Publicidade

Estado de Minas

Projeto reúne profissionais da fotografia em ação solidária; fotógrafos do Estado de Minas estão presentes

A primeira meta do projeto Fotografias por Minas é arrecadar R$ 60 mil para serem divididos entre as cinco primeiras entidades selecionadas


postado em 22/05/2020 12:23 / atualizado em 22/05/2020 17:11

Em meio à pandemia do novo coronavírus, um grupo de fotógrafas e fotógrafos mineiros se uniu para uma iniciativa solidária em prol de entidades e grupos sociais impactados pelo novo coronavírus. 

Tendo como inspiração ações realizadas por profissionais da fotografia em lugares como São Paulo e Bérgamo, na Itália, surgiu o projeto Fotografias por Minas.

A iniciativa foi lançada na quinta-feira e prosseguirá até 12 de junho. O projeto já conta com a adesão de mais de 300 participantes, profissionais de renome como: Eustáquio Neves, Márcia Charnizon, Pedro David, João Castilho, Gustavo Lacerda, Kika Antunes, Isis Medeiros, Daniela Paoliello, entre outros.

A primeira meta do projeto Fotografias por Minas é arrecadar R$ 60 mil para serem divididos entre as cinco primeiras entidades selecionadas.

O projeto


Ponte Marechal Hermes, conhecida como Ponte Velha, em Pirapora(foto: Gladyston Rodrigues )
Ponte Marechal Hermes, conhecida como Ponte Velha, em Pirapora (foto: Gladyston Rodrigues )
A iniciativa surgiu por meio de um grupo formado em 2018 chamando “Fotógrafos pela Liberdade”. “Trata-se de um grupo de fotógrafos e fotografas no qual debatemos sobre política, sobre fotografia e outras questões. Foi por meio dele que surgiu a ideia de fazer uma campanha em Minas Gerais. Já estávamos acompanhando projetos feitos em outras cidades do Brasil e do mundo”, disse uma das idealizadoras do projeto e fotógrafa, Isis Medeiros.

A primeira iniciativa de grande repercussão que ocorreu foi em Bérgamo, na Itália, com o objetivo de ajudar um hospital que faz atendimentos de pacientes em situação de maior risco pelo coronavírus. No Brasil, um projeto similar surgiu em São Paulo, onde foram reunidas 150 fotografias.

“Então, tivemos vontade de fazer uma campanha em Minas”, acrescentou ela. E o projeto surgiu de forma colaborativa. 

Ela explica que o projeto reuniu 320 fotógrafos e fotógrafas - sendo que 127 são mulheres. Houve uma uma preocupação por parte da categoria de que o número de participantes femininos e masculinos fosse equilibrado. “Porém, não houve uma curadoria. Quem quis participar, entrou para a campanha para somar. Hoje conseguimos fazer a maior campanha do Brasil. E esperamos que ela seja tão grande quanto toda a iniciativa”, afirma.

A primeira meta do projeto Fotografias por Minas é arrecadar o dinheiro para ser dividido entre as cinco primeiras entidades selecionadas: Comunidade Geraiseira do Vale das Cancelas (região de Grão Mogol), Comunidade Quilombola Ausente Feliz (Serro), Creche Bom Pastor (Ibirité), Lar de Idosos Sagrada Família (Bonfim) e Proteção Animal Amigo Sem Dono (Ribeirão das Neves).

O elenco


(foto: Alexandre Guzanshe)
(foto: Alexandre Guzanshe)
Três fotógrafos do Estado de Minas participam do projeto. São eles: Alexandre Guzanshe, Leandro Couri e Gladyston Rodrigues.

Para Guzanshe, este é o momento de se unir para ajudar. “Isso porque a gente vive um momento estranho, um momento triste com essa pandemia e, também, com o que vem acontecendo com o Brasil. Então, acho que é importante acontecer essa ação e essa união para poder ajudar o próximo e espero que essas fotos sejam vendidas”, afirma.

O colega Gladyston concorda. “Para mim, a ideia é ajudar muita gente que está precisando neste momento.” Para isso, ele escolheu uma foto tirada na cidade de Pirapora, no Norte de Minas, que mostra a Ponte Velha. “Trata-se de uma foto de paisagem, uma foto legal para pessoa colocar na parede, uma foto bem harmônica”, disse.

Já Couri escolheu a foto de uma criança brincando com uma pipa e com uma bola. "Quando houve mudança no comportamento devido à pandemia, começamos a nos perguntar o que poderíamos fazer a respeito da nossa profissão, do nosso estilo de vida para poder ajudar e cumprir o papel social. Acreditamos que a fotografia desempenha papel social muito importante.”

Entretanto, para ele, “a iniciativa é muito legal porque, para quem vive a fotografia - não apenas como hobbie - quando vê uma fotografia ajudando, informando ou até mesmo mudando um pouco o pensamento da pessoas, a gente fica feliz”, acrescentou.

Ele frisa que o acervo está “lindíssimo” e que se surpreendeu com os resultados.

Como doar


(foto: Leandro Couri)
(foto: Leandro Couri)
Cada participante do projeto disponibilizará, para doação pelo valor de R$150, uma imagem de sua autoria. O tema das imagens é inspirado na ideia “para imaginar um mundo novo”, em referência ao livro “Ideias para adiar o fim do mundo”, de Ailton Krenak.

O pagamento pode ser feito por meio de boleto bancário, cartão de crédito ou Mercado Pago. As fotografias serão impressas, a partir de outubro, e enviadas pelos Correios. O valor arrecadado, depois de serem descontados custos de impressão e logística, será destinado a projetos sociais mineiros que necessitam de auxílio imediato por causa da pandemia.

As doações poderão ser feitas no site: www.fotografiasporminas.com.br.

Até a publicação desta matéria, foram arrecadados R$3.100. A arrecadação começou nessa quinta-feira e se prolonga até o dia 12 de junho.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade