio conta que nunca havia cultivado uma horta, mas tomou gosto pela coisa, e durante a quarentena, com a maior disponibilidade de tempo, tem dado ainda mais atenção aos pomares. “É quase uma terapia ocupacional. Ajuda a passar o tempo. Parece um sítio, uma pequena chácara no Centro de Belo Horizonte, onde temos à disposição produtos fresquinhos e saudáveis. A horta é orgânica, a gente não usa agrotóxicos, as folhas são sempre mais verdinhas e crocantes”.

Para o pároco, o segredo de tanta fartura está no trabalho diário. “Eu acho que é como o ditado, o olho do dono que engorda o gado. Todos os dias eu vou lá, pelo menos para ver se tem formiga, se tá bem molhado. O olhar é fundamental”, destacou. *Estagiária sob a supervisão de Enio Greco


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade