Publicidade

Estado de Minas

Vítimas de importunação sexual de ginecologista em BH têm entre 16 e 60 anos

Ginecologista Edilei Rosa de Novais, de 74 anos, foi preso em cumprimento de mandado de prisão preventiva nesta segunda-feira


postado em 16/12/2019 17:08 / atualizado em 16/12/2019 17:46

Médico trabalhava em uma maternidade na Região Leste de BH(foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Médico trabalhava em uma maternidade na Região Leste de BH (foto: Reprodução da internet/Google Maps)

O médico ginecologista Edilei Rosa de Novaes, de 74 anos, voltou para a prisão nesta segunda-feira. Ele foi encontrado em casa por policiais civis durante o cumprimento de mandado de prisão preventiva. Já foram feitas 20 denúncias de mulheres por abusos sexuais praticados pelo profissional de saúde. Segundo a delegada Juliana Califf, responsável pelas investigações, as vítimas têm entre 16 e 60 anos.

O médico chegou a ser preso em 26 de novembro, mas acabou solto dias depois ao pagar fiança. Devido a mais vítimas procurarem a delegacia, a prisão preventiva foi pedida pela delegada. “Foram novas denúncias, outras 19 vítimas compareceram a delegacia para registrar o boletim de ocorrência. Já ouvimos todas as as pessoas nos casos investigados. Vamos analisar os depoimentos das vítimas para saber o que procede e o que não procede”, explicou a delegada.

Segundo Juliana Califf, as vítimas têm entre 16 e 60 anos. Algumas delas, alegam terem sido abusadas há um tempo. A delegada ressalta que mesmo as pessoas que sofreram os crimes no passado devem procurar a delegacia. “Importante que procure a Polícia Civil para que a gente analise cada caso e ver o que está prescrito, e o que não está”, comentou.

Nesta segunda-feira, os policiais cumpriram mandados de prisão e busca e apreensão em alguns endereços do médico. Ele acabou encontrado em casa e não reagiu a prisão. Em um escritório, foram apreendidos equipamentos eletrônicos, como computadores e celulares. Ele vai responder por importunação sexual, violação sexual mediante fraude, e assédio sexual.

Os casos


As denúncias contra Edilei Rosa vieram à tona na última quarta-feira, quando ele estava de plantão no pronto-atendimento. Por volta das 16h, atendeu uma jovem que havia colocado DIU intrauterino há poucos dias e estava sentindo muita dor. Durante os exames, ele teria assediado e tentado beijar a paciente. O namorado dela a aguardava na sala de espera. Após ouvir o relato da moça, tentou tirar satisfações com o médico e depois acionou a polícia.

Segundo a jovem, enfermeiras teriam relatado à polícia que outros casos já teriam acontecido, inclusive com funcionárias. Algumas delas diziam que o apelido do médico dentro do hospital era "João de Deus", em referência ao médium preso suspeito de abordar de várias mulheres durante atendimentos espirituais em Abadiânia, interior de Goiás.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade