Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Hemominas faz campanha para repor banco de sangue em queda

De acordo com a fundação, todos os grupos negativos e O positivo precisam de reposição. Doação caiu com coronavírus


postado em 06/05/2020 18:52 / atualizado em 06/05/2020 19:20

Filipe Machado é um dos inúmeros doadores que foram ao Hemoninas: fundação apela por reposição dos bancos de sangue(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Filipe Machado é um dos inúmeros doadores que foram ao Hemoninas: fundação apela por reposição dos bancos de sangue (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Com estoques em queda, a Fundação Hemominas iniciou campanha para convocar doadores voluntários, fidelizados ou não, para manter uma cota de segurança em seus bancos de sangue. Os grupos sanguíneos mais em falta são os negativos e O positivo, além do A positivo, cujas reservas já causam certa preocupação, de acordo com a fundação.
 
A aceleração dos casos de coronavírus em Belo Horizonte vem prejudicando a doação de sangue, já que a maioria das pessoas permanece em casa neste período de quarentena imposta pelas autoridades de saúde. O Hemominas exige como requisitos para a doação de sangue estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos, ter peso de, no mínimo, 60 kg e estar com boa frequência cardíaca. É preciso apresentar documentos originais com fotos no local. 

A fundação mantém um gabinete de crise, responsável por traçar ações estratégicas para a adequação do estoque em períodos de possível queda de comparecimento de doadores e aumento da demanda transfusional, como a pandemia do coronavírus. 
 
Para atender às recomendações do Ministério da Saúde, foram intensificados os procedimentos de higienização e prevenção com algumas medidas, como a obrigatoriedade do uso do álcool em gel 70% nas mãos para qualquer doador ou pessoa que entrar nas unidades. Além disso, só serão aceitas caravanas de doadores de, no máximo, dez pessoas. Salas de espera, como as de coleta sanguínea, foram reorganizadas de forma a garantir distanciamento mínimo de um metro entre os doadores. 

Além disso, o doador não pode ter tido contato com pessoas diagnosticadas com a COVID-19 – nem mesmo suspeitas. Nesses casos, é preciso aguardar 14 dias de quarentena para se oferecer ao Hemominas. Pessoas gripadas, por sua vez só poderão doar 30 dias depois que os sintomas acabarem. As coletas são feitas em locais higienizados e apenas com horários marcado.
 
O Hemominas, cuja sede fica na Alameda Ezequiel Dias, no Bairro Santa Efigênia, conta na capital mineira com as unidades Estação BH (Avenida Cristiano Machado), Hospital Júlia Kubitschek. Há ainda as de Betim (RMBH), Poços de Caldas (Sul), Frutal (Triângulo Mineiro), que é uma agência transfusional, e a de Além Paraíba (Zona da Mata), prestadora de serviços de coleta e transfusão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade