Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Cidade do governador Zema, Araxá registra crescimento de COVID-19

Município tem 12 novas confirmações em um dia. Decreto municipal proíbe mão de obra vinda de outras regiões após empresa anunciar chegada de 900 contratados


postado em 31/05/2020 17:17 / atualizado em 31/05/2020 21:22

Araxá toma medidas preventivas para evitar chegada de grandes grupos de pessoas durante pandemia(foto: pt.wikipedia.org)
Araxá toma medidas preventivas para evitar chegada de grandes grupos de pessoas durante pandemia (foto: pt.wikipedia.org)
A cidade natal do governador Romeu Zema (Novo), Araxá, no Alto Paranaíba, registrou 12 novos casos de contaminação pelo coronavírus em um só dia. A confirmação consta do último Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgado neste domingo (31). Até o momento foram 117 casos e dois óbitos no município. 

Nos dados mais recentes divulgados pelo comitê municipal de enfrentamento ao COVID-19, são 118 testes com resultados positivos. A Secretaria de Saúde da cidade apresentou a última atualização desses números no início da noite de sexta-feira (29), confirmando dois óbitos, 26 recuperados e 90 monitorados. Dez mortes aguardam resultado dos exames.
 
No mesmo dia, o prefeito Aracely de Paula (PR) promulgou Decreto Municipal vedando a contratação de mão de obra de fora da cidade. A decisão é em resposta ao anúncio de uma empresa de fertilizantes que estaria admitindo funcionários temporários vindos de outros pontos do estado e do país. Segundo a prefeitura, seriam em torno 900 pessoas chegando de fora em plena quarentena do coronavírus, o que colocaria em risco as ações de saúde do município no combate à COVID-19.
 
Com população estimada em 106.229 habitantes, em 2019, segundo o IBGE, Araxá contabiliza 1.001 casos notificados de doenças respiratórias, sendo 91 com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 910 de síndrome gripal. Desse total, 301 continuam em fase de investigação. O primeiro infectado na cidade foi um homem de 38 anos, caso registrado em 8 de abril.
 
A população tem à sua disposição 15 leitos de UTI exclusivos para COVID-19 e, até o momento, um se encontra ocupado  (6,67%). Nas enfermarias, com 74 leitos disponíveis, 21,6% (16) estão com pacientes. A rede de saúde municipal disponibiliza aos cidadãos 89 leitos, dos quais 17  estavam preenchidos na sexta-feira (19,10%), um crescimento de internações de 2,25% em relação ao dia anterior.

 
Decreto proíbe entrada de mão de obra

 
A ascendência de casos suspeitos em plena pandemia acontece no momento em que uma empresa anunciou a chegada de trabalhadores temporários, oriundos de diversas partes do país e do estado, para  "manutenção industrial". No programa "Bom dia Prefeito", na manhã de sexta-feira, apresentado em uma emissora de tv local, o chefe do Executivo Aracely de Paula (PR) se declarou preocupado e contrário a esse deslocamento no momento de pandemia.

Sobre o decreto municipal probindo a entrada dessa mão de obra externa, afirmou que não permitirá  "a desobediência, trazendo pânico, insegurança, insatisfação e inverdades como se Araxá fosse uma terra sem representação a nível judicial, policial e administrativo."
 
Aracely se reuniu na quarta-feira (27) com o Comitê de Enfrentamento à COVID-19 para avaliar a situação que classificou como "preocupante". De acordo com publicação na página da prefeitura o procurador-geral do município  Jonathan Renaud de Oliveira Ferreira, a empresa "num procedimento administrativo informou que essa mão de obra já estaria contratada, sendo cerca de 350 funcionários do Estado de São Paulo, 180 da Bahia, 180 de diversos municípios de Minas Gerais, 24 do Piauí,  três do Maranhão,dois do Ceará e um de Goiás, contratando apenas 96 pessoas de Araxá", sob alegação de falta de mão de obra em Araxá. Ele classificou a justificativa de "inverdade, uma vez que essas manutenções já foram realizadas por empresas do município, em anos anteriores."
 
O procurador garantiu que as empresas que descumprirem as determinações podem sofrer punições que vão de multa até a suspensão do Alvará de funcionamento. “Buscamos a proteção da população. Por mais que as pessoas sejam testadas no momento da saída dos seus Estados, elas podem manifestar o vírus aqui em Araxá e queremos evitar que isso aconteça”.
 

Nota da empresa 

 
Em nota, divulgada em 20 de maio, a empresa Mosaic Fertilizantes disse que a manutenção preventiva foi adiada por duas vezes por conta do atual cenário de pandemia, e não pode mais ser alterada por questões de prevenção da saúde e segurança, sendo que sua não realização traria impactos imediatos na operação de algumas unidades industriais e consequente paralisação do complexo.

Diz ainda a nota que os profissionais contratados via SINE serão "preferencialmente de  Araxá" e os vindos de outras cidades "participarão das atividades de forma distribuída e controlada para minimizar os impactos na cidade."
 
A empresa "garante" que os trabalhos com pico previstos para final de julho, não provocarão concentração e que "adota uma política de controle da pandemia de COVID-19 em suas unidades o Brasil", orientando as empresas contratadas para que tomem todas as medidas preventivas e que "todos os contratados realizarão testes para coronavírus antes de saírem de suas cidades e ,ao chegar a Araxá, ficarão em quarentena", e na sequência farão novos testes.  A Mosaic garante que "a liberação para o início dos trabalhos está condicionada à confirmação de ambos os testes negativos." Também os contratados de Araxá serão testados.
 
A nota diz ainda que um plano detalhado com "todas as ações previstas foi apresentado  com antecedência à Secretaria de Saúde da cidade."  A empresa é a maior produtora nacional do ácido fluossilícico, isumo usado no tratamento de água potável. Atua também na produção e comercialização  de nutrição animal e fertilizante.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade