Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Coronavírus: Aeroporto de Confins recebe cerca de 2 milhões de testes rápidos

Carga foi importada por duas empresas e chegou por volta das 13h30 na capital mineira


postado em 01/06/2020 17:31 / atualizado em 01/06/2020 18:38

(foto: Divulgação/Azul Linhas Aéreas)
(foto: Divulgação/Azul Linhas Aéreas)
O terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte recebeu, nesta segunda-feira (1), um segundo voo vindo da China com itens essenciais para o combate ao novo coronavírus.  Entre eles, um lote com cerca de 2 milhões de testes rápidos para detecção de COVID-19 importando por duas empresas. A carga chegou por volta das 13h30 na capital mineira.
 
“Mais uma vez, o aeroporto reforçou seu compromisso em apoiar o transporte de recursos relacionados às ciências da vida. Temos uma localização privilegiada e muito a contribuir neste momento delicado pelo qual passa a população mundial. Em meio à pandemia do coronavírus, o modal aéreo é, mais do que nunca, fundamental para a celeridade e segurança no transporte de cargas essenciais ao combate da doença. Temos toda a infraestrutura e seguimos rigorosamente todas as normas técnicas de manuseio desses insumos”, explicou Rafael Laranjeira, gestor Executivo de Soluções Logísticas da BH Airport.
 
O voo fretado da Azul Cargo Express partiu do Aeroporto Internacional de Qingdao Liuting, na província de Shandong, e fez escala em Amsterdã, na Holanda. O avião de modelo Airbus A330-9000 neo teve todo o espaço utilizando, desde o porão até os assentos. A empresa não informou onde serão utilizados os testes, mas pelo menos uma parte deve ser encaminhada a um laboratório do estado.
  
No começo de maio, um voo com origem de Guangzhou pousou em Confins com 1,46 milhão de testes rápidos. Os itens, na ocasião, foram adquiridos pela Celer Biotecnologia da Wondfo. Os equipamentos abasteceram o estoque de oito prefeituras do interior de minas, além do governo do estado da Paraíba e do Hospital Sarah Kubitschek, mais conhecido como Rede Sarah, em Brasília.

Desta vez o material foi comprado por duas empresas. Uma delas é a Cepalab, que é especializada na importação e comercialização de produtos para saúde. A carga, teve operação logística assinada pela ES Logistics.

Segundo o diretor da ES Logistics, Evandro Ardigó, a operação envolveu negociações em diversos países. “A sincronia é complexa, pois envolve aeroportos, companhia aérea, autarquia de aviação, transportadores e importadores, tudo isso aliado a segurança da tripulação, respeitando as normas da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a segurança de todos”, afirma.
 
*Estagiária sob supervisão da editora Liliane Corrêa
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade