Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Com avanço do coronavírus, semana santa será celebrada a distância

Arquidiocese de Belo Horizonte reforça orientações de isolamento e anuncia transmissão de missas pela TV e as redes sociais. Recomendações aos fiéis são para que rezem com a família em casa


postado em 05/04/2020 04:00 / atualizado em 05/04/2020 07:49

Maxwell Aníbal, a mulher, Ilda, e os filhos Maria Eduarda e Pedro montaram um pequeno altar em casa(foto: Arcevo pessoal)
Maxwell Aníbal, a mulher, Ilda, e os filhos Maria Eduarda e Pedro montaram um pequeno altar em casa (foto: Arcevo pessoal)

Às vésperas da semana santa – hoje é domingo de ramos – os católicos se preparam para uma volta aos primórdios da Igreja, quando todas as celebrações cristãs eram realizadas dentro de casa, pois ainda não havia os templos. Ontem, a Arquidiocese de Belo Horizonte divulgou carta reforçando a recomendação do isolamento social, em tempos de pandemia do novo coronavírus, e orientando as comunidades a rezar com a família no aconchego do lar. Em Minas, os templos estão fechados e não haverá missas solenes, procissões, vias-sacras, encenação da Paixão de Cristo e outros atos externos com participação dos fiéis. As celebrações serão trasmitidas pela televisão e as redes sociais.

Um bom exemplo da iniciativa será vista na quinta-feira, início do tríduo pascal, quando o arcebispo metropolitano de BH, dom Walmor Oliveira de Azevedo, vai celebrar a Missa da Unidade, às 9h, no Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Grande BH, com transmissão pela TV Horizonte, Rádio América e redes sociais. Às 18h, será a vez da missa da ceia do Senhor. A orientação é para que, não sendo possível acompanhar pelos meios de comunicação, os fiéis façam a leitura do texto bíblico do dia e realizem as bênçãos da mesa e da refeição familiar.

“Estamos desacostumados da casa, que muitas vezes serve apenas para descansar, guardar nossas coisas, fazer uma ou outra refeição. Agora, no isolamento social, somos chamados a fazer de nossos lares, cada vez mais, casa da palavra, do pão, da caridade e da missão, retomando o início da fé cristã, quando os discípulos de Jesus se reuniam em seus lares, com as suas famílias, para celebrar a fé”, explica dom Walmor. Ele diz que “a convocação é para investirmos mais nas nossas 'igrejas domésticas', que são os lares com suas famílias”. Durante a semana santa, “celebraremos todos os di- as, estaremos unidos pelos meios de comunicação e, principalmente, pela fé em Jesus Cristo, que venceu as dores, a morte e ressuscitou por todos nós”.


''Agora, no isolamento social, somos chamados a fazer de nossos lares, cada vez mais, casa da palavra, do pão, da caridade e da missão, retomando o início da fé cristã''

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de BH



Fé renovada 


Em quarentena como a maioria dos brasileiros, o casal Maxwell Aníbal e Ilda Ermelinda Corcini Silva, ambos administradores e residentes no Bairro Castelo, na Região da Pampulha, na capital, tem acompanhado as missas pela tevê. Eles até montaram, na sala de casa, um pequeno altar para rezar com os filhos Pedro Henrique, de 20 anos, e Maria Eduarda, de 10.

“Nos meus 49 anos de vida, nunca pensei em passar uma semana santa assim. Mas não deixa de ser uma alegria, pois estamos o tempo todo em família, rezando juntos”, afirma Ilda. Pertencentes à Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, Maxwell, Ilda e filhos leem trechos da bíblia e seguram o terço diante da imagem de Jesus crucificado. Durante a missa, assistida pela televisão ou rede social, há a comunhão espiritual, que não é com a hóstia consagrada. Mas o momento da eucaristia nos liga ao Pai”, acredita Ilda.

Morador próximo do Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua Nossa Senhora da Boa Viagem, na Região Centro-Sul, o casal Adail Martins e Iris Magela de Souza Martins, com o filho Thiago Henrique de Souza Martins, advogado de 29, também busca força nas orações para levar adiante a quarentena, ficando longe da igreja. Para a semana santa, a família está montando um altar doméstico, e, por enquanto, reza com a Bíblia. “Está sendo uma experiência diferente, pois estamos nos reinventando na nossa fé. O período é oportuno para meditar e fortalecer nosso amor em Deus”, conta Adail, defensor público estadual, que trabalha no sistema home office.

Com o filho Thiago, Adail Martins e Iris rezam com a bíblia à mesa(foto: Arcevo pessoal)
Com o filho Thiago, Adail Martins e Iris rezam com a bíblia à mesa (foto: Arcevo pessoal)


Sem aglomeração


Na carta distribuída aos católicos, dom Walmor e os bispos auxiliares destacam que, neste tempo de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, quando é preciso manter o isolamento social – medida necessária para proteger as pessoas e desacelerar a expansão da doença –, as igrejas permanecerão fechadas, com o objetivo de evitar aglomerações. Assim, na sexta-feira da paixão, quando dom Walmor vai celebrar missa às 15h, na Serra da Piedade, os fiéis podem fazer, em casa, a adoração da cruz e orações. Já no domingo de Páscoa, a missa será às 8h, também com transmissão simultânea, e a orientação é pra que haja uma celebração em família.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade