Publicidade

Estado de Minas ZONA DA MATA

Acordo destina R$ 400 mil a cidades mineiras em meio à pandemia

Dinheiro é proveniente de contrapartida da mineradora Anglo American no âmbito da construção do mineroduto Minas-Rio, que à época devastou sítio arqueológico localizado na Zona da Mata mineira


postado em 08/05/2020 20:40 / atualizado em 08/05/2020 20:42

Dinheiro será usado pelas prefeituras de Manhuaçu e Muriaé melhorarem estrutura de saúde durante pandemia(foto: STR/AFP)
Dinheiro será usado pelas prefeituras de Manhuaçu e Muriaé melhorarem estrutura de saúde durante pandemia (foto: STR/AFP)

 

As cidades de Manhuaçu e Muriaé, na Zona da Mata mineira, vão dividir R$ 404 mil obtidos via acordo do Ministério Público Federal (MPF) com a mineradora Anglo American. O dinheiro deverá ser destinado ao combate ao novo coronavírus.

 

De acordo com o MPF, a Prefeitura de Manhuaçu vai receber R$ 205 mil e pretende aplicar a quantia na aquisição de 30 aparelhos de pressão pedestal e 20 camas hospitalares, além de nove monitores multiparamétricos.

 

Já Muriaé usará o dinheiro para comprar instalações de régua de gases medicinais. Os equipamentos serão instalados na Unidade de Pronto-Atendimento da cidade. A prefeitura local também quer adquirir monitores cardíacos com a verba.

 

O dinheiro é resultado de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado em 2013 entre o MPF e a Anglo American.

 

O documento garantiu o pagamento de R$ 1,2 milhão pela empresa ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Tudo por contrapartida aos danos causados pelo mineroduto Minas-Rio em um sítio arqueológico situado em Carangola, também na Zona da Mata.

 

Quando o acordo foi celebrado, a promotoria e a companhia de mineração decidiram usar todo o dinheiro na construção de um centro especializado em arqueologia.

 

O Iphan, contudo, optou usar a verba na instalação de um laboratório de restauração na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), diante da demanda pelo serviço no estado.

 

Durante as obras, contudo, o Iphan e a UFMG não gastaram todo o recurso, sobrando os cerca de R$ 400 mil encaminhados a Muriaé e Manhuaçu.

 

De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde, Muriaé tem 24 casos confirmados de COVID-19. Já Manhuaçu computa quatro diagnósticos de infecção pelo novo coronavírus. Nenhum dos municípios registra mortes.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade