Publicidade

Estado de Minas

Saiba onde fazer doações para vítimas das chuvas em Minas Gerais

Belo-horizontino se mobiliza para ajudar quem perdeu tudo com os deslizamentos e alagamentos da chuva. Pelo menos 47 pessoas morreram. Há mais de 3 mil desabrigados


postado em 28/01/2020 06:00 / atualizado em 28/01/2020 08:35

Voluntários organizam donativos na Cruz Vermelha, em Belo Horizonte(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Voluntários organizam donativos na Cruz Vermelha, em Belo Horizonte (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Sem balões, bolo e parabéns. É na sede da Cruz Vermelha, que fica na Alameda Ezequiel Dias, Região Centro-Sul da capital, no meio dos corredores de caixas, das pilhas de alimentos, amontoados de roupas e calçados, que Saulo Lote, de 34 anos, passa seu aniversário há dois anos consecutivos. Voluntário da instituição, Saulo participou da triagem de doações quando a Barragem B1 da Mina Córrego do Feijão, da Vale, rompeu e devastou Brumadinho, na Grande BH. Neste ano, o trabalho continua, mas desta vez por causa da chuva.

“No lugar de ser presenteado no dia do meu aniversário, eu prefiro dar o presente para o próximo, isso que é o prazeroso para mim. Se você vai a uma festa de aniversário, você está dedicando seu tempo para essa festa. Eu transformo o meu aniversário em uma festa maior ajudando as pessoas”, disse, com os olhos marejados.

A chuva torrencial que chegou a Minas Gerais na quinta-feira invadiu imóveis, causou deslizamentos e transformou a moradia de muitas famílias da Grande BH e de municípios da Zona da Mata mineira em um amontoado de lama. Até o fechamento desta edição foram 47 mortes registradas em decorrência da tempestade. Há 3.386 desabrigados (1.092 deles na região metropolitana).

Em meio a tanta tristeza, uma rede de solidariedade em Minas tenta minimizar os impactos nas vidas das mais de 17 mil pessoas que sobreviveram e tiveram que deixar suas casas e parte da sua história. Agora, quem perdeu todos os bens materiais – muitos adquiridos ao longo de uma vida inteira de trabalho – precisa de ajuda para recomeçar.

Um exemplo de vitalidade, Maria da Paixão, de 76, só parou de trabalhar quando foi interrompida pela reportagem para uma breve conversa. Há dois dias  ela separa as doações que chegam e saem da garagem da Cruz Vermelha. “Eu vi muita coisa ruim nas notícias, muita coisa triste, e ajudar não custa, tem tanta coisa para fazer aqui. Eu sou aposentada, fico em casa à toa com a minha gata, então eu vim, porque, além de ajudar, eu distraio.”

E cada um tem auxiliado como pode. Assim como Saulo e Maria, que doam um pouco do próprio tempo, a empatia das pessoas tem feito com que a ajuda não pare de chegar. Na porta do 1° Batalhão do Corpo de Bombeiros, que também está de portas abertas para receber os donativos, a médica Márcia Guimarães, de 66, e a mãe dela, a aposentada Fernanda da Costa, de 88, estacionaram um carro com o porta-malas recheado de doações.

“É muito importante a solidariedade, é uma coisa fundamental. Nessa hora, todo mundo se coloca no lugar do outro, pode acontecer com qualquer um e é muito difícil você perder tudo, ver tudo sendo levado pela água, tudo sujo. E a gente viu muito isso aqui”, disse a médica. “O coração fica apertadinho em saber que as pessoas não têm muito e perdem tudo. Eu peguei roupa de cama, pijama, roupão, toalha de mesa, tudo o que qualquer dona de casa precisa e estamos doando”, completou Fernanda.

Pontos de apoio


São dezenas de voluntários espalhados por diferentes pontos de apoio organizados para amparar quem precisa. Na sede do Serviço Social Autônomo (Servas), dois caminhões abastecidos com donativos deixaram o local no domingo a caminho das áreas afetadas.

Para Rodrigo Fernandes, diretor de Investimento Social do Servas, o objetivo agora é acolher as vítimas. “Temos cidades que não têm água potável e as pessoas precisam de doações de água mineral. Tem gente que perdeu a casa e está dormindo em quadras de escolas. Nesse momento, dormir em um colchão com uma roupa de cama limpinha, poder beber uma água limpinha, essas coisas básicas, são o mínimo que nós podemos fazer. As pessoas precisam do mínimo de dignidade.” *Estagiária sob supervisão da subeditora Regina Werneck

O que doar


» colchões, lençóis, travesseiros, cobertores e roupas de cama
» materiais de limpeza
» materiais de higiene pessoal
» alimento não perecível
» água mineral

Onde doar

» Servas (Avenida Cristóvão Colombo, 683, Funcionários)
» Unidades do Corpo de Bombeiros
» Batalhões da Polícia Militar
» Jornal Estado de Minas (Avenida Getúlio Vargas, 291, Funcionários)


Publicidade