Publicidade

Estado de Minas

Vale entregará nova captação a Pará de Minas em julho

Município teve suspensa a captação de água no Rio Paraopeba após o rompimento da Barragem B1, da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH


postado em 26/05/2020 14:11

Adutora do Rio Pará começa a abastecer Pará de Minas, após rompimento de Brumadinho atingir Rio Paraopeba(foto: Divulgação/Vale)
Adutora do Rio Pará começa a abastecer Pará de Minas, após rompimento de Brumadinho atingir Rio Paraopeba (foto: Divulgação/Vale)
O abastecimento dos 93 mil habitantes do município de Pará de Minas, no Centro-Oeste de Minas Gerais, voltará a ter uma captação de água constante a partir de julho com a ativação da operação no Rio Pará. A ação é uma compensação da mineradora Vale, que após o rompimento da Barragem B1, da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, teve de encontrar uma nova forma de formecimento de água ao município após a suspensão de captações de água no Rio Paraopeba. (Confira vídeo no final)

A expectativa inicial era mesmo de que a captaçõa começasse em julho de 2020. Morreram 270 pessoas no desastre ocorrido em janeiro de 2019 depois de o rompimento ter liberado cerca de 9 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro na bacia do Rio Paraopeba.

A capacidade do novo sistema será de%u202Fpouco mais de 1 milhão de litros por hora, mesma vazão outorgada para o município no rio Paraopeba. A Vale desenvolveu e protocolou junto ao IGAM estudo que verificou a disponibilidade hídrica do rio Pará para subsidiar o pedido de outorga do novo ponto de captação sem prejuízo do curso d’água.

A tubulação implementada terá aproximadamente 47 quilômetros de extensão e será formada por mais de 7 mil tubos de seis a 12 metros a 12 metros de comprimento e diâmetro de 500 milímetros. Com exceção das travessias de rios e córregos, a tubulação será totalmente subterrânea para minimizar os impactos posteriores à obra.

Após a conclusão da obra e com o possível retorno da captação no rio Paraopeba, o município poderá ter sua capacidade outorgada mais que dobrada em relação ao que era antes do rompimento. Quando concluído, o empreendimento será entregue à prefeitura e poderá ser operado remotamente pela Concessionária Águas de Pará de Minas por meio de um sistema completo de automação instalado.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade