Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Empresa que teve ônibus interceptados suspende viagens para BH

Viação Presidente, que opera linhas para cidades do Vale do Aço, cortará rotas a partir desta sexta-feira. Empresa criticou a PBH


postado em 09/04/2020 21:31 / atualizado em 09/04/2020 22:16

Ônibus da Viação Presidente foi impedido de desembarcar passageiros nessa quarta em BH(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Ônibus da Viação Presidente foi impedido de desembarcar passageiros nessa quarta em BH (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
A Viação Presidente, que teve dois ônibus proibidos de entrar em Belo Horizonte, anunciou que suspenderá suas operações para a capital mineira a partir desta sexta-feira (10). A empresa tem rotas que liga cidades do Vale do Aço, como Caratinga, Timóteo e Ipatinga, a BH.

A Presidente disse, por meio do seu site, que passageiros que estiverem com bilhetes marcados podem fazer a redefinição de viagem em até um ano após a data da compra. A empresa também tirou do ar a venda on-line.

Nessa quarta (8), um ônibus da companhia, que saiu de Caratinga, teve sua entrada bloqueada em Belo Horizonte por decreto do prefeito Alexandre Kalil que determina a proibição da circulação de transporte público coletivo oriundo de municípios que interromperem as medidas de isolamento social em meio à pandemia de coronavírus.

ônibus foi bloqueado por agentes da BHTrans, Guarda Municipal e Polícia Militar quando passava pela Avenida Antônio Carlos, sob o viaduto São Francisco, na Região da Pampulha, em BH. O veículo foi escoltado até a BR-381, em Sabará. Lá, os passageiros tiveram de desembarcar.

Já nesta quinta (9), um outro ônibus da Presidente também com origem em Caratinga teve sua entrada bloqueada na capital mineira. Os passageiros, assim como aqueles do dia anterior, tiveram que descer do veículo na BR-381, também na altura de Sabará.

Empresa critica ação

Na tarde desta quinta-feira, a Viação Presidente se manifestou sobre o bloqueio ocorrido na Avenida Antônio Carlos. Em nota, a empresa afirmou que a abordagem deveria ter sido feita "de maneira informativa e cooperativa, com orientação, e não simplesmente punir passageiros idosos, crianças e mulheres que se encontravam no interior do ônibus."

A Presidente alegou ainda que poderia operar normalmente a linha entre Caratinga e Belo Horizonte, uma vez que a Prefeitura de Caratinga teria tornado mais rigorosa a recomendação do isolamento social. Por fim, reforçou as críticas à operação montada pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade