Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PODCAST O CASO BACKER

Caso Backer: com duas vítimas na família, esta farmacêutica foi elo para direcionar investigações

'Se não fosse por isso, até hoje eu estaria tomando a cerveja. E você também'


postado em 09/02/2020 06:00 / atualizado em 09/02/2020 21:04



Série especial em podcast do Estado de Minas conta detalhes da história das cervejas contaminadas que mobilizou autoridades sanitárias em BH

A situação que Camila Massardi Demartini, 29 anos, enfrenta, com as intoxicações do pai e marido dela ligadas à cerveja Belorizontina, poderia paralisar muita gente. Mas não foi o que ocorreu com esta farmacêutica de 29 anos. Ela é a primeira entrevistada na série especial de podcasts O caso Backer, publicada desde ontem no Estado de Minas. A articulação de Camila com outros parentes de vítimas foi possível depois da coincidência de sintomas de Paschoal Demartini e Luis Felippe Teles, respectivamente pai e marido dela. Dessas conversas entre as vítimas, surgiu a suspeita de contaminação a partir da cerveja artesanal. “Era a única coisa que havia em comum entre todos os pacientes. O fato de terem sido meus dois braços arrancados foi o que possibilitou toda essa descoberta. Se não fosse isso, talvez até hoje eu estaria bebendo a cerveja. E você também”, analisa. Aqui, você lê os principais trechos da entrevista.



Primeiro você começa com essas dores, com esse mal estar. Depois você descobre a insuficiência renal. Depois, eles (pai e marido) começaram com uma paralisia facial unilateral, foi do lado esquerdo. Em seguida, uma insuficiência respiratória que tiveram de ser entubados e depois traqueostomizados. Então vem a tetraplegia, que é a paralisação do pescoço para baixo. O Felipe, meu marido, chegou a ficar sedado, inconsciente e depois tiraram a sedação e aos poucos, muito devagar. Ele ficou vários dias assim, totalmente paralisado, sem abrir os olhos, sem se movimentar. A gente não sabia o que estava acontecendo, se ele estava consciente ou não. Meu pai na mesma situação, mas ele já estava em Ubá, tinha passado o natal na minha casa, tinha participado do mesmo churrasco. Começou a sentir dores fortes também, foi internado  e posteriormente transferido para Juiz de Fora. Ele dormiu, sedado e não acordou. 

Da apuração à cerveja
Eu pensava: ‘Coincidência né? Meu pai e meu marido doentes,  internados, com problemas renais’. Aí me fez pesquisar por conta própria porque que os dois estavam dessa forma, e eu não estava, minha mãe não estava... Oc CTI’s mantêm contato, um médico fala pro outro, eles têm grupos em que eles comentam: ‘Eu estou com um paciente assim, assim, assim’. Aí o Dr. Fabrício me disse: ‘Camila, eu estou sabendo de um paciente (de outro hospital) que mora perto da sua casa e de um outro que está aqui mesmo, que mora em frente à sua casa’. Em contato com a Flávia, que é esposa do Cristiano, perguntei a ela no dia 3 de janeiro: ‘Flávia, o Cristiano bebeu cerveja? Ele gosta de cerveja? O Cristiano tomou Belorizontina?’. Ela respondeu ‘Sim, só tomou Belorizontina’. A única coisa que todos os quatro tinham bebido ou comido era a Belorizontina, todas compradas no Super Nosso do Buritis, todas compradas na Black Friday. Então isso não poderia ser uma coincidência. E o que esses agentes químicos tinha a ver com a cerveja? Aí a gente também fez essa ligação. Poxa, dietilenoglicol é usado na produção de cerveja para resfriar no processo de fermentação. Então pronto. A gente ligou o que eles comeram/beberam com o que causava essa sintomatologia que eles apresentavam.

O sacrifício do pai
Então quando eu cheguei à Polícia Civil para prestar depoimento a primeira vez, eu já falei isso. ‘Vocês vão entrar lá e vão procurar metanol, dietilenoglicol e organofosforados. Porque nas nossas pesquisas, foi isso que a gente tinha encontrado que causariam os sintomas que eles tinham.. No dia 9, que eu já tava indo pra Ubá, levando o corpo do meu pai, que tinha vindo pro IML, pra fazer a necropsia, eu vi a notícia (relacionando a cerveja aos casos de intoxicação, a partir de coletiva de imprensa da Polícia Civil). E esse exame ajudaria a desvendar tudo: depois foi comprovado que tinha dietilenoglicol nele. Então tinha dietilenoglicol na cerveja, na Backer e no meu pai. Foi um sacrifício o meu pai ter ido. Eu acredito muito em missão, a missão dele foi brilhantemente cumprida. Eu só tenho muito orgulho e gratidão ao meu pai. Eu fico muito feliz por ter vivido por quase 30 anos ao lado dele e ele ter podido me ensinar tantas virtudes. Ele era um cara maravilhoso. E em relação à partida dele, acho que ele foi me ajudando a ajudar as outras pessoas que precisam. Eu não tive o Felipe que é a pessoa estaria do meu lado nesse momento de perda. Segurar essa barra sozinha não é fácil, mas eu não tive meu tempo de sofrer, não é hora de sofrer, é hora de eu fazer minha parte, de ajudar.


Publicidade