Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Kalil anuncia que vai restringir circulação de pessoas na orla da Lagoa da Pampulha

Medida, que tem como objetivo evitar aglomerações em meio à pandemia do novo coronavírus, também valerá para a Praça da Assembleia


postado em 06/04/2020 14:35 / atualizado em 06/04/2020 17:04

Movimentação na orla da Lagoa da Pampulha nesse domingo(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Movimentação na orla da Lagoa da Pampulha nesse domingo (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O prefeito Alexandre Kalil (PSD) anunciou, em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, que Belo Horizonte terá novas medidas para restringir a circulação de pessoas na orla da Lagoa da Pampulha e na Praça da Assembleia. O objetivo é evitar aglomerações em meio à pandemia do novo coronavírus.

As medidas restritivas valerão a partir desta sexta-feira. No último domingo, a Lagoa da Pampulha, ponto turístico da capital mineira, teve intensa movimentação de pessoas, apesar da orientação do isolamento social. 

Kalil anunciou novas medidas de restrição à circulação de pessoas em BH(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Kalil anunciou novas medidas de restrição à circulação de pessoas em BH (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


Segundo Kalil, a restrição à circulação de pessoas nos 18 quilômetros da orla da Lagoa da Pampulha será feita com o auxílio da BHTrans. Apenas carros poderão circular na região.

“Na Pampulha, vamos fazer um plano com a BHTrans. Vai entrar só carro, porque o pessoal não entendeu que não estamos de férias e que é um ótimo dia para ficar em casa. Vamos estudar. Ainda não sei como vai ser, mas vai ser. Onde houver aglomerações, vamos tentar evitar (a circulação de pessoas)”, disse Kalil.

Já a Praça da Assembleia será cercada por gradis, a exemplo do que ocorreu, na última semana, nas praças da Liberdade e JK.

O prefeito afirmou que as restrições vão durar o tempo necessário e apenas os técnicos da Secretaria Municipal de Saúde podem determinar o fim da quarentena. "Nós colocamos o plano em prazo indeterminado, para não ficar nessa bobagem de: 'decreta para lá, decreta para cá'. Eles (especialistas) é que estão no comando, eles é que decretarão o fim da pandemia".

Decisões no interior terão reflexo em BH

Ainda de acordo com Kalil, eventuais decretos municipais que afrouxem as regras de isolamento social nas cidades do interior do estado terão reflexos em Belo Horizonte. Segundo ele, ônibus vindos de locais que não estejam seguindo as recomendações de restrição, vindas dos organismos de saúde, não vão poder entrar na capital.

 

No último dia 30, o prefeito de Lagoa Santa, Rogério Matos Avelar (PPS), chegou a assinar um decreto que autorizava a volta às atividades comerciais e industriais. Kalil chegou a dizer que, a partir desta segunda, os ônibus vindos da cidade estariam proibidos de ultrapassar a divisa das cidades.

 

Na sexta-feira, contudo, o Executivo de Lagoa Santa voltou atrás e editou a determinação, voltando a impor restrições. "Aquilo foi uma medida de proteção ao povo de Lagoa Santa, e não de restrição ou agressão" disse, na coletiva, comemorando as mudanças feitas pela cidade vizinha.

Kalil citou, ainda, a renúncia do prefeito de Varginha, no Sul de Minas, Antonio Silva (PTB). Ele entregou o cargo nesta segunda, após sofrer pressões por ter autorizado a reabertura geral do comércio no município.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade