Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Brasileiros entram em desespero em Lisboa. Grupo 'acampa' fora do aeroporto

Aqueles que não conseguiram repatriação após a COVID-19 são obrigados a dormir ao relento. Consulado em Portugal prevê voo 'em breve'


postado em 27/04/2020 17:24 / atualizado em 27/04/2020 19:13

Brasileiros que ainda estão no exterior e não conseguiram vagas em voos de repatriamento para voltar para casa entraram em rota de desespero. No domingo, saiu do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, o segundo voo de repatriação daquele país, que chegou a São Paulo na madrugada desta segunda-feira (27). No entanto, muita gente ficou para trás, como a restauradora mineira Samya Gabriela Gonçalves, de 33 anos. Ela conta que, desde sábado (25), está 'morando' do lado de fora do terminal aéreo.

(foto: WhatsApp/ Reprodução)
(foto: WhatsApp/ Reprodução)


“Somos 30 pessoas. Fomos todos convocados pela embaixada brasileira, para o voo de domingo. Mas, estranhamente, nós sobramos. Pior, o pessoal do consulado brasileiro veio até a gente e pediu para formarmos uma fila. Fizemos isso, mas eles desapareceram. Foi como se saíssem pela porta dos fundos”, relata ela.

(foto: WhatsApp/ Reprodução)
(foto: WhatsApp/ Reprodução)


A situação piorou ainda mais, segundo Samya, com o fato de a administração do aeroporto não ter permitido que os brasileiros passassem a noite no interior do prédio. “Estamos dormindo do lado de fora, no frio. Não nos deixaram ficar na parte interna. Não vamos sair daqui enquanto não tivermos ajuda. Queremos voltar para o Brasil”, cobra a restauradora, que estava trabalhando há seis meses em Portugal.

Alguns dos passageiros, em mensagens nos grupos de WhatsApp que formaram, levantam a suspeita de que houve favorecimento para pessoas que não estavam na lista de repatriação, mas que foram colocados no voo por serem, supostamente, conhecidas de funcionários da embaixada. Outros afirmam que foram dadas preferências para os idosos em detrimento dos mais novos.

Consulado nega benefícios

O consulado brasileiro em Lisboa emitiu nota ontem negando ter havido benefício ao definir a repatriação: “Até o momento, houve seis voos de repatriamento em benefício de nacionais brasileiros. Cinco desses voos já chegaram a seu destino, e um sexto será operado nos próximos dias.  Até aqui, todos os voos partiram lotados". O informe indica que foram repatriados 1.494 brasileiros e que há a perspectiva de que mais de 300 embarquem no próximo voo.

O critério de seleção adotado, conforme as autoridades, foi o de dar preferência "sobretudo àqueles viajantes que se viram retidos em território português devido ao cancelamento de voos comerciais, no contexto da epidemia da COVID-19". O embarque de passageiros de perfil diverso — como o de residentes em território português que  não tinham chegado a adquirir bilhetes para regressar ao Brasil — atendeu a "circunstancias humanitárias excepcionais", de acordo com a nota, que aponta "criterioso cadastramento".

Em seu comunicado, o consulado diz que não há, neste momento, previsão de voos de repatriamento para cidadãos que tenham residência habitual em Portugal. Para os cidadãos "em sérias condições de desvalimento" sugere que entrem em contato com a repartição consular. Em Lisboa, pelo e-mail: cg.lisboa@itamaraty.gov.br.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade