Publicidade

Estado de Minas

Com Contagem e BH, Minas tem ao menos 24 cidades em situação de emergência por causa das chuvas

Maioria dos municípios que decretaram emergência está concentrada nas regiões do Vale do Rio Doce e da Zona da Mata; três estão na Grande BH


postado em 20/01/2020 20:42

Na capital mineira, agentes de trânsito impediram acesso à Avenida Tereza Cristina, uma das ligações entre Contagem e BH, devido aos estragos provocados pela chuva(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Na capital mineira, agentes de trânsito impediram acesso à Avenida Tereza Cristina, uma das ligações entre Contagem e BH, devido aos estragos provocados pela chuva (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)

 

Depois da chuva desse domingo, as prefeituras de Contagem e Belo Horizonte decretaram estado de emergência por conta dos danos causados pela enchente. A situação das cidades da Grande BH se estende a pelo menos outros 22 municípios do estado, segundo a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil. Onze pessoas morreram.

 

Ver galeria . 28 Fotos Transbordamento do Ribeirão Arrudas voltou a provocar estragos ao longo da Avenida Tereza Cristina, entre BH e Contagem. Via teve trechos interditados pela manhãJair Amaral/EM/DA Press
Transbordamento do Ribeirão Arrudas voltou a provocar estragos ao longo da Avenida Tereza Cristina, entre BH e Contagem. Via teve trechos interditados pela manhã (foto: Jair Amaral/EM/DA Press )
 


Além de BH e Contagem, Ibirité é outra cidade da Grande BH que já decretou situação de emergência. Lá, Gislei Andrade de Oliveira, de 37 anos, perdeu a vida no dia 12 de dezembro ao ser arrastado por uma enchente. Ele estava em cima de um carro, mas se desequilibrou e foi levado pelas águas.


Na Zona da Mata, são seis cidades em dificuldades quanto às chuvas: Astolfo Dutra, Coimbra, Reduto, Paula Cândido, Muriaé e Viçosa. Nas duas últimas, duas pessoas morreram: Roberto Rodrigues do Vale, 50, engolido pelas águas de um córrego; e Daniela Carla de Oliveira, 41, arrastada pela enxurrada, respectivamente. 


A região com maior número de cidades em situação de emergência é o Vale do Rio Doce. São sete cidades: Goiabeira, Itanhomi, Açucena, Engenheiro Caldas, Córrego Novo, Tarumirim e Pingo D’água.

 

Ver galeria . 14 Fotos Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press )
 


Outra cidade com uma morte registrada, Santa Rita do Sapucaí é a única do Sul de Minas com status de emergência. Lá, Hilda Leandro de Jesus Silva, de 46, morreu ao ser atingida por um tronco de árvore. O caso aconteceu em 24 de outubro.


Geralmente marcada pela falta de chuvas, a Região Norte do estado tem duas cidades em quadro emergencial: Ninheira e Rio Pardo de Minas. Contudo, a única vida perdida pelas chuvas no território aconteceu em Januária, onde João Paulo Gonçalves dos Santos, 29, morreu vítima de um raio.


Outra regional que enfrenta secas históricas, o Vale do Jequitinhonha tem uma cidade em estado de emergência: o município de Nanuque.


Já na Região Central, duas cidades coloniais estão em situação de emergência: Ouro Preto e Diamantina. Além delas, Itabirito e Rio Acima enfrentam o mesmo quadro.


Outras mortes


No total, Minas Gerais tem 11 mortes por causa das chuvas. Além das já citadas, três vidas foram perdidas em Guapé, no Sul de Minas, onde uma cabeça d'água, ocorrida por causa das chuvas que atingiram a parte superior da Cachoeira do Paredão, causou os óbitos.



Outra vida foi perdida em Belo Horizonte, no Bairro Vale do Jatobá, no Barreiro. Gilmara Silva Soares, de 22 anos, foi arrastada pela enxurrada, sendo localizada pelos militares parcialmente submersa na correnteza. Equipes médicas a socorreram, mas ela não resistiu.


Em Sete Lagoas, na Região Central, Wagner Venâncio dos Santos, 36 anos, e Maria Regina de Deus, 60 anos, morreram no mesmo dia, em 2 de dezembro. Eles estavam dentro de um carro de aplicativo, que foi arrastado pela correnteza.



Publicidade