Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Chuva em BH: vídeo explica como as águas sufocadas da cidade cobram a conta

Capital mineira ignorou a riqueza hídrica de seus 700 quilômetros de cursos d'água desde a construção


postado em 29/01/2020 20:00 / atualizado em 30/01/2020 11:57


Os quase 700 quilômetros de cursos d’água existentes na região de Belo Horizonte foram decisivos na escolha do antigo Curral del-Rei como ponto de partida da futura capital mineira. Apesar disso, a riqueza natural foi ignorada no projeto original de Aarão Reis, chefe da comissão construtora da nova capital, no fim do século 19. Apenas o Ribeirão Arrudas fazia parte da planta de BH. Os reflexos desse descaso chegaram rápido e já nos anos 1920 começaram as inundações. Cem anos depois, no temporal sem precedentes de terça-feira, os rios voltaram a mostrar seu traçado, agora sobre avenidas, carros e prédios de uma metrópole que preferiu enterrá-los.

“Apesar de invisibilizados no pé das pessoas, os rios estão vivos, correndo 24 horas. Uma hora ele vai tomar o que é dele por direito. É muito antiga essa ideia do ser humano de controlar a natureza. Os fenômenos nos controlam”, afirma o geógrafo e professor Alessandro Borsagli, autor do estudo Do convívio à ruptura: a cartografia na análise histórico-fluvial de Belo Horizonte, de 1894 a 1977.

A Bacia Hidrográfica de BH tem cerca de 900 nascentes, segundo dados da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O Comitê da Bacia do Rio das Velhas, em cuja área de influência está a capital, estima em 1,4 mil o número de olhos d’água na cidade, 600 deles conhecidos, a metade demandando cuidado e recuperação.



A destruição provocada pela chuva em BH de terça-feira (28), quando em duas horas choveu na Região Centro-Sul mais da metade da média histórica de janeiro, abriu a cratera dessa história em que rios ficaram à margem. Em 1923, começaram as primeiras intervenções sanitaristas: o Ribeirão Arrudas foi retificado, canalizado e revestido entre a Rua dos Guaicurus e a Avenida Tocantins, hoje Avenida Assis Chateaubriand, próximo à Praça da Estação.

As primeiras inundações de BH

Com a falta de obstáculos naturais e permeabilidade do solo, começam as inundações, com o transbordamento do Arrudas, de acordo com o engenheiro civil e sanitarista aposentado José Roberto Champs, que trabalhou por mais de 25 anos na Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap).



"O engenheiro Saturnino de Brito (1864-1929) propôs que os córregos e várzeas fossem preservados e a cidade ocuparia o que não está dentro delas. Aarão Reis recusou a proposta e adotou o modelo retilíneo", conta. A proposta rejeitada consistia na construção de avenidas com 50 metros de largura e córregos abertos passando ao meio – eram as chamadas avenidas sanitárias.

Desde então, 208 quilômetros de cursos d'água foram canalizados ou revestidos, 79% em canal fechado, segundo dados de 2017 da Sudecap. Na terça-feira, córregos esquecidos ou desconhecidos por parte da população mostraram sua força, em especial o Córrego do Leitão, que atravessa a Avenida Prudente de Morais e o Bairro Lourdes, área nobre da capital.

Privilégio para as ruas

Conforme a dissertação de Borsagli, em 1924, as intervenções aumentam na direção Centro-Sul para os vales dos córregos do Leitão e Acaba Mundo, que nasce no Bairro Sion até o Parque Municipal. "Isso foi feito por questões viárias e a necessidade de alargamento das vias. Tudo ligado com a indústria automobilística, e também para esconder o esgoto, esconder a sujeira pra dentro do tapete", diz o geógrafo.

Na época dessas obras, o então prefeito Flávio Fernandes dos Santos citou que as canalizações "irão exercer poderosa influência no desenvolvimento de uma parte valiosa da cidade, até agora relegada ao mais completo abandono, apesar de sua pequena distância do Centro; novas construções hão de aparecer nesta zona privilegiada topograficamente, fornecendo belas perspectivas".

No início dos anos 1920, as intervenções em direção à Região Centro-Sul avançaram sobre o vale do Córrego do Leitão(foto: Arquivo EM)
No início dos anos 1920, as intervenções em direção à Região Centro-Sul avançaram sobre o vale do Córrego do Leitão (foto: Arquivo EM)
A retificação do Leitão, nos trechos das ruas São Paulo, Padre Belchior, Tupis e Mato Grosso, foi feita entre 1925 e 1930. Acima dele, em Lourdes, o curso d'água continuava a correr naturalmente. Na década de 1930, as ruas Marília de Dirceu e Bárbara Heliodora, completamente arrasadas pelas chuvas, foram abertas com o objetivo de receber o canal do curso d'água.

Menos pontes, mais asfaltos

A canalização do Acaba Mundo, no mesmo período, permitiu a construção de vias do Bairro Funcionários e a comercialização de lotes em 13 quarteirões, urbanizados a partir do fechamento do rio. O Córrego da Serra foi o primeiro a ser “enterrado”, canalizado debaixo do solo por causa do número de pontes que teriam que ser construídas caso ficasse a céu aberto.

"Na verdade, os córregos deveriam estar abertos, mas foram ocupados de forma irreversível", afirma Champs. Ele cita a construção de bacias de contenção, que possam deter a água, como alternativa para minimizar o problema. "Países como França e Itália fizeram a intercomunicação de canais. Se uma bacia hidrográfica está cheia, você pode transferir para outra através de comportas", acrescenta.

A canalização do Acaba Mundo, que nasce no Sion e segue até o Parque Municipal, permitiu a construção de vias do Bairro Funcionários(foto: Arquivo EM)
A canalização do Acaba Mundo, que nasce no Sion e segue até o Parque Municipal, permitiu a construção de vias do Bairro Funcionários (foto: Arquivo EM)
O engenheiro sanitarista considera que a renaturalização dos cursos d'água, devolvendo a eles o traçado natural, como defendem ambientalistas, é "completa utopia". "Senão tem que desmanchar a cidade. Isso é muito citado em outros países, mas não é uma política para toda a cidade", diz, em referência ao Rio Cheonggyecheon, em Seul, na Coreia do Sul.

Para Borsagli, o poder público precisa "tomar vergonha na cara". "A reabilitação é a única saída, devolvendo planícies de inundação que foram urbanizadas e criando áreas permeáveis nas vertentes dos cursos d'água", afirma.

"O engenheiro Saturnino de Brito propôs que os córregos e várzeas fossem preservados e a cidade ocuparia o que não está dentro delas. Aarão Reis recusou a proposta e adotou o modelo retilíneo"

José Roberto Champs, engenheiro civil e sanitarista aposentado

Ele defende a retirada do asfalto de algumas áreas, como o Bairro Santo Antônio, para contribuir com a permeabilidade e a diminuição do escoamento da água. De acordo com o professor, o cidadão também tem que agir. "Dentro das residências, as pessoas podem criar áreas permeáveis e podem reter a água de chuva", afirma.

Linha do tempo dos cursos d’água de BH

1900

Os córregos Leitão, Acaba Mundo e Serra, antes integrados à paisagem do antigo arraial, são ignorados conceitualmente no momento do projeto urbano da nova capital. Alguns respiros são preservados e integrados, como a cachoeira natural do Parque Municipal.

1910-1920

São realizadas as primeiras obras de cunho sanitário e construídos emissários paralelos aos cursos dos córregos para receber o esgoto que até então era jogado in natura nos córregos. Tais emissários despejam o esgoto ao término dos trechos canalizados.

1920-1930

Década marcada pelas primeiras grandes transformações, com o início das canalizações, retificações e mudanças dos cursos d’agua, para adequação das ruas. Mesmo desviados
de seus cursos naturais, os córregos permanecem como elementos definidores da paisagem e ainda ’socializam’ com a vida urbana.

1930-1940

O apagamento dos córregos segue paulatinamente em direção à sua desnaturalização. Cada vez mais os trechos são canalizados, retificados e têm seu curso alterado.

Mapa hidrográfico de Belo Horizonte, com destaque para situação dos cursos d'água(foto: Arte: Soraia Piva/EM/D.A Press)
Mapa hidrográfico de Belo Horizonte, com destaque para situação dos cursos d'água (foto: Arte: Soraia Piva/EM/D.A Press)

1940-1980

É o início de uma época de crescimento vertiginoso da cidade. Apesar das intervenções de canalizações terem caráter higienista, revelando a preocupação do governo com questões sanitárias, os cursos d’água, que já se encontravam poluídos, e a cidade continuam padecendo com as violentas inundações. Devido ao colapso da coleta de lixo, os córregos tornam-se locais de despejo de lixo doméstico.


Década de 1960

Se firma como a conclusão do apagamento dos córregos como elementos urbanos. O córrego Acaba Mundo é coberto em seu trecho da Rua Professor Moraes, impossibilitando seu último respiro.

1980-2000

A década de 1980 se caracteriza por alargamentos das seções dos cursos d’água em uma tentativa de conter as grandes enchentes na cidade, deflagradas desde sua construção. A década de 1990 é lembrada por violentas inundações. A água corre rapidamente nos cursos impermeabilizados e retificados, provocando assim enchentes que afloram nas ruas pelos bueiros e ao longo de diversos trechos do curso do Ribeirão Arrudas.

Atualmente

Contra todas as discussões realizadas de como se tratar cursos d’água urbanos no contexto atual, Belo Horizonte deu continuidade no início do século 21 ao tapamento do Ribeirão Arrudas. O saldo da linha do tempo é não só a invisibilidade dos córregos, como também a extinção de outros vários por aterramento de nascentes em detrimento da mobilidade urbana e do transporte particular.


Publicidade