Publicidade

Estado de Minas

'Prejuízo foi grande', diz dona de imóvel invadido por água após rompimento de adutora da Copasa

Rompimento na rede de distribuição da companhia, no Bairro Heliópolis, causou o problema. Força da água transformou a rua em um rio


postado em 08/01/2020 12:17 / atualizado em 08/01/2020 12:46

Local do rompimento da adutora um dia após o incidente (foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press )
Local do rompimento da adutora um dia após o incidente (foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press )
Muita lama, asfalto e água. Foi o que a consultora de beleza Marcia Antonia Pereira, de 35 anos, encontrou dentro de casa ao retornar ao imóvel que fica na Rua Dinah Rocha Mello, no Bairro Heliópolis, Região Norte de Belo Horizonte. A poucos metros dali, na Rua Osmar Costa, moradores foram surpreendidos pelo rompimento de uma adutora da Copasa, o que resultou em alagamentos, queda de árvores, interrupção no abastecimento de água na região e formou uma grande cratera no meio da via.

Um dia após o incidente, Marcia tentava voltar à rotina. Mostrou algumas caixas que estavam com os pertences que perdeu e descreveu a cena que viu. “A água alagou tudo, o asfalto rompeu e varios pedaços entraram aqui dentro, as árvores da rua ficaram penduradas. Perdi um monte de coisas, a água subiu aproximadamente 15 cm. Minha casa estava toda enlameada. Depois o barro começou a secar e com isso comecei a sentir um cheiro forte. A água da adutora era potável, mas eu estava tão traumatizada que eu já estava sentindo cheiro de esgoto”, relatou, ainda abalada. Segundo ela, o problema poderia ter sido ainda maior. “A sorte é que não estava chovendo, se estivesse chovendo teria alagado minha casa toda.” 

Mesmo sem a chuva, o volume de água assustou os moradores da região. Veja vídeo:


Agentes da Defesa Civil vistoriaram a casa de Marcia e outros três imóveis da Rua Osmar Costa e, segundo o órgão, a água não provocou riscos estruturais aos imóveis. Já a Copasa, informou que ainda na tarde do rompimento o registro da rede de abastecimento foi fechado. Além disso, técnicos foram até o local e corrigiram o vazamento na rede de distribuição.

Na manhã desta quarta-feira, funcionários da companhia e da Prefeitura de Belo Horizonte interditaram a rua e começaram os reparos e a retirada das árvores derrubadas. Funcionários da Copasa também realizaram a limpeza das casas e avaliaram os danos de Márcia e de outros moradores. “A equipe de limpeza esteve aqui. Antes não tinha como ficar dentro de casa, tive que ficar na rua aguardando. Agora tenho que aguardar o laudo e o ressarcimento.” 

Em nota, a Copasa afirmou que o abastecimento dos bairros da área de abrangência de atendimento da rede de água (adutora de 1.200 milímetros de diâmetros), já está normalizado. No entanto, de acordo com os moradores do local do rompimento, o abastecimento ainda não foi normalizado. A Companhia informou ainda, que nesta quarta-feira (8) será feito o reaterro da pista e a recomposição está prevista para ser realizada na quinta-feira (9).

*Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade